Topo

"Efeito Jesus" não pode fazer brasileiros buscarem estrangeiros medíocres

Rafael Reis

01/11/2019 04h20

Com o sucesso do português Jorge Jesus no comando do Flamengo e o bom trabalho do argentino Jorge Sampaoli à frente do Santos, não é preciso ser nenhum vidente para profetizar: o futebol brasileiro será invadido por treinadores estrangeiros no próximo ano.

Isso significa então que a bola jogada por aqui passará por um choque de modernidade em 2020, graças à chegada de inúmeros técnicos alinhados ao que de mais contemporâneo existe no futebol mundial e livres dos vícios de quem trabalha há muito tempo por aqui?

Crédito: Thiago Ribeiro/Agif

Queria eu ser tão otimista assim. Mas é sempre bom não subestimar a capacidade dos homens que comandam a maioria dos nossos clubes mais poderosos de estragar tudo… até mesmo as boas ideias.

O mais provável é que a primeira divisão do Brasileiro (e eventualmente até equipes da Série B ou da Série C) seja tomada por treinadores contratados devido a um único critério: terem nascido longe daqui.

Afinal, se está na moda ter um técnico gringo e essa ideia está dando resultado em dois dos melhores times do país, por que não copiá-la?

Seguir a tendência não é necessariamente um problema. Agora, optar por um caminho sem se atentar aos critérios que realmente fizeram com que Flamengo e Santos tivessem um salto de qualidade em 2019 é algo como se jogar no escuro.

Jesus e Sampaoli não estão se destacando no Brasil por serem estrangeiros, mas sim porque possuem níveis de trabalho e conhecimento tático bastante superiores aos técnicos já estabelecidos no mercado nacional.

Contratar um gringo apenas para se se adequar ao que o mercado, os torcedores e os jornalistas estão pedindo é uma fria danada que tende a levar ao desembarque de vários treinador medíocres  no país e que só trará resultados se for agraciado por um golpe de sorte –bem de vez em quando, as pessoas acertam mesmo "sem querer".

Apesar de a média de treinadores estabelecidos nos grandes centros da Europa e também na Argentina ser superior à brasileira, não dá para dizer que um técnico é bom apenas por ser estrangeiro ou que é ruim somente porque nasceu aqui.

É muito mais negócio apostar em um Tiago Nunes, campeão da Copa do Brasil pelo Athletico-PR e principal nome da nova safra de técnicos nacionais, que se arriscar a contratar um português/espanhol qualquer, que nunca fez nada de produtivo na carreira e é adepto da mesma filosofia essencialmente resultadista que impera no país.

Se for para trazer um treinador gringo, que tende a ter mais dificuldade de adaptação e uma barreira linguística para superar, ele precisa ser alguém diferente, um nome superior àqueles que estão à disposição no mercado interno.

Vale lembrar que mesmos comandantes que tinham carreiras de sucesso em seus países, como o argentino Edgardo Bauza (São Paulo) e o colombiano Reinaldo Rueda (Flamengo), não conseguiram brilhar por aqui. Outras invenções, como o alemão Lothar Matthäus (Athletico-PR), tampouco deixaram saudades.

Por isso, se alguém te falar algo como "está na hora do nosso time ter um técnico estrangeiro", pergunte qual é o treinador gringo que ele tanto deseja. Afinal, estrangeiro ou gingo não são nomes de ninguém.


Mais Opinião

– Sucesso de Jorge Jesus prepara terreno para técnico estrangeiro na seleção
– Aprenda, Neymar: não existe "carregar time nas costas" no futebol moderno
– De Zidane a trio desgastado: 5 explicações para a crise do Real Madrid
– Goleador no Brasil, Gabigol está pronto para retornar à Europa?

 

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.

Blog do Rafael Reis