Topo
Blog do Rafael Reis

Blog do Rafael Reis

Por que as zebras estão fazendo a festa nesta temporada na Europa?

Rafael Reis

08/11/2019 04h20

O Borussia Mönchengladbach lidera o Campeonato Alemão, que tem o Bayern de Munique apenas na quarta posição. Na Inglaterra, o Leicester está à frente de quatro gigantes e é o time mais próximo de Liverpool e Manchester City na classificação.

O Barcelona já perdeu para Athletic Bilbao, Granada e Levante nesta temporada. O Real Madrid foi derrotado pelo Mallorca e foi incapaz de derrotar o modesto Club Brugge, mesmo dentro de casa.

Crédito: Getty Images

Até na França, onde o Paris Saint-Germain costuma nadar de braçada, surpresas têm acontecido. Apesar de liderar a Ligue 1, a equipe da capital foi batida três vezes nos últimos meses: por Rennes, Reims e Dijon.

Para completar, após quatro das seis rodadas da fase de grupos da Liga dos Campeões, só três times estão assegurados nas oitavas de final. As outras 13 vagas para a reta final da competição ainda estão em aberto.

O equilíbrio tem sido a regra da temporada 2019/20 do futebol europeu. Mas, afinal, por que as zebras estão correndo tão soltas nos gramados do Velho Continente?

A resposta, desta vez, não precisa ser completa. Para resumir, os "supertimes", aqueles que costumam brigar pelos títulos nacionais quase todos os anos e que são figurinhas carimbadas entre os melhores da Champions, não são mais os mesmos.

O Real Madrid, campeão de quatro das últimas seis edições do torneio continental, gastou horrores na última janela de transferências, mas ainda não deu liga e continua sentindo a falta de Cristiano Ronaldo para decidir os jogos mais difíceis.

O Barcelona, apesar da chegada de Antoine Griezmann, continua sendo uma equipe extremamente mal treinada e que parece ter apenas uma jogada: dar a bola para Lionel Messi e ver o que ele faz.

O Bayern de Munique demorou para rejuvenescer seu elenco e agora tenta fazer essa renovação à força, o que tem provocado danos difíceis de engolir, como a goleada por 5 a 1 aplicada pelo Eintracht Frankfurt no último fim de semana.

Mesmo a Juventus, que continua soberana na Itália, não tem convencido tanto assim. Matthijs de Ligt ainda não se encaixou tão bem ao sistema defensivo, e CR7 tem brilhado com menos frequência (talvez como efeito da idade).

O PSG, que tem feito de tudo para se juntar ao grupo dos gigantes europeus, não tem conseguido colocar em campo ao mesmo tempo Kylian Mbappé e Neymar, o que diminuiu bastante o seu poderio ofensivo e ajuda a explicar os tropeços contra pequenos da França.

Por fim, restam os ingleses Liverpool e Manchester City, que brilharam em uma briga cabeça a cabeça no último Campeonato Inglês e continuam descolados dos rivais na atual temporada. Mas nem mesmo os Reds e os Citizens estão jogando a mesma bola de 2018/19.

Os atuais campeões europeus parecem ainda estar de ressaca pela conquista continental. Sim, o Liverpool segue vencendo (14 triunfos em 19 jogos na temporada), mas não tem mais aquela intensidade e fome ofensiva absurda que o diferenciava dos demais. Hoje, é uma equipe que ganha, mas quase sempre com o freio de mão puxado.

No City, o problema é outro: o elenco curto. Com muitos problemas físicos e poucas peças de reposição, Pep Guardiola transformou Fernandinho em beque e chegou a jogar sem nenhum zagueiro de origem. Com tanto desgaste físico e vários improvisos, o desempenho certamente cai.

Com nenhuma equipe se sobressaindo no cenário europeu e várias zebras espalhas pelos mais variados campeonatos, será que teremos surpresas nos resultados finais das competições desta temporada? Não necessariamente, já que ainda há tempo para os grandes voltarem ao normal e impedir essa nova ordem.

Mas, por enquanto, podemos sim dizer que 2019/20 é sim a temporada das zebras na Europa.


Mais Opinião

– "Efeito Jesus" não pode fazer brasileiros buscarem estrangeiros medíocres
– Sucesso de Jorge Jesus prepara terreno para técnico estrangeiro na seleção
– Aprenda, Neymar: não existe "carregar time nas costas" no futebol moderno
– De Zidane a trio desgastado: 5 explicações para a crise do Real Madrid

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.

Blog do Rafael Reis