Blog do Rafael Reis

Arquivo : campeonato italiano

Punido por fraudar jogos, brasileiro renasce ao lado de pedreiros e garçons
Comentários Comente

Rafael Reis

“Para meus companheiros de time, o futebol é só mais um trabalho para completar o salário. Jogo ao lado de pedreiro, eletricista, vendedor de carro. Dia desses, fui a um restaurante e quem veio me atender era um cara que joga comigo.”

Não encontrar mais espaço no futebol profissional e ter de reconstruir a carreira atuando ao lado de atletas amadores: é esse o preço que o único jogador brasileiro punido por manipulação de resultados em partidas de futebol na Europa continua pagando.

O atacante Joelson Inácio, 34, atuava na segunda divisão italiana até 2012 quando recebeu uma suspensão de dois anos e meio de qualquer atividade relacionada à modalidade. A pena está relacionada ao recebimento de dinheiro de uma rede de apostadores ilegais para tentar manipular resultados do Grossetto, da Série B local, em 2010.

O atacante, que deixou o Brasil para viver na Itália quando tinha apenas 13 anos, admitiu ter participado de duas tentativas de fraudar jogos.

Em um episódio, recebeu 20 mil euros (cerca de R$ 75 mil, na cotação atual) para permitir a vitória por 2 a 0 do Reggina sobre o Grossetto. Em outro, ofereceu 30 mil euros (R$ 112 mil) para que o goleiro rival, o brasileiro Angelo da Costa, fosse derrotado de propósito –a proposta foi recusada.

Livre para jogar desde março de 2015, quando sua suspensão chegou ao fim, Joelson não conseguiu mais encontrar espaço nas divisões mais altas da Itália. O jeito foi recomeçar de baixo, no futebol semiprofissional.

O brasileiro está em sua terceira temporada consecutiva na Série D, a quarta divisão do Calcio e a primeira em que os jogadores não são totalmente profissionais. Depois de defender Lecco e Pontisola, agora atua no Caravaggio.

“Sou o único jogador do time que vive só do futebol. O resto trabalha meio período. É claro que meu salário hoje é bem mais baixo do que era antes. Mas consegui fazer uma economia boa durante a carreira, e minha mulher também trabalha”, conta.

A fama de ter sido um manipulador de resultados não apenas prejudica a sequência de sua carreira, como também faz parte do seu cotidiano dentro de campo. Ainda hoje, anos depois do escândalo que mudou sua vida, Joelson continua sendo procurado por quem deseja fraudar placares de jogos de profissional.

“O pessoal da organização nunca mais encostou em mim. Mas, em campo, às vezes aparece um jogador ou outro tentando combinar um resultado. Só que não dou a mínima”, completa o atacante brasileiro, que sempre faz questão de dizer que está arrependido por seus atos do passado.


Mais de Brasileiros pelo Mundo

– Na Coreia do Sul, Lulinha diz ter mais medo do Brasil do que de Kim
– 7 histórias de brasileiros para acompanhar de perto na temporada europeia
– 7 crias do Atlético-MG que hoje fazem sucesso (ou não) fora do Brasil
– Mais caçado da Europa, Neymar apanha 72% mais no PSG


Novo rico e o adeus de Buffon: 7 motivos para acompanhar o Italiano
Comentários Comente

Rafael Reis

O Campeonato Italiano possui uma legião de fãs no Brasil, muitos deles de longa data, do começo dos anos 1990, quando os jogos passavam na Band e era a única liga nacional estrangeira transmitida em TV aberta para todo o país.

Mas até os mais fanáticos apreciadores do calcio sabem que o outrora maior campeonato do planeta está devendo já há algumas temporadas.

Só que essa situação pode estar prestes a mudar. O crescimento da Juventus no cenário europeu, as contratações milionárias do Milan e o trabalho sólido feito pelo Napoli deram um gás novo para a competição, que promete ser bem mais emocionante que nos últimos anos.

Conheça abaixo sete motivos para acompanhar a temporada 2017/18 do Campeonato Italiano, que começa neste sábado com duas partidas (Juventus x Cagliari e Hellas Verona x Napoli):

NOVO MILAN

Cento e oitenta cinco milhões de euros (R$ 703 milhões) em reforços. Foi esse o valor que os novos donos do Milan investiram para transformar um time que não sobe ao pódio do Italiano desde 2013 em um candidato a acabar com a hegemonia da Juventus no campeonato. Entre as principais contratações dos rossoneri, destaque para o zagueiro Leonardo Bonucci, ex-Juve e novo capitão do time, e para o centroavante português André Silva, revelação do Porto na temporada passada.

O ADEUS DE GIGI

A não ser que mude radicalmente de planos, a temporada 2017/18 deve marcar a despedida de um dos maiores goleiros da história, Gianluigi Buffon. O arqueiro de 39 anos tem contrato com a Juventus até junho e já afirmou que pretende deixar o futebol profissional depois de disputar a sexta Copa do Mundo de sua carreira. Gigi estreou no Italiano em novembro de 1995, ainda pelo Parma, e defende a meta da atual vice-campeã europeia desde 2001.

A VIDA PÓS-TOTTI

Pela primeira vez em 24 anos, a Roma não terá em seu elenco Francesco Totti. O maior ídolo da história do clube da capital e um dos ícones do futebol italiano se aposentou no fim da última temporada, aos 40 anos. Em homenagem ao astro, a Roma decidiu tirar de circulação sua camisa 10, vestida por Totti durante a maior parte da carreira. O veterano volante Daniele de Rossi herdou a braçadeira de capitão.

A CHANCE DE ALISSON

Criticado por ser titular da seleção mesmo esquentando o banco na Roma durante a última temporada, Alisson terá sua chance de ouro a partir desde fim de semana. Com a ida do polonês Szczesny para a Juventus, o brasileiro deve começar a temporada como titular. O também polonês Lukasz Skorupski (ex-Empoli) e o veterano romeno Bogdan Lobont são os outros goleiros do elenco romano.

O FENÔMENO MERTENS

Dries Mertens era só mais um coadjuvante da aclamada geração belga enquanto jogava como atacante pelos lados de campo. Mas bastou Maurizio Sarri improvisar esse baixinho habilidoso de 1,69 m no comando de ataque do Napoli para o Campeonato Italiano ganhar um novo craque. Mertens fez 34 gols em 46 partidas na temporada passada e virou a maior esperança napolitana de ir além do vice-campeonato obtido em dois dos últimos cinco anos.

O FANTASMA DE BELOTTI

A história italiana é repleta de de atacantes que despontaram como candidatos a figurões do futebol mundial e jamais conseguiram concretizar esse rótulo, como Alberto Gilardino e Ciro Immobile. A bola da vez é Andrea Belotti. Terceiro colocado na artilharia do último Campeonato Italiano, o camisa 9 do Torino entrou na lista de compras de vários clubes, como Chelsea e Milan, mas, pelo menos por enquanto, continua em Turim. Resta saber se será o goleador de uma só temporada ou se conseguirá superar essa “maldição”.

O QUE A INTER QUER?

Último time italiano a vencer a Liga dos Campeões, a Inter parece meio sem saber o que fazer para voltar a ser competitiva. Depois de gastar horrores na temporada passada e não ver resultado dentro de campo, o clube optou neste mercado por fazer contratações daquelas que não empolgam muito o torcedor. Seu reforço mais caro é o volante uruguaio Matías Vecino, tirado da Fiorentina.


Mais de Clubes

– Disputa é pela artilharia: 7 motivos para acompanhar o Campeonato Alemão
– Sem Neymar, mas com Messi e Ronaldo: 7 motivos para acompanhar o Espanhol
– Antes de ganhar o mundo, São Paulo de Telê goleou Barça e Real Madrid
– Mais que Jesus: 7 motivos para acompanhar de perto o Campeonato Inglês


Sensação do Mercado da Bola, Milan vira “novo rico” pela 2ª vez
Comentários Comente

Rafael Reis

Investimento de quase 190 milhões de euros (R$ 703 milhões) na contratação de novos jogadores. Reforços do nível de Bonucci, André Silva, Calhanoglu e Biglia. O posto de segundo clube que mais gastou na atual janela de transferências do futebol europeu.

E toda essa gastança só foi possível devido à injeção de dinheiro proporcionada pelo fundo de origem chinesa Rossoneri Sport Investment Luxembourg, novo proprietário do clube.

O Milan, um dos times mais tradicionais e vitoriosos do planeta, adotou a mesma receita do sucesso recente de Chelsea, Manchester City e Paris Saint-Germain: encontrou um dono cheio da grana e virou um novo rico.

E essa nem é a primeira vez em seus 117 anos de história que isso acontece.

Na década de 1980, quando vivia uma situação ainda mais problemática do que a dos últimos anos, o clube italiano passou por um processo semelhante. Ou seja, tornou-se milionário do dia para noite.

O salvador da pátria naquela ocasião foi Silvio Berlusconi, o polêmico empresário proprietário da Fininvest e do grupo Mediaset, que viria a se tornar primeiro-ministro italiano e que permaneceu à frente do Milan até a venda para os chineses, três meses atrás.

Berlusconi virou acionista majoritário do Milan em 1986, quando o clube enfrentava sérios problemas financeiros, corria risco de falência, amargava um jejum de sete anos sem um mísero título e colecionava duas passagens recentes pela segunda divisão italiana.

O novo proprietário não economizou para tirar o Milan do buraco e recolocá-lo na rota de grandes conquistas. Foi graças ao seu dinheiro que nasceu um dos mais admirados esquadrões do futebol europeu nas últimas décadas.

O empresário usou sua fortuna pessoal para seduzir o técnico Arrigo Sacchi, então no Parma, e levar para a Itália os trio de holandeses Frank Rijkaard, Ruud Gullit e Marco van Basten.

A partir da montagem dessa equipe, a mais temida do planeta entre o final da década de 1980 e o início dos anos 1990, o Milan construiu uma hegemonia que perdurou por muito tempo. Nos primeiros dez anos da “era Berlusconi”, foram cinco títulos italianos e três Ligas dos Campeões da Europa.

O sucesso durou até meados dos anos 2000, quando o clube rossonero foi superado dentro da Itália pela Juventus e começou a perder seus principais jogadores, como Kaká, Thiago Silva e Ibrahimovic.

Agora, já são seis anos sem conquistar o título italiano e quatro temporadas consecutivas sem sequer participar da Champions. Hora de virar novo rico… mais uma vez.


Mais de Clubes

– Mercado da Bola já movimentou quase R$ 11 bi; veja os clubes mais gastões
– Mesmo com tropeços, arrancada do Corinthians supera Bayern e Juventus
– São Paulo entra no top 10 de maiores vendedores da atual janela; veja a lista
– Champions começa com time de vilarejo de 867 pessoas e estádios minúsculos


Mistério e polêmicas: quem é o homem que tem revolucionado o Milan?
Comentários Comente

Rafael Reis

Trinta e oito milhões de euros (R$ 140 milhões) pela revelação portuguesa André Silva. Mais 44 milhões de euros (R$ 163 milhões) investidos nas contratações de Ricardo Rodríguez, Mateo Musachio e Franck Kessié. E o sonho da chegada de um reforço do peso de Cesc Fàbregas ou Kylian Mbappé.

Depois de anos relegado ao segundo escalão até mesmo do futebol italiano, o Milan se tornou o protagonista do início do período de transferências na Europa. E tudo isso graças ao dinheiro do seu novo proprietário.

Mas, afinal, quem é Li Yonghong, o homem que encabeça o Rossoneri Sport Investment Luxembourg, fundo de investimento que adquiriu em abril 99,92973% das ações do clube italiano e sucedeu Silvio Berlusconi na administração milanista?

O problema é que quase ninguém sabe responder com exatidão essa pergunta.

Até o início das negociações de compra do Milan, Li era um desconhecido até mesmo para a imprensa da China, país onde nasceu. O novo proprietário do clube rossonero não faz parte da lista de bilionários da revista “Forbes”, jamais foi acionista majoritário de uma empresa de porte global e nem ocupou cargo diretivo de um grande conglomerado asiático.

O que se sabe sobre ele é muito pouco. Tem 47 anos, nasceu na China e migrou para Hong Kong duas décadas atrás, é casado com Miss Huang, dona de parte considerável das ações de múltiplas empresas dadas como garantia na compra do clube italiano… Nem mesmo o local de sua residência é conhecido.

Quase todas as outras informações sobre o novo presidente do Milan são histórias que circulam pela imprensa europeia, rumores de redes sociais ou dados que padecem de uma comprovação oficial.

Li é um homem do mercado financeiro, que aparentemente fez fortuna especulando com compra e venda de ações na Bolsa de Hong Kong –trabalhou em duas empresas do setor, a Enson Enterprises Limited e a Grand Dragon International Holdings Co. Ltd.

Seus principais investimentos estariam concentrados em fábricas de embalagens, minas de fosfato e na construção de um prédio em Guangzhou, na China.

O novo dono do Milan também teria sua história marcada por pelo menos três casos de fraudes.

Na década de 1990, Li teria aplicado um golpe em 18 mil clientes de um fundo de investimento que haviam lhe confiado suas economias. O empresário, no entanto, nega que essa história seja verídica.

Além disso, um dos seus irmãos, Li Yongfei, foi preso em 2003 por uma outra fraude financeira. Os rumores dizem que o agora proprietário do Milan escapou de ter o mesmo destino porque fugiu para Honduras.

Já em 2012, Li foi condenado a pagar uma multa de 80 mil euros (R$ 295 mil) por violar as regras da Bolsa de Xangai que preveem a divulgação de dados das empresas que participam do mercado financeiro chinês.

São essas mãos, misteriosas e, no mínimo, polêmicas, que fazem o torcedor do Milan sonhar novamente com a volta de um tempo em que o clube era um dos mais temidos do futebol mundial. O dinheiro para isso já tem sido gasto.


Mais de Cidadãos do Mundo

Janela nem abriu e já movimentou R$ 2,2 bi; veja os reforços mais caros
24 anos depois, por onde andam os jogadores do último título da Argentina?
1º jogador a assumir ser gay sofreu também com racismo e se suicidou
Mais Brasil e “novo Buffon”: saiba quem a Juve quer contratar para 2017/18


Mais comportados! Cartões a brasileiros caem 15% na temporada europeia
Comentários Comente

Rafael Reis

Os jogadores brasileiros ficaram mais comportados na temporada 2016/17 do primeiro escalão do futebol europeu.

O número de cartões amarelos mostrados a representantes do futebol pentacampeão mundial nas cinco principais ligas nacionais do Velho Continente (Espanha, Inglaterra, Itália, Alemanha e França) caiu 15% em relação ao ano anterior.

Foram 397 advertências dadas a 99 atletas diferentes ao longo dos últimos nove meses, 70 a menos do que o total registrado em 2015/16.

O atacante Deyverson, do Alavés, nono colocado do Campeonato Espanhol, foi o recordista brasileiro de amarelos na temporada. O atacante recebeu 14 cartões em 32 partidas disputadas na liga.

A queda no número de expulsões foi ainda mais acentuada. Os jogadores brazucas receberam 18 cartões vermelhos no somatório das cinco competições analisadas. Na temporada passada, foram 28 exclusões.

Quem se destacou negativamente nessa estatística foi um integrante da seleção. O volante Fernandinho, que também atuou improvisado como lateral direito no Manchester City, foi expulso duas vezes na Premier League inglesa.

A redução na punição a jogadores brasileiros no primeiro escalão do futebol europeu não é uma simples questão matemática. Ela demonstra que houve uma evolução disciplinar dos atletas brazucas nesta temporada.

Isso porque, ao contrário do número cartões, a presença brasileira em campo nos cinco campeonatos nacionais mais importantes do continente cresceu. Ou seja, mesmo jogando mais, nossos atletas foram menos avertidos.

Um dado deixa isso bem claro: na atual temporada, os jogadores brasileiros receberam um cartão amarelo a cada 442 minutos (4,9 partidas) que ficaram em campo. Na anterior, era uma advertência a cada 370 minutos (4,1 jogos).


Mais de Balanço da Temporada

Brasil recupera espaço e já tem mais presença em campo que antes do 7 a 1
Sinal amarelo: futebol europeu tem pior média de público em 10 anos
Europa não tinha temporada tão farta em gols desde tempos de Eusébio


Gols brasileiros na Europa crescem e atingem maior marca em 6 anos
Comentários Comente

Rafael Reis

Neymar pode até não ter tido seu melhor ano com a camisa do Barcelona. Mas isso não significa que os atacantes brasileiros ficaram devendo na temporada europeia.

Muito pelo contrário: há seis anos as cinco principais ligas nacionais do Velho Continente não viam tantas bolas serem empurradas para as redes por representantes do futebol pentacampeão mundial.

Somadas as primeiras divisões de Espanha, Inglaterra, Itália, Alemanha e França, jogadores de cidadania brasileira anotaram 223 gols em 2016/17, 11 a mais do que na temporada anterior.

Trata-se da maior marca desde 2010/11, quando foram anotados 226 tentos com DNA tupiniquim.

Apesar de ter passado longe de repetir os 24 gols feitos no Campeonato Espanhol de 2015/16, Neymar ainda dividiu com Philippe Coutinho o posto de principal artilheiro brasileiro das principais ligas nacionais da Europa.

O atacante do Barcelona e o meia do Liverpool marcaram 13 vezes cada em seus respectivos campeonatos.

Também nascido no Brasil, Diego Costa, colocou 20 bolas na rede com a camisa do Chelsea e foi o quarto colocado na artilharia da Premier League inglesa. No entanto, seus gols são oficialmente computados para a Espanha, país que decidiu defender.

Mesmo com o crescimento no número de gols anotados por brasileiros nas principais competições do planeta, a marca desta temporada ainda está distante do auge da artilharia nacional na Europa.

Em 2007/08, os brazucas marcaram 373 vezes nas cinco ligas analisadas, sendo 106 delas só no Espanhol. Na ocasião, Luís Fabiano (Sevilla) foi o terceiro na artilharia, com 24 gols, e Ricardo Oliveira (Betis) ficou em sexto, com 18.

A liga espanhola continua sendo a de maior poderio ofensivo brasileiro, ainda que os números de agora sejam bem mais modestos.

Na recém-encerrada temporada, foram 83 tentos brasileiros na primeira divisão espanhola marcados por 19 jogadores diferentes. Entre eles, estão Neymar, Marcelo, Ganso, Casemiro e Willian José, mas também Douglas (ex-São Paulo), Petros e Luciano (ex-Corinthians).


Mais de Balanço da Temporada

Brasil recupera espaço e já tem mais presença em campo que antes do 7 a 1
Sinal amarelo: futebol europeu tem pior média de público em 10 anos
Europa não tinha temporada tão farta em gols desde tempos de Eusébio


Brasil recupera espaço e já tem mais presença em campo que antes do 7 a 1
Comentários Comente

Rafael Reis

Três anos depois de ser goleado por 7 a 1 pela Alemanha, o Brasil já começou a recuperar o prestígio internacional que costumava ostentar antes do vexame na semifinal da Copa do Mundo de 2014.

Prova disso é que a participação brasileira nos gramados do primeiro escalão do futebol internacional não para de crescer e já é inclusive superior a do período anterior ao último Mundial.

De acordo com informações do banco de dados “O Gol”, atletas representantes do único país pentacampeão mundial permaneceram dentro de campo durante 175.721 minutos nas cinco principais ligas nacionais da Europa na atual temporada.

Esse dado significa um crescimento de 1,6% em relação à temporada anterior e a melhor marca desde os 200.084 minutos registrados em 2009/10.

Mais que isso: essa é a primeira vez que a participação de jogadores brasileiros nos mais importantes campeonatos nacionais do planeta chega ao patamar anterior ao do fracasso dos comandados de Luiz Felipe Scolari ante a Alemanha.

Em 2013/14, logo antes da Copa, os clubes espanhóis, ingleses, alemães, italianos e franceses usaram atletas “brazucas” durante 174.194 minutos na primeira divisão de suas ligas. Coincidência ou não, na temporada seguinte, essa utilização despencou 10%.

O déficit já começou a ser reduzido na última temporada. E a recuperação se tornou completa ao longo dos últimos nove meses.

Na recém-encerrada temporada, 108 jogadores brasileiros foram escalados para participar das cinco principais ligas nacionais do planeta. O Italiano foi o campeonato que usou a maior variedade de atletas com cidadania brasileira (39).

No entanto, foi a primeira divisão espanhola quem mais deu oportunidade para os representantes do futebol pentacampeão mundial. Foram 47.539 minutos de Neymar, Marcelo, Casemiro e cia…

O lateral esquerdo Lucas Lima, do Nantes, foi o brasileiro que mais participou dos campeonatos nacionais nesta temporada. O ex-Botafogo e Internacional ficou em campo em 3.382 dos 3.420 minutos possíveis no Francês.

Quem aparece do outro lado da tabela é o meia Matheus Pereira, revelado pelo Corinthians e hoje nas categorias de base da Juventus, que disputou apenas cinco minutos do Italiano com a camisa do Empoli.


Mais de Balanço da Temporada

Sinal amarelo: futebol europeu tem pior média de público em 10 anos
Europa não tinha temporada tão farta em gols desde tempos de Eusébio


Sinal amarelo: futebol europeu tem pior média de público em 10 anos
Comentários Comente

Rafael Reis

Os estádios não estão vazios, e os clubes não têm do que reclamar em relação à venda de ingressos. Mesmo assim, a elite do futebol europeu ligou o sinal amarelo e anda preocupa com a redução na presença de torcedores nas arenas.

Isso porque a recém-encerrada temporada 2016/17 registou o menor público dos últimos dez anos.

Pela primeira vez desde 2007, a média de público das cinco principais ligas nacionais do Velho Continente (Espanhol, Inglês, Alemão, Italiano e Francês) ficou abaixo dos 29 mil torcedores por partida.

Foram vendidos pouco mais de 52,6 milhões de ingressos para os 1.826 jogos da primeira divisão desses cinco países. Na média, 28.837 pagantes para cada confronto, contra 29.192 da temporada passada.

A maior queda foi justamente a registrada na liga campeã de presença de público na Europa. A Bundesliga alemã teve uma redução de 4,3% no número de torcedores nas arenas –a média caiu de 43.309 pessoas por jogo para 41.518.

Já a Premier League (média de 35.821 por partida) teve sua primeira redução de público dos últimos cinco anos.

Entre as cinco ligas analisadas, a única que registrou aumento (ainda que mínimo) na presença de torcedores nos estádios nesta temporada foi a espanhola, que viu sua média crescer de 27.755 pessoas por partida para 27.856.

Três dos cinco clubes campeões de audiência do continente também não conseguiram repetir nesta temporada seus melhores resultados.

O Borussia Dortmund, que continua sendo o recordista de público do futebol europeu, fechou seu primeiro Campeonato Alemão desde 2011 com média inferior a 80 mil torcedores por jogo no Westfalenstadion.

Já o Barcelona não conseguiu alcançar a casa das 78 mil pessoas por partida, que havia sido superada na temporada passada. Até mesmo o Real Madrid, campeão espanhol e finalista da Liga dos Campeões, ficou aquém da marca de 2015/16 –média de 69.170 torcedores por jogo, contra 69.736 do ano anterior.

MAIORES MÉDIAS DE PÚBLICO
Borussia Dortmund (ALE) – 79.653 (81178), primeiro abaixo de 80 desde 2011
Barcelona (ESP) – 77.944
Manchester United (ING) – 75.290
Bayern de Munique (ALE) – 75.000
Real Madrid (ESP) – 69.170

MENORES MÉDIAS DE PÚBLICO
Leganés (ESP) – 9.847
Monaco (FRA) – 9.499
Empoli (ITA) – 9.483
Crotone (ITA) – 7.868
Eibar (ESP) – 5.363


Mais de Balanço da Temporada

Europa não tinha temporada tão farta em gols desde tempos de Eusébio


Europa não tinha temporada tão farta em gols desde tempos de Eusébio
Comentários Comente

Rafael Reis

Da última vez que a Europa viu tantos gols, os maiores nomes do Velho Continente eram Eusébio, Bobby Charlton, Franz Beckenbauer e Giancinto Facchetti.

Os amantes do futebol ofensivo não têm do que reclamar. A temporada 2016/17 dos principais campeonatos nacionais do planeta teve a média de gols mais alta dos últimos 51 anos.

As primeiras divisões de Espanha, Inglaterra, Alemanha, Itália e França, as cinco ligas nacionais mais importantes da Europa (e consequentemente do planeta) tiveram uma média combinada de 2,83 gols por partida em suas edições recém-terminadas.

Isso significa incríveis 5.173 gols em 1.826 partidas.

Desde a temporada 1965/66, época em que o Brasil era apenas bicampeão mundial e só quatro seleções já haviam vencido a Copa, o primeiro escalão do futebol europeu não via tantas bolas na rede.

Na ocasião, as cinco grandes ligas registraram média de 2,84 gols por partida. Uma marca que, até a atual temporada, jamais havia estado perto de ser igualada.

Nos últimos 51 anos, a média de gols dos principais campeonatos nacionais da Europa sempre flutuou entre 2,38 (em 1991/92, ainda na ressaca da sonolenta Copa de 1990) e 2,80 (em 1976/77).

Na atual temporada, quatro das cinco ligas analisadas tiveram um resultado ofensivo completamente fora da curva.

O Inglês teve sua segunda maior média de gols nos últimos 50 anos (2,8). Já o Espanhol não tinha uma frequência tão alta de bolas na rede (2,94) desde 1963.

O Francês registrou sua média de gols mais alta das últimas três décadas (2,61). E a Itália foi ainda mais impressionante: desde 1951 a casa de 2,95 gols por partida, média da atual temporada, não era atingida.

Em relação a 2015/16, o salto no número de gols beira o absurdo. Foram marcados 299 tentos a mais nesta temporada. E a quantidade de partidas permaneceu inalterada.

No total, cinco clubes conseguiram chegar à casa dos 90 gols em seu campeonato nacional: Barcelona (116), Real Madrid (106), Monaco (107), Napoli (94) e Roma (90). E nenhum time colocou menos que 27 bolas na rede, marca do Middlesbrough, penúltimo colocado da Premier League inglesa.

Em relação à artilharia, o grande nome da temporada foi Messi. O argentino conquistou a Chuteira de Ouro, concedida ao maior goleador das ligas nacionais europeias, ao marcar 37 gols no Espanhol e 74 pontos no ranking do prêmio.

O holandês Bas Dost, do Sporting, fez 68 pontos e ficou na segunda colocação. Com 62 pontos, o gabonês Pierre-Emerick Aubameyang, do Borussia Dortmund, completou o pódio.


Mais de Cidadãos do Mundo

5 destaques da fase de grupos da Libertadores para seu time contratar
Por onde andam os jogadores do Real que impediu Mundial do Vasco em 1998?
Buffon largou casamento para viver com apresentador esportiva de TV
7 aspirantes a craque para acompanhar de perto no Mundial sub-20


Para cada gol, futebol brasileiro leva 2 cartões amarelos na Europa
Comentários Comente

Rafael Reis

Para cada gol marcado, os jogadores brasileiros que atuam no primeiro escalão do futebol da Europa recebem em média dois cartões amarelos.

É essa uma das conclusões da análise da participação do futebol pentacampeão mundial nas cinco principais ligas nacionais do Velho Continente na temporada 2016/17.

Até o início da rodada deste fim de semana, os atletas brasileiros acumulavam 137.741 minutos (ou 5.739 horas e 5 minutos), 163 gols, 330 cartões amarelos e 15 expulsões na primeira divisão de Espanha, Inglaterra, Alemanha, Itália e França.

Isso significa um gol a cada 845 minutos, uma advertência a cada 417 minutos e um vermelho a cada 9.182 minutos de futebol brasileiro nos gramados europeus.

No total, 114 brasileiros já foram utilizados em partidas das cinco maiores ligas nacionais da Europa nesta temporada. Desses, 97 (85%) receberam pelo menos um cartão e 52 (45%) balançaram as redes.

De todos eles, quem mais permaneceu em campo foi o lateral esquerdo Lucas Lima, do Nantes. O ex-jogador do Botafogo e do Internacional participou integralmente de todas as 32 rodadas já disputadas do Francês. Ou seja, foi titular em todos os jogos e não foi substituído uma única vez.

Já o recordista brasileiro de cartões na elite europeia é um atacante. Deyverson, que chamou a atenção um mês atrás por comemorar um gol abaixando parte do calção, já recebeu 13 amarelos pelo Alavés no Espanhol.

O volante Fernandinho, do Manchester City, é o único brasileiro que foi expulso mais de uma vez nos campeonatos analisados. O jogador da seleção recebeu dois cartões vermelhos no Inglês e, por causa disso, precisou cumprir sete jogos de suspensão.

Quanto à artilharia, há um empate na primeira colocação. Roberto Firmino, do Liverpool, e Willian José, da Real Sociedad, marcaram dez gols cada nos campeonatos Inglês e Espanhol, respectivamente.

Neymar, o maior astro do futebol brasileiro nos últimos anos, fez nove gols pelo Barcelona na liga espanhola e aparece logo na sequência.

Entre os cinco campeonatos, o com maior presença brasileira até o momento é o Espanhol (35.382 minutos, contra 35.379 minutos do Italiano). Também é o país campeão mundial de 2010 que viu o maior número de gols (57) e de cartões (104) dos atletas aptos a defender a seleção líder do ranking da Fifa.


Mais de Brasileiros pelo Mundo

Diego Alves não quer ser “só” o goleiro que pega pênaltis e mira seleção
– Precisando de zagueiro? 5 beques brasileiros para seu time buscar na Europa
– Não é só na seleção: Como Paulinho virou “homem-gol” na China
– 7 brasileiros que devem “bombar” na próxima janela de transferências