Blog do Rafael Reis

Arquivo : campeonato italiano

Ele negou Juve, Real e Manchester United para virar o sucessor de Maradona
Comentários Comente

Rafael Reis

Juventus, Milan, Manchester United, Real Madrid e tantos outros clubes que já tentaram contratar Marek Hamsik ouviram dele a mesma resposta: “Adoro o Napoli, e os torcedores me adoram. Jamais irei embora desta cidade. É preferível ganhar um título aqui do que dez em outro lugar.”

O meia eslovaco de 30 anos, os últimos 11 dedicados ao líder do Campeonato Italiano, tem um sonho que não esconde de ninguém: fazer com que a torcida napolitana “esqueça um pouco” de Diego Maradona.

O astro argentino é uma espécie de “Deus” no Napoli. Foi durante sua passagem pelo sul da Itália que o clube conquistou seus dois títulos de Serie A (1987 e 1990) e também a antiga Copa da Uefa, hoje Liga Europa, em 1989.

“Todos sabem que Diego significa muito para esta cidade. Ele é o número 1 e será assim para sempre. No entanto, queremos e precisamos que esse mito se dissolva um pouco. E para isso, é preciso vencer. Faz muito tempo que o Napoli não ganha nada e seria maravilhoso reviver sua época de glórias”, disse o jogador, em entrevista à rede de TV alemã Sport1.

Jogando na Itália desde a adolescência, Hamsik já deu o primeiro passo nesse plano para eclipsar Maradona.

Em dezembro, o eslovaco quebrou o recorde do argentino e se tornou o maior artilheiro da história do Napoli. O camisa 17, dono de um famoso cabelo moicano, soma 118 gols com a camisa azul, três a mais do que o antigo detentor da marca.

A segunda (e mais ousada) parte da meta também nunca esteve tão perto de ser alcançada.

Vice-campeão nacional clube em 2013 e 2016, o capitão agora vê o Napoli na liderança da Serie A. Com 24 das 38 rodadas já disputadas, o clube tem 63 pontos, um a mais que a Juventus, atual hexacampeã e adversária a ser batida nesta temporada.

“Já passamos da metade do campeonato e estamos em uma corrida cabeça a cabeça com a Juventus. Talvez isso não volte a acontecer nos próximos anos. Por isso, temos que mergulhar fundo nessa briga. A Juve é um clube de repercussão mundial, que tem um excelente time de 600 milhões de euros. Não tem como comparar conosco. Mas estamos à beira de fazer algo incrível e queremos vencer o campeonato. Tenho certeza que chegou a nossa vez.”

Será que um dia o torcedor napolitano colocará Maradona e Hamsik lado a lado no mesmo pedestal? Só o tempo responderá essa pergunta, mas Marek está se esforçando para isso.


Mais de Cidadãos do Mundo

Neymar ou Cristiano Ronaldo: Quem é o verdadeiro “rei” do mata-mata?
Alexis, Mina, Lucas: os 34 novos inscritos para a fase fina da Champions
Técnico de sensação da Copa ainda trabalha como dentista “de vez em quando”
Neymar, Messi e cia.: Top 10 da artilharia da Europa tem 7 sul-americanos


Lembrado por briga, zagueiro fala em volta ao Palmeiras para fazer justiça
Comentários Comente

Rafael Reis

Já faz quase nove anos que Maurício brigou em campo com Obina durante uma partida do Campeonato Brasileiro e acabou sendo dispensado do Palmeiras. A mágoa com o atacante acabou há tempos. Mas aquele episódio ainda não saiu completamente da cabeça do zagueiro.

Vivendo na Europa desde 2013, o hoje jogador da Lazio (ITA) ainda aguarda uma oportunidade de retornar ao clube onde deu seus primeiros chutes e passou quase metade da sua vida.

“Tenho muita vontade de voltar ao Palmeiras, mas não por dinheiro. Quero mostrar para o Brasil inteiro que fui injustiçado. É claro que eu errei, mas todo mundo tem o direito de errar. O Obina teve a oportunidade [de retornar ao clube], mas eu não. Minha vontade é mostrar o novo Maurício, bem mais experiente do aquele menino de nove anos atrás”, afirmou o defensor, hoje com 29 anos.

Cria da base palmeirense, o defensor foi promovido ao time profissional em 2008, logo depois de um empréstimo bem-sucedido ao CRB. No ano seguinte, quando havia se firmando na equipe titular, veio o incidente que marcou sua carreira e repercute até hoje.

A caminho do vestiário para o intervalo de uma partida contra o Grêmio, no Rio Grande do Sul, Maurício e Obina começaram a discutir sobre a jogada de um gol marcado pelos gaúchos. O clima esquentou, e o zagueiro tentou agredir o companheiro com um tapa. Na sequência, levou um soco do atacante.

Os dois jogadores foram expulsos da partida e acabaram dispensados pelo Palmeiras. Obina acabou recontratado em 2012. Maurício, não.

“Eu era um dos jogadores mais queridos do elenco até por ser um garoto que veio da base. Ninguém esperava que eu fosse brigar, ainda mais com o Obina, que também era querido por todos.”

Liberado pelo Palmeiras, Maurício começou a rodar o Brasil em empréstimos para Grêmio, Portuguesa, Vitória e Joinville. Após o fim do seu contrato, ainda defendeu o Sport antes de migrar para a Europa.

No Velho Continente, conquistou a Taça de Portugal pelo Sporting, foi campeão russo pelo Spartak Moscou e, desde 2015, faz parte do elenco da Lazio.

Maurício foi titular da equipe italiana durante mais de um ano, mas acabou perdendo espaço no clube e hoje está fora dos planos do técnico Simone Inzaghi –jogou apenas quatro minutos nesta temporada.

“Tive uma primeira temporada muito boa aqui. Conseguimos levar a Lazio para a Champions, mas houve algumas mudanças no clube e que acabei sendo prejudicado. Tive um desgaste com os diretores e com a comissão técnica. Falaram que eu não estava focado devido a problemas pessoais que vinha tendo. Meu rendimento acabou caindo um pouco”, justifica.

Maurício alega que está há mais de três meses sem receber da Lazio e tenta uma rescisão do seu contrato com o clube de Roma. A ideia inicial é permanecer mais um pouco na Europa, mas…

“Alguns clubes grandes do Brasil já me procuraram, mas as condições salariais são um pouco complicadas. Por isso, combinei com minha família de ficar mais uns anos aqui. Mas sofro demais na Europa. Morro de vontade de voltar para o Brasil”, completa.


Mais de Brasileiros pelo Mundo

– Em 6 meses, jogadores brasileiros movimentam R$ 3,5 bi no Mercado da Bola
– Sevilla não quer Ganso, mas é 45% melhor com ele em campo
– 5 destaques da Copa São Paulo que hoje estão “desaparecidos” no exterior
– “Bom com os pés”, Ederson se destaca nos passes e supera até De Bruyne


Falido, time que mostrou ao mundo Baggio e Paolo Rossi tem data para acabar
Comentários Comente

Rafael Reis

O clube que apresentou ao mundo Paolo Rossi e Roberto Baggio, dois dos maiores nomes do futebol italiano nas últimas décadas, está prestes a fechar as portas.

Fundado em 1902, campeão da Copa Itália em 1997 e vice da primeira divisão do Calcio em 1978, o Vicenza teve declarada sua falência na última quinta-feira e deixará oficialmente de existir ao fim da temporada.

O time, que não paga os salários dos seus atletas desde setembro, recebeu uma permissão para continuar na disputa da Série C do Campeonato Italiano até a última rodada da liga, em abril.

O Vicenza vinha passando por graves problemas financeiros há dois anos. Com dívidas fiscais na casa de 20 milhões de euros (R$ 78 milhões), o clube mudou de proprietário duas vezes desde 2016 e chegou a enfrentar um processo por fraude na declaração de valores de compra e venda de jogadores.

Com a falência, o nome do clube passa a ser propriedade da prefeitura de Vicenza, que poderá negociá-lo com qualquer interessado em refundar a equipe. O novo time, no entanto, terá de recomeçar na quarta divisão italiana, que é amadora.

Napoli, Fiorentina e Parma, clubes até mais vitoriosos que ele, já passaram por processos semelhantes.

O Vicenza foi o primeiro time de futebol fundado na região de Veneto, no norte da Itália, que tem como principais cidades Verona, Veneza, Pádova e Treviso.

A equipe estreou no Campeonato Italiano em 1911 e disputou 37 temporadas da primeira divisão. Sua última participação na elite foi em 2000/01, quando ficou na 16ª posição entre os 18 participantes.

Os dois maiores nomes da história do clube também brilharam com a camisa da seleção.

Paolo Rossi, artilheiro da Copa do Mundo-1982 e algoz da eliminação brasileira naquele Mundial, despontou para o estrelato no Vicenza –marcou mais de 60 gols pelo time entre 1976 e 1980.

Já Roberto Baggio, eleito o melhor jogador do mundo em 1993, é cria das categorias de base do Vicenza. Ele estreou como profissional aos 15 anos e ficou três temporadas no clube até ser negociado com a Fiorentina.

O brasileiro de maior sucesso no Vicenza foi o atacante Luís Vinícius, que ficou por lá entre 1962 e 1968 e foi o artilheiro do Campeonato Italiano em 1966. Chinesinho (ex-Palmeiras), China (ex-Botafogo) e, mais recentemente, Alemão (ex-Santos) também vestiram a camisa alvirrubra.


Mais de Clubes

– Rival do Brasil na Copa tem time vencedor da Champions que virou “nanico”
– Atingido por FifaGate, time mais brasileiro da Europa caminha para descenso
– Real chega ao Mundial como pior europeu desde Chelsea-2012
– Grande de novo? Como projeto de renascimento do Milan virou fiasco


Como um produtor de cinema transformou time falido no líder do Italiano
Comentários Comente

Rafael Reis

Treze anos atrás, o Napoli era um clube em estado de falência, com dívidas na casa de 70 milhões de euros (R$ 270 milhões) e que estava perdido no último escalão do futebol da Itália. Hoje é um dos times mais admirados da Europa, lidera o Campeonato Italiano e sonha com o título que não conquista desde a “era Maradona”.

Essa história de superação é tão boa que parece até coisa de cinema, não? Pois o homem responsável por escrevê-la ganha a vida justamente fazendo filmes.

Aurelio de Laurentiis é dono do Napoli desde setembro de 2004. Antes, já era um renomado produtor de cinema italiano especialista em filmes natalinos e presidente da Federação Internacional de Associações de Produtores Cinematográficos.

Sobrinho de Dino de Laurentiis, vencedor do Oscar de melhor filmes estrangeiro de 1958 com “Noites de Cabíria” e produtor de sucessos como “Hannibal” e “Conan, o Bárbaro”, o magnata decidiu se dedicar ao futebol quando viu o roteiro do Napoli se desfazendo.

Em 2004, o clube estava condenado à falência. Sua situação financeira era tão grave que ele chegou a ser expulso da entidade que organiza o futebol profissional na Itália. Foi aí que surgiu De Laurentiis.

O produtor de cinema pagou 30 milhões de euros (aproximadamente R$ 115 milhões) pelo espólio, refundou o clube com um novo nome (Napoli Soccer, no lugar do tradicional Società Sportiva Calcio Napoli, recuperado mais tarde) e teve de recomeçar na Serie C1, a terceira divisão italiana e a última do futebol profissional.

A promessa do novo proprietário que o Napoli retornaria à elite do Calcio em cinco temporadas. A meta foi alcançada bem antes, em apenas três anos.

Impulsionado por uma torcida fiel, que chegou a levar 51 mil pessoas a um jogo de terceira divisão, por um ótimo senso de negócios de Laurentiis, que multiplicou as receitas do clube com diretos de TV e patrocinadores, e pelos bons reforços contratados, como Cavani, Hamsik e Higuaín, o time foi se tornando aos poucos uma das potências do Calcio.

Em 2011, o Napoli voltou a disputar a Liga dos Campeões da Europa. No ano seguinte, ganhou a Copa Italia, seu primeiro título de elite desde 1990. Em 2014, repetiu a dose. Desde 2010, sempre termina o Campeonato Italiano entre os seis primeiros colocados –foi vice-campeão em 2013 e 2016.

O objetivo que falta ao clube é faturar o Italiano pela terceira vez. Nas outras duas, 1987 e 1990, o time era liderado dentro de campo por Diego Armando Maradona, o maior jogador de sua história.

Apesar de não contar com nenhuma estrela digna de Hollywood, como era o camisa 10 argentino, o Napoli faz bonito na atual temporada. Depois de 20 rodadas disputadas, soma 51 pontos, um a mais que a Juventus, vencedora das últimas seis edições do campeonato.

O time dirigido pelo técnico Maurizio Sarri, hoje uma quase unanimidade no Calcio, tem a melhor defesa do país, com apenas 13 gols sofridos, e um setor ofensivo liderado por baixinhos cheios de habilidade e talento, como o belga Dries Mertens (1,69 m) e o italiano Lorenzo Insigne (1,63 m).

São eles os personagens em que o Napoli aposta para que o filme que começou a ser escrito há pouco mais de 13 anos por De Laurentiis encontre nesta temporada seu final feliz.


Mais de Cidadãos do Mundo

Por que astro de rival do Brasil na Copa é tão questionado no Real?
Italiano faz 4 gols no 1º jogo do ano e tira artilharia da Europa de Cavani
7 garotos para você ficar de olho no futebol mundial em 2018
5 técnicos gringos que podem pintar no futebol brasileiro durante 2018


Por que meia da seleção argentina usou braçadeira de capitão da Peppa Pig?
Comentários Comente

Rafael Reis

Uma porquinha rosa, famosa entre as crianças do mundo todo, deu o que falar na rodada do último fim de semana do Campeonato Italiano.

O meia Alejandro “Papu” Goméz, principal jogador da Atalanta e um dos integrantes da seleção argentina, disputou a partida contra a Roma, no último sábado, usando em seu braço esquerdo uma braçadeira de capitão da Peppa Pig.

De acordo com o jogador, a brincadeira foi uma forma de comemorar o terceiro aniversário de sua filha Constantina, que é completamente apaixonada pelo desenho animado protagonizado pela porquinha.

A braçadeira utilizada por Gómez na vitória por 2 a 1 sobre a equipe da capital italiana trazia uma foto da garotinha, acompanhada dos desenho de Peppa segurando um bolo e de George, irmão da personagem, com um dinossauro de brinquedo nas mãos.

A animação que o capitão da Atalanta usou para homenagear sua filha foi lançada em 2004, no Reino Unido, e conta a história de uma família de porquinhos. O desenho, destinado para crianças em idade pré-escolar, é uma febre mundial. No Brasil, é exibido pela TV Cultura e pela Discovery Kids.

Essa não foi a primeira vez que Papu Gómez surpreendeu o público com uma faixa de capitão temática. O meia é famoso por usar sua braçadeira para prestar homenagens a pessoas queridas e passar mensagens aos torcedores.

Desde que se tornou capitão da Atalanta, o argentino já usou braçadeiras com imagens do Papa Francisco, dos desenhos animados Frozen e Supercampeões e de escalações de times de futebol do game Pro Evolution Soccer. Suas faixas também apresentaram mensagens sobre Halloween e sustentabilidade.

A ideia partiu da esposa do jogador, Linda, que confecciona uma nova braçadeira para o marido a cada partida.

“É algo que achamos muito divertido e custa apenas cinco euros [cerca de R$ 19] para fazer cada braçadeira. O que faço com essas faixas depois de utilizá-las? Estão todas guardadas em casa, menos uma, que dei de presente ao presidente [da Atalanta] Percassi quando vencemos em casa a Inter de Milão”, disse Gómez, em entrevista ao jornal argentino “La Nación”.

Revelado pelo Arsenal de Sarandí, o meia está na Atalanta desde 2014 e já é um dos maiores jogadores da história do clube. O camisa 10 soma 33 gols e 34 assistências em 126 partidas pelo time de Bergamo.

O bom futebol apresentado nas últimas temporadas levou Gómez à seleção argentina. O ídolo da Atalanta esteve em três das quatro convocações feitas pelo técnico Jorge Sampaoli e tem tudo para disputar a próxima Copa do Mundo.


Mais de Cidadãos do Mundo

Por que astro de rival do Brasil na Copa é tão questionado no Real?
Italiano faz 4 gols no 1º jogo do ano e tira artilharia da Europa de Cavani
7 garotos para você ficar de olho no futebol mundial em 2018
5 técnicos gringos que podem pintar no futebol brasileiro durante 2018


Grande de novo? Como projeto de renascimento do Milan virou fiasco
Comentários Comente

Rafael Reis

Um novo proprietário, investimento de quase 200 milhões de euros (R$ 771 milhões) em contratações, reforços desejados por praticamente qualquer clube do mundo, renovação de contrato da sua maior revelação dos últimos tempos e promessa de que esse era só o pontapé inicial de uma era de fartura.

O torcedor do Milan começou 2017/18 acreditando que os anos perdidos no meio da tabela do Campeonato Italiano haviam chegado ao fim e que o clube retomaria sua tradição de ser um protagonista do futebol europeu.

Só que meia temporada depois, até o milanista mais otimista já pensa que tudo isso não passou de uma mera ilusão.

Dentro de campo, a situação não difere muito da vista nas últimas temporadas.

Passadas 15 rodadas do Italiano, o time ocupa a oitava colocação, com 21 pontos. A desvantagem para a líder, Inter de Milão, já é de 18 pontos. A desvantagem para a zona de classificação para a Liga dos Campeões, de 13.

Das últimas oito partidas que disputou, o Milan só ganhou duas. E seus dois resultados mais recentes foram especialmente vergonhosos: empate por 2 a 2 com o Benevento, time de pior largada da história do Calcio, com direito a gol marcado pelo goleiro adversário nos acréscimos, e derrota por 2 a 0 para o Rijeka, da Croácia, na última rodada da fase de grupos da Liga Europa – os italianos já estavam classificados para a fase final.

“Eu estava esperando mais. Foi uma apresentação muito pobre. Temos de mudar nossa mentalidade e virar tudo do avesso. Precisamos de mais intensidade e vontade de ganhar”, afirmou o ex-volante Gennaro Gattuso, ídolo do clube na década passada que foi contratado há dez dias para substituir Vincenzo Montella e ainda não venceu como técnico milanista.

Para piorar a situação, os tão aclamados reforços contratados a peso de ouro no início da temporada estão devendo… e muito. O zagueiro Leonardo Bonucci, ex-Juventus, vem falhando frequentemente. Já o atacante português André Silva ainda não balançou as redes no Campeonato Italiano e foi parar no banco de reservas.

E se, dentro de campo, o projeto de “novo Milan” vai patinando, fora das quatro linhas as coisas estão ainda mais fora do lugar.

O novo proprietário do clube, o chinês Li Yonghong, vem sendo bombardeado com reportagens que colocam em dúvida sua capacidade de pagar o empréstimo de US$ 354 milhões (R$ 1,3 bilhão) que contraiu para fechar o negócio e até mesmo se ele realmente é o dono do time italiano.

Uma matéria publicada no mês passado pelo norte-americano “New York Times” informou que a empresa de mineração de fosfato que o empresário alegou ser sua para que o negócio fosse aprovado não está em seu nome.

Além disso, a companhia já não atende mais no endereço que consta como sua sede – o jornalista que visitou o local encontrou-o fechado, todo bagunçado e com um bilhete de despejo na porta.

O Milan ainda corre sério risco de ser punido pela Uefa por desrespeitar o limite de déficit acumulado de 30 milhões de euros (R$ 115,8 milhões) em três anos imposto pelo fair play financeiro da entidade. A pena pode ser a exclusão de torneios continentais a partir da temporada 2018/19, o que complicaria ainda mais a sua já nebulosa situação financeira.


Mais de Clubes

– Time de Romarinho no Mundial é “irmão” do Manchester City; entenda o caso
– Boca, River e mais 37: Conheça os times já garantidos na Libertadores-2017
– Quanto custa ver no estádio um jogo do PSG?
– 5 times de futebol que jogam em estádios maiores que suas cidades


Punido por fraudar jogos, brasileiro renasce ao lado de pedreiros e garçons
Comentários Comente

Rafael Reis

“Para meus companheiros de time, o futebol é só mais um trabalho para completar o salário. Jogo ao lado de pedreiro, eletricista, vendedor de carro. Dia desses, fui a um restaurante e quem veio me atender era um cara que joga comigo.”

Não encontrar mais espaço no futebol profissional e ter de reconstruir a carreira atuando ao lado de atletas amadores: é esse o preço que o único jogador brasileiro punido por manipulação de resultados em partidas de futebol na Europa continua pagando.

O atacante Joelson Inácio, 34, atuava na segunda divisão italiana até 2012 quando recebeu uma suspensão de dois anos e meio de qualquer atividade relacionada à modalidade. A pena está relacionada ao recebimento de dinheiro de uma rede de apostadores ilegais para tentar manipular resultados do Grossetto, da Série B local, em 2010.

O atacante, que deixou o Brasil para viver na Itália quando tinha apenas 13 anos, admitiu ter participado de duas tentativas de fraudar jogos.

Em um episódio, recebeu 20 mil euros (cerca de R$ 75 mil, na cotação atual) para permitir a vitória por 2 a 0 do Reggina sobre o Grossetto. Em outro, ofereceu 30 mil euros (R$ 112 mil) para que o goleiro rival, o brasileiro Angelo da Costa, fosse derrotado de propósito –a proposta foi recusada.

Livre para jogar desde março de 2015, quando sua suspensão chegou ao fim, Joelson não conseguiu mais encontrar espaço nas divisões mais altas da Itália. O jeito foi recomeçar de baixo, no futebol semiprofissional.

O brasileiro está em sua terceira temporada consecutiva na Série D, a quarta divisão do Calcio e a primeira em que os jogadores não são totalmente profissionais. Depois de defender Lecco e Pontisola, agora atua no Caravaggio.

“Sou o único jogador do time que vive só do futebol. O resto trabalha meio período. É claro que meu salário hoje é bem mais baixo do que era antes. Mas consegui fazer uma economia boa durante a carreira, e minha mulher também trabalha”, conta.

A fama de ter sido um manipulador de resultados não apenas prejudica a sequência de sua carreira, como também faz parte do seu cotidiano dentro de campo. Ainda hoje, anos depois do escândalo que mudou sua vida, Joelson continua sendo procurado por quem deseja fraudar placares de jogos de profissional.

“O pessoal da organização nunca mais encostou em mim. Mas, em campo, às vezes aparece um jogador ou outro tentando combinar um resultado. Só que não dou a mínima”, completa o atacante brasileiro, que sempre faz questão de dizer que está arrependido por seus atos do passado.


Mais de Brasileiros pelo Mundo

– Na Coreia do Sul, Lulinha diz ter mais medo do Brasil do que de Kim
– 7 histórias de brasileiros para acompanhar de perto na temporada europeia
– 7 crias do Atlético-MG que hoje fazem sucesso (ou não) fora do Brasil
– Mais caçado da Europa, Neymar apanha 72% mais no PSG


Novo rico e o adeus de Buffon: 7 motivos para acompanhar o Italiano
Comentários Comente

Rafael Reis

O Campeonato Italiano possui uma legião de fãs no Brasil, muitos deles de longa data, do começo dos anos 1990, quando os jogos passavam na Band e era a única liga nacional estrangeira transmitida em TV aberta para todo o país.

Mas até os mais fanáticos apreciadores do calcio sabem que o outrora maior campeonato do planeta está devendo já há algumas temporadas.

Só que essa situação pode estar prestes a mudar. O crescimento da Juventus no cenário europeu, as contratações milionárias do Milan e o trabalho sólido feito pelo Napoli deram um gás novo para a competição, que promete ser bem mais emocionante que nos últimos anos.

Conheça abaixo sete motivos para acompanhar a temporada 2017/18 do Campeonato Italiano, que começa neste sábado com duas partidas (Juventus x Cagliari e Hellas Verona x Napoli):

NOVO MILAN

Cento e oitenta cinco milhões de euros (R$ 703 milhões) em reforços. Foi esse o valor que os novos donos do Milan investiram para transformar um time que não sobe ao pódio do Italiano desde 2013 em um candidato a acabar com a hegemonia da Juventus no campeonato. Entre as principais contratações dos rossoneri, destaque para o zagueiro Leonardo Bonucci, ex-Juve e novo capitão do time, e para o centroavante português André Silva, revelação do Porto na temporada passada.

O ADEUS DE GIGI

A não ser que mude radicalmente de planos, a temporada 2017/18 deve marcar a despedida de um dos maiores goleiros da história, Gianluigi Buffon. O arqueiro de 39 anos tem contrato com a Juventus até junho e já afirmou que pretende deixar o futebol profissional depois de disputar a sexta Copa do Mundo de sua carreira. Gigi estreou no Italiano em novembro de 1995, ainda pelo Parma, e defende a meta da atual vice-campeã europeia desde 2001.

A VIDA PÓS-TOTTI

Pela primeira vez em 24 anos, a Roma não terá em seu elenco Francesco Totti. O maior ídolo da história do clube da capital e um dos ícones do futebol italiano se aposentou no fim da última temporada, aos 40 anos. Em homenagem ao astro, a Roma decidiu tirar de circulação sua camisa 10, vestida por Totti durante a maior parte da carreira. O veterano volante Daniele de Rossi herdou a braçadeira de capitão.

A CHANCE DE ALISSON

Criticado por ser titular da seleção mesmo esquentando o banco na Roma durante a última temporada, Alisson terá sua chance de ouro a partir desde fim de semana. Com a ida do polonês Szczesny para a Juventus, o brasileiro deve começar a temporada como titular. O também polonês Lukasz Skorupski (ex-Empoli) e o veterano romeno Bogdan Lobont são os outros goleiros do elenco romano.

O FENÔMENO MERTENS

Dries Mertens era só mais um coadjuvante da aclamada geração belga enquanto jogava como atacante pelos lados de campo. Mas bastou Maurizio Sarri improvisar esse baixinho habilidoso de 1,69 m no comando de ataque do Napoli para o Campeonato Italiano ganhar um novo craque. Mertens fez 34 gols em 46 partidas na temporada passada e virou a maior esperança napolitana de ir além do vice-campeonato obtido em dois dos últimos cinco anos.

O FANTASMA DE BELOTTI

A história italiana é repleta de de atacantes que despontaram como candidatos a figurões do futebol mundial e jamais conseguiram concretizar esse rótulo, como Alberto Gilardino e Ciro Immobile. A bola da vez é Andrea Belotti. Terceiro colocado na artilharia do último Campeonato Italiano, o camisa 9 do Torino entrou na lista de compras de vários clubes, como Chelsea e Milan, mas, pelo menos por enquanto, continua em Turim. Resta saber se será o goleador de uma só temporada ou se conseguirá superar essa “maldição”.

O QUE A INTER QUER?

Último time italiano a vencer a Liga dos Campeões, a Inter parece meio sem saber o que fazer para voltar a ser competitiva. Depois de gastar horrores na temporada passada e não ver resultado dentro de campo, o clube optou neste mercado por fazer contratações daquelas que não empolgam muito o torcedor. Seu reforço mais caro é o volante uruguaio Matías Vecino, tirado da Fiorentina.


Mais de Clubes

– Disputa é pela artilharia: 7 motivos para acompanhar o Campeonato Alemão
– Sem Neymar, mas com Messi e Ronaldo: 7 motivos para acompanhar o Espanhol
– Antes de ganhar o mundo, São Paulo de Telê goleou Barça e Real Madrid
– Mais que Jesus: 7 motivos para acompanhar de perto o Campeonato Inglês


Sensação do Mercado da Bola, Milan vira “novo rico” pela 2ª vez
Comentários Comente

Rafael Reis

Investimento de quase 190 milhões de euros (R$ 703 milhões) na contratação de novos jogadores. Reforços do nível de Bonucci, André Silva, Calhanoglu e Biglia. O posto de segundo clube que mais gastou na atual janela de transferências do futebol europeu.

E toda essa gastança só foi possível devido à injeção de dinheiro proporcionada pelo fundo de origem chinesa Rossoneri Sport Investment Luxembourg, novo proprietário do clube.

O Milan, um dos times mais tradicionais e vitoriosos do planeta, adotou a mesma receita do sucesso recente de Chelsea, Manchester City e Paris Saint-Germain: encontrou um dono cheio da grana e virou um novo rico.

E essa nem é a primeira vez em seus 117 anos de história que isso acontece.

Na década de 1980, quando vivia uma situação ainda mais problemática do que a dos últimos anos, o clube italiano passou por um processo semelhante. Ou seja, tornou-se milionário do dia para noite.

O salvador da pátria naquela ocasião foi Silvio Berlusconi, o polêmico empresário proprietário da Fininvest e do grupo Mediaset, que viria a se tornar primeiro-ministro italiano e que permaneceu à frente do Milan até a venda para os chineses, três meses atrás.

Berlusconi virou acionista majoritário do Milan em 1986, quando o clube enfrentava sérios problemas financeiros, corria risco de falência, amargava um jejum de sete anos sem um mísero título e colecionava duas passagens recentes pela segunda divisão italiana.

O novo proprietário não economizou para tirar o Milan do buraco e recolocá-lo na rota de grandes conquistas. Foi graças ao seu dinheiro que nasceu um dos mais admirados esquadrões do futebol europeu nas últimas décadas.

O empresário usou sua fortuna pessoal para seduzir o técnico Arrigo Sacchi, então no Parma, e levar para a Itália os trio de holandeses Frank Rijkaard, Ruud Gullit e Marco van Basten.

A partir da montagem dessa equipe, a mais temida do planeta entre o final da década de 1980 e o início dos anos 1990, o Milan construiu uma hegemonia que perdurou por muito tempo. Nos primeiros dez anos da “era Berlusconi”, foram cinco títulos italianos e três Ligas dos Campeões da Europa.

O sucesso durou até meados dos anos 2000, quando o clube rossonero foi superado dentro da Itália pela Juventus e começou a perder seus principais jogadores, como Kaká, Thiago Silva e Ibrahimovic.

Agora, já são seis anos sem conquistar o título italiano e quatro temporadas consecutivas sem sequer participar da Champions. Hora de virar novo rico… mais uma vez.


Mais de Clubes

– Mercado da Bola já movimentou quase R$ 11 bi; veja os clubes mais gastões
– Mesmo com tropeços, arrancada do Corinthians supera Bayern e Juventus
– São Paulo entra no top 10 de maiores vendedores da atual janela; veja a lista
– Champions começa com time de vilarejo de 867 pessoas e estádios minúsculos


Mistério e polêmicas: quem é o homem que tem revolucionado o Milan?
Comentários Comente

Rafael Reis

Trinta e oito milhões de euros (R$ 140 milhões) pela revelação portuguesa André Silva. Mais 44 milhões de euros (R$ 163 milhões) investidos nas contratações de Ricardo Rodríguez, Mateo Musachio e Franck Kessié. E o sonho da chegada de um reforço do peso de Cesc Fàbregas ou Kylian Mbappé.

Depois de anos relegado ao segundo escalão até mesmo do futebol italiano, o Milan se tornou o protagonista do início do período de transferências na Europa. E tudo isso graças ao dinheiro do seu novo proprietário.

Mas, afinal, quem é Li Yonghong, o homem que encabeça o Rossoneri Sport Investment Luxembourg, fundo de investimento que adquiriu em abril 99,92973% das ações do clube italiano e sucedeu Silvio Berlusconi na administração milanista?

O problema é que quase ninguém sabe responder com exatidão essa pergunta.

Até o início das negociações de compra do Milan, Li era um desconhecido até mesmo para a imprensa da China, país onde nasceu. O novo proprietário do clube rossonero não faz parte da lista de bilionários da revista “Forbes”, jamais foi acionista majoritário de uma empresa de porte global e nem ocupou cargo diretivo de um grande conglomerado asiático.

O que se sabe sobre ele é muito pouco. Tem 47 anos, nasceu na China e migrou para Hong Kong duas décadas atrás, é casado com Miss Huang, dona de parte considerável das ações de múltiplas empresas dadas como garantia na compra do clube italiano… Nem mesmo o local de sua residência é conhecido.

Quase todas as outras informações sobre o novo presidente do Milan são histórias que circulam pela imprensa europeia, rumores de redes sociais ou dados que padecem de uma comprovação oficial.

Li é um homem do mercado financeiro, que aparentemente fez fortuna especulando com compra e venda de ações na Bolsa de Hong Kong –trabalhou em duas empresas do setor, a Enson Enterprises Limited e a Grand Dragon International Holdings Co. Ltd.

Seus principais investimentos estariam concentrados em fábricas de embalagens, minas de fosfato e na construção de um prédio em Guangzhou, na China.

O novo dono do Milan também teria sua história marcada por pelo menos três casos de fraudes.

Na década de 1990, Li teria aplicado um golpe em 18 mil clientes de um fundo de investimento que haviam lhe confiado suas economias. O empresário, no entanto, nega que essa história seja verídica.

Além disso, um dos seus irmãos, Li Yongfei, foi preso em 2003 por uma outra fraude financeira. Os rumores dizem que o agora proprietário do Milan escapou de ter o mesmo destino porque fugiu para Honduras.

Já em 2012, Li foi condenado a pagar uma multa de 80 mil euros (R$ 295 mil) por violar as regras da Bolsa de Xangai que preveem a divulgação de dados das empresas que participam do mercado financeiro chinês.

São essas mãos, misteriosas e, no mínimo, polêmicas, que fazem o torcedor do Milan sonhar novamente com a volta de um tempo em que o clube era um dos mais temidos do futebol mundial. O dinheiro para isso já tem sido gasto.


Mais de Cidadãos do Mundo

Janela nem abriu e já movimentou R$ 2,2 bi; veja os reforços mais caros
24 anos depois, por onde andam os jogadores do último título da Argentina?
1º jogador a assumir ser gay sofreu também com racismo e se suicidou
Mais Brasil e “novo Buffon”: saiba quem a Juve quer contratar para 2017/18