Topo

7 argentinos que enfrentaram a seleção enquanto defendiam times brasileiros

Rafael Reis

14/11/2019 04h00

O amistoso contra o Brasil, amanhã, na Arábia Saudita, será especial para o zagueiro Wálter Kannemann, do Grêmio. Caso entre em campo no clássico, o argentino jogará pela primeira vez contra o país que o acolheu e onde vive os melhores anos de sua carreira.

O defensor já quase teve essa oportunidade no ano passado. Porém, na vitória por 1 a 0 da Argentina sobre a equipe de Tite, em amistoso disputado em outubro de 2018, ele passou o tempo todo no banco de reservas.

Mas Kannemann não será o primeiro argentino a alinhar em um dos maiores clássicos do mundo sendo jogador de um time brasileiro. Outros nomes conhecidos também já passaram por essa experiência.

O "Blog do Rafael Reis" apresenta abaixo sete jogadores da Argentina que defenderam a seleção bicampeã mundial em jogos contra o Brasil enquanto defendiam clubes brasileiros.

CARLOS TEVEZ

Crédito: Flávio Florido/UOL

Em 2005, quando era ídolo do Corinthians e o jogador mais badalado nos gramados brasileiros, o atacante enfrentou a seleção duas vezes. Em 8 de junho, participou dos oito minutos finais da vitória por 3 a 1 sobre o time canarinho, nas eliminatórias na Copa do Mundo-2006. Vinte e um dias depois, veio a revanche. Na decisão da Copa das Confederações, Tevez, que outra vez começou no banco e só foi utilizado na reta final do segundo tempo, levou 4 a 1 de Ronaldinho, Kaká, Adriano e cia.

JAVIER MASCHERANO

Crédito: Fernando Bizerra Jr./Efe

O recordista de jogos da história da Argentina (147 apresentações) também encarou um clássico contra o Brasil sendo jogador de um clube brasileiro. Companheiro de Tevez na aventura pelo Corinthians, ele foi titular e ficou em campo durante os 90 minutos da partida de 2005 válida pelas eliminatórias do Mundial da Alemanha. O volante acabou não participando da Copa das Confederações, que foi disputada no mesmo mês.

ANDRÉS D'ALESSANDRO

Crédito: AFP

Ícone do Internacional, clube que defende há mais de 11 anos, o meio-campista só enfrentou o Brasil uma vez desde que desembarcou aqui. Logo depois da Copa-2010, D'Alessandro esteve em campo nos minutos finais da vitória por 1 a 0 da Argentina em amistoso jogado no Qatar. No ano seguinte, na primeira edição do Superclássico das Américas, ele assistiu do banco à derrota por 2 a 0 dos Hermanos, em Belém (PA).

PABLO GUIÑAZÚ

Crédito: Rich Schultz/AFP

O ex-volante pode dizer que é um especialista no maior clássico do futebol sul-americano. Dos 14 jogos em que atuou com a camisa albiceste ao longo da carreira, nada menos que quatro foram contra o Brasil. E, em todos esses confrontos, Guiñazú fazia parte do elenco do Internacional, clube que defendeu entre 2007 e 2013. O ex-volante venceu a seleção pentacampeã mundial em duas oportunidades (4 a 3 e 2 a 1, ambas em 2012) e perdeu outros dois jogos (2 a 0, em 2011, e 2 a 1, no ano seguinte).

WÁLTER MONTILLO

Crédito: Reprodução

Assim como Guiñazú, o meio-campista passou uma parte bastante considerável da carreira no Brasil, país onde defendeu Cruzeiro, Santos e Botafogo. Enquanto jogava na equipe mineira, Montillo mediu forças com a seleção canarinho em duas oportunidades. Em 2011, foi titular na derrota por 2 a 0 no Superclássico das Américas. No ano seguinte, novamente no amistoso que valia taça, vestiu a camisa 10 e deu o troco: saiu de campo com a vitória de 2 a 1 inscrita no placar.

HERNÁN BARCOS

Crédito: Reprodução

Apesar de só ter disputado quatro partidas oficiais pela Argentina, o centroavante jogou duas vezes contra o Brasil, ambas em 2012, quando defendia o Palmeiras. Barcos foi titular em ambos os confrontos do Superclássico das Américas daquele ano. Na partida de ida, em setembro, foi derrotado por 2 a 1. Já na volta, em novembro, devolveu o placar. Mesmo vestindo a camisa 9 nas duas ocasiões, ele passou em branco nos clássicos.

JUAN MANUEL MARTÍNEZ

Crédito: Getty Images

O melhor momento da esquecível passagem do atacante pelo Corinthians, durante o segundo semestre de 2012, aconteceu bem longe do clube alvinegro. Em setembro daquele ano, enquanto amargava o banco na equipe de Tite, Martínez disputou o Superclássico das Américas e marcou o gol argentino na derrota por 2 a 1 para o Brasil. Ele também atuou no jogo de setembro, mas aí não deixou sua marca.


Mais de Cidadãos do Mundo

De Bruyne e espanhol são os garçons da Europa; veja top 10 em assistências
Astro de R$ 580 mi vira garoto-propaganda de eleição da namorada na escola
Lewa quebra recorde e lidera Chuteira de Ouro; Messi entra em perseguição
"Triste", Cavani tem chance depois de 70 dias em meio a calvário no PSG

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.

Blog do Rafael Reis