Blog do Rafael Reis

1º técnico negro na Ucrânia, brasileiro faz história, mas dura só 4 jogos
Comentários Comente

Rafael Reis

Gilmar Tadeu fez história na Ucrânia. Em um país de população quase que integralmente de pele clara e marcado por episódios de racismo (até mesmo dentro de campo), o brasileiro foi o primeiro técnico negro na história do futebol local.

Mas a experiência durou pouco. Apenas 40 dias e quatro partidas oficiais (uma vitória, um empate e duas derrotas) pelo FC Lviv, time que subiu da segunda para a primeira divisão nesta temporada.

Na última quarta-feira, Tadeu foi avisado pela Liga Ucraniana que precisaria deixar o cargo por ainda não ter concluído o último nível do curso de treinadores da Uefa, um pré-requisito para atuar na elite do país.

O estafe do treinador ficou surpreso com o fato de a notificação não ter sido enviada logo no início da temporada, mas depois de quatro rodadas do Campeonato Ucraniano e em um momento em que o brasileiro estava ''fazendo muito barulho''.

O ex-atacante que começou a carreira como jogador na Portuguesa, atuou ao lado do pai de Neymar no União Mogi, na década de 1990, e já atuou como técnico na Arábia Saudita, em Macau e em divisões inferiores do futebol paulista, virou uma celebridade do futebol ucraniano nas últimas semanas devido ao seu feito histórico.

''São vários compromissos com a imprensa todo dia. Eles não param de falar do fato de eu ser o primeiro técnico negro por aqui. Estão usando isso de uma maneira positiva. Alguns repórteres até me disseram que, quando eu cheguei, parte da torcida estava com o pé atrás. Mas, agora, tudo mudou'', disse, antes da saída do clube.

Só que a cor da pele, hoje um fator positivo para Tadeu na Ucrânia, já lhe causou rejeição e preconceito anteriormente no país.

Antes de virar treinador do FC Lviv, ele trabalhou entre 2010 e 2014 como auxiliar no Metarlug Zaporizhya e sofreu com o ódio racial.

''Não sou de levantar muitas bandeiras, mas aconteceu. No primeiro ano que eu estava aqui, os jogadores me falavam que eu só iria sentir o racismo quando começasse a entender o idioma. Foi o que aconteceu. Houve vários episódios em que ouvi pessoas me chamando de negro na rua''.

''A Ucrânia é um país muito pobre, e quem trabalha com futebol acaba tendo uma condição um pouco melhor. Isso acaba chamando a atenção de algumas pessoas'', afirmou.

Mesmo afastado do cargo do Lviv, Tadeu vai continuar morando na Ucrânia, já que é casado com uma local e possui cidadania ucraniana. Seu principal plano para o futuro é completar o curso da Uefa e retomar a carreira ainda antes do fim do ano.


Mais de Cidadãos do Mundo

4 jogadores brasileiros que estão com futuro indefinido no exterior
7 brasileiros para acompanhar de perto na nova temporada europeia
Para ex-Fla e Corinthians, companheiro gay de time é ''grito de liberdade''
Sem brasileiros, seleção dos sub-20 mais valiosos do mundo tem domínio francês


Ingressos esgotados e recorde no mercado: Como CR7 revitalizou o Italiano
Comentários 8

Rafael Reis

A temporada 2018/19 do Campeonato Italiano começa neste sábado com cara de viagem no tempo.

A chegada de Cristiano Ronaldo à Juventus revitalizou a competição, que vinha sendo eclipsada pela primeira divisão de Inglaterra e Espanha nos últimos tempos. E fez com que ela voltasse a despertar expectativa como nas décadas de 1980 e 1990, quando era a liga nacional mais importante do planeta.

Pela primeira vez desde Kaká, vencedor do prêmio em 2007 e negociado pelo Milan com o Real Madrid no fim da temporada 2008/2009, o Calcio terá entre suas atrações o atual vencedor do prêmio de melhor jogador do mundo.

E para ter o astro português, a vencedora das últimas sete edições do Italiano não economizou. Os 117 milhões de euros (R$ 516 milhões) pagos ao Real Madrid fizeram de CR7 a contratação mais cara do país em todos os tempos.

O reforço histórico teve reflexo imediato nos rivais da Juve, que, guardadas as devidas proporções, também trataram de colocar as mãos nos bolsos para melhorar consideravelmente seus elencos.

Resultado: os 20 clubes da primeira divisão italiana investiram 1,06 bilhão de euros (R$ 4,7 bilhões) em novos jogadores, o maior valor da história. O recorde anterior, da temporada passada, era de “apenas” 905,9 milhões de euros (quase R$ 4 bilhões).

Praticamente todos os principais times do Calcio têm caras novas das mais interessantes para apresentar aos torcedores na competição deste ano.

O Milan contratou o centroavante argentino Gonzalo Higuaín (ex-Juventus). A Roma fechou com o meia argentino Javier Pastore (ex-PSG) e com o volante Steven N’Zonzi (ex-Sevilla), campeão mundial com a seleção francesa. Já o Napoli acertou a compra da revelação espanhola Fabián Ruiz (ex-Betis).

Por fim, a Inter de Milão contratou ao menos três reforços de peso: o lateral direito Sami Vrsaljko (ex-Atlético de Madri), um dos destaques da Croácia que foi finalista na Copa-2018, o meia belga Radja Nainggolan (ex-Roma) e a aposta argentina Lautaro Martínez (ex-Racing).

A equipe nerazzurra sonha ainda com a chegada do meia Luka Modric, o craque do Mundial da Rússia é que até dois meses atrás era companheiro de Cristiano Ronaldo no Real.

Mas não é só o mercado de transferências que foi afetado positivamente pelo desembarque do craque de 33 anos à Itália.

A expectativa é que a ida de torcedores aos estádios italianos cresça consideravelmente por causa do astro português. Na temporada passada, a média de público da Serie A ficou em 24.738 torcedores por partida, a mais baixa dentre as quatro principais ligas nacionais do mundo (Inglaterra, Espanha e Alemanha).

Os primeiros passos já foram dados. Todos os 25,3 mil carnês de ingressos para todos os jogos da Juve como mandante na competição foram vendidos ainda no mês passado.

As entradas para a estreia de CR7, neste sábado, contra o Chievo, em Verona, também já estão praticamente esgotadas, apesar de um aumento de mais de 100% em relação aos preços praticados na temporada passada.


Mais de Cidadãos do Mundo

Fiasco no Corinthians, argentino ficou desempregado e está há 1 ano sem gol
Janela de transferências chega a R$ 23 bilhões e vira a maior da história
Sete personalidades do futebol que assumiram a homossexualidade
Para ex-Fla e Corinthians, companheiro gay de time é ''grito de liberdade''


Mercado da Bola Internacional: quem chega e sai nos grandes europeus
Comentários Comente

Rafael Reis

Quer saber as mudanças nos elencos dos principais clubes europeus para a temporada 2018/19? Esse espaço, publicado todas as quintas-feiras, lista os negócios mais importantes feitos pelos times do Velho Continente mais conhecidos e queridos no Brasil nesta janela de transferência.

Confira então quem chegou e quem saiu das principais equipes do mundo:

ROMA (ITA)

Chegam:
Steven N'Zonzi (V, FRA, Sevilla) – 26,7 milhões de euros
Javier Pastore (M, ARG, Paris Saint-Germain) – 24,7 milhões de euros
Justin Kluivert (A, HOL, Ajax) – 17,3 milhões
Davide Santon (LE, ITA, Inter de Milão) – 9,5 milhões de euros
Robin Olsen (G, SUE, Copenhague) – 8,5 milhões de euros
Ante Coric (MA, CRO, Dínamo Zagreb) – 6 milhões de euros
William Bianda (Z, FRA, Lens) – 6 milhões de euros
Antonio Mirante (G, ITA, Bologna) – 4 milhões de euros
Daniel Fuzato (G, BRA, Palmeiras) – 500 mil euros
Bryan Cristante (MC, ITA, Atalanta) – emprestado
Iván Marcano (Z, ESP, Porto) – sem custo

Saem:
Alisson (G, BRA, Roma) – 75 milhões de euros
Radja Nainggolan (M, BEL, Inter de Milão) – 38 milhões de euros
Gerson (M, BRA, Sampdoria) – emprestado
Bruno Peres (LD, BRA, São Paulo) – emprestado
Bogdan Lobont (G, ROM) – aposentado


MANCHESTER CITY (ING)

Chegam:
Riyad Mahrez (MA, ALG, Leicester) – 67,8 milhões de euros
Philippe Sandler (Z, HOL, Zwolle) – 2,5 milhões de euros
Daniel Arzani (MA, AUS, Melbourne City) – 900 mil euros

Saem:
Yaya Touré (M, CMF) – sem clube


ATLÉTICO DE MADRI (ESP)

Chegam:
Thomas Lemar (M, FRA, Monaco) – 70 milhões de euros
Rodri (V, ESP, Villarreal) – 20 milhões de euros
Nikola Kalinic (A, CRO, Milan) – 14,5 milhões de euros
Santiago Arias (LD, COL, PSV Eindhoven) – 11 milhões de euros
Antonio Adán (G, ESP, Betis) – 1 – milhão de euros
Gelson Martins (MA, POR, Sporting) – sem custo

Saem:
Kévin Gameiro (A, FRA, Valencia) – 16 milhões de euros
Gabi (V, ESP, Al-Saad) – sem custo
Fernando Torres (A, ESP, Sagan Tosu) – sem custo
Sime Vrsaljko (LD, CRO, Inter de Milão) – emprestado
Axel Werner (G, ARG, Huesca) – emprestado


INTER DE MILÃO (ITA)

Chegam:
Radja Nainggolan (M, BEL, Roma) – 38 milhões de euros
Lautaro Martínez (A, ARG, Racing) – 23 milhões de euros
Federico Dimarco (LE, ITA, Sion) – 7 milhões de euros
Keita Baldé (MA, SEN, Monaco) – empréstimo
Sime Vrsaljko (LD, CRO, Atlético de Madri) – empréstimo
Matteo Politano (MA, ITA, Sassuolo) – empréstimo
Stefan de Vrij (Z, HOL, Lazio) – sem custo
Kwadwo Asamoah (LE, GAN, Juventus) – sem custo

Saem:
Davide Santon (LE, ITA, Roma) – 9,5 milhões de euros
Éder (A, ITA, Jiangsu Suning) – 5,7 milhões de euros


MILAN (ITA)

Chegam:
Mattia Caldara (Z, ITA, Juventus) – 35 milhões de euros
Gonzalo Higuaín (A, ARG, Juventus) – empréstimo
Tiemoué Bakayoko (V, FRA, Chelsea) – empréstimo
Ivan Strinic (LE, CRO, Sampdoria) – sem custo
Pepe Reina (G, ESP, Napoli) – sem custo
Alen Halilovic (MA, CRO, Hamburgo) – sem custo

Saem:
Leonardo Bonucci (Z, ARG, Juventus) – 35 milhões de euros
Nikola Kalinic (A, CRO, Atlético de Madri) – 14,5 milhões de euros
Manuel Locatelli (V, ITA, Sassuolo) – empréstimo
Gustavo Gómez (Z, PAR, Palmeiras) – empréstimo
Marco Storari (G, ITA) – sem clube


REAL MADRID (ESP)

Chegam:
Vinícius Jr. (A, BRA, Flamengo) – 45 milhões de euros
Thibaut Courtois (G, BEL, Chelsea) – 42 milhões de euros
Álvaro Odriozola (LD, ESP, Real Madrid) – 30 milhões de euros
Andriy Lunin (G, UCR, Zorya Luhansk) – 8,5 milhões de euros

Saem:
Cristiano Ronaldo (A, POR, Juventus) – 117 milhões de euros
Theo Hernández (LE, FRA, Real Sociedad) – empréstimo
Mateo Kovacic (M, CRO, Chelsea) – empréstimo
Achraf Hakimi (LD, MAR, Borussia Dortmund) – empréstimo


CHELSEA (ING)

Chegam:
Kepa Arrizabalaga (G, ESP, Athletic Bilbao) – 80 milhões de euros
Jorginho (M, ITA, Napoli) – 57 milhões de euros
Robert Green (G, ING, Huddersfield) – sem custo
Mateo Kovacic (M, CRO, Real Madrid) – empréstimo

Saem:
Thibaut Courtois (G, BEL, Real Madrid) – 42 milhões de euros
Kurt Zouma (Z, FRA, Everton) – empréstimo
Tiemoué Bakayoko (V, FRA, Milan) – empréstimo
Eduardo (G, POR, Vitesse) – empréstimo
Matej Delac (G, CRO, Horsens) – sem custo


BARCELONA (ESP)

Chegam:
Malcom (MA, BRA, Bordeaux) – 41 milhões de euros
Clément Lenglet (Z, FRA, Sevilla) – 35,9 milhões de euros
Arthur (M, BRA, Grêmio) – 31 milhões de euros
Arturo Vidal (M, CHI, Bayern de Munique) – 18 milhões de euros

Saem:
Yerry Mina (Z, COL, Everton) – 30,3 milhões de euros
Lucas Digne (LE, FRA, Everton) – 20,2 milhões de euros
Aleix Vidal (LD, ESP, Sevilla) – 8,5 milhões de euros
Andrés Iniesta (M, ESP, Vissel Kobe) – sem custo
André Gomes (M, POR, Everton) – empréstimo
Paulinho (M, BRA, Guangzhou Evergrande) – empréstimo
Adrián Ortolá (G, ESP, La Coruña) – empréstimo


BORUSSIA DORTMUND (ALE)


Chegam:
Abdou Diallo (Z, FRA, Mainz) – 28 milhões de euros
Thomas Delaney (M, DIN, Werder Bremen) – 20 milhões de euros
Axel Witsel (M, BEL, Tianjin Quanjian) – 20 milhões de euros
Marius Wolf (M, ALE, Eintracht Frankfurt) – 5 milhões de euros
Eric Oelschlägel (G, ALE, Werder Bremen) – sem custo
Marwin Hitz (G, SUI, Augsburg) – sem custo
Achraf Hakimi (LD, MAR, Real Madrid) – empréstimo

Saem:
Andriy Yarmolenko (MA, UCR, West Ham) – 20 milhões de euros
Sokratis (Z, GRE, Arsenal) – 15 milhões de euros
Gonzalo Castro (M, ALE, Stuttgart) – 5 milhões de euros
Erik Durm (LD, ALE, Huddersfield) – sem custo
André Schürrle (MA, ALE, Fulham) – empréstimo
Felix Passlack (LD, ALE, Norwich) – empréstimo
Roman Weidenfeller (G, ALE) – aposentado


MONACO (FRA)

Chegam:
Aleksandr Golovin (M, RUS, CSKA Moscou) – 30 milhões de euros
Willem Geubbels (MA, FRA, Lyon) – 20 milhões de euros
Jean-Eudes Aholou (V, CMF, Strassbourg) – 14 milhões de euros
Antonio Barreca (LE, ITA, Torino) – 12 milhões de euros
Pelé (V, GBI, Rio Ave) – 10 milhões de euros
Ronaël Pierre-Gabriel (LD, FRA, Saint-Étienne) – 6 milhões de euros
Samuel Grandsir (MA, FRA, Troyes) – 3 milhões de euros
Jonathan Panzo (Z, ING, Chelsea) – 3 milhões de euros
Sofiane Diop (MA, FRA, Rennes) – sem custo
Wilson Isidor (MA, FRA, Rennes) – sem custo

Saem:
Thomas Lemar (M, FRA, Atlético de Madri) – 70 milhões de euros
Fabinho (V, BRA, Liverpool) – 50 milhões de euros
Terence Kongolo (Z, HOL, Huddersfield) – 20 milhões de euros
Rachid Ghezzal (MA, ALG, Leicester) – 14 milhões de euros
Adama Diakhaby (A, FRA, Huddersfield) – 10 milhões de euros
João Moutinho (M, POR, Wolverhampton) – 5,6 milhões de euros
Keita Baldé (MA, SEN, Inter de Milão) – empréstimo
Gabriel Boschilia (M, BRA, Nantes) – empréstimo


NAPOLI (ITA)

Chegam:
Fabián Ruiz (M, ESP, Betis) – 30 milhões de euros
Simone Verdi (MA, ITA, Bologna) – 25 milhões de euros
Kévin Malcuit (LD, FRA, Lille) – 12 milhões de euros
Vinícius Morais (A, BRA, Real Massamá) – 4 milhões de euros
Orestis Karnezis (G, GRE, Udinese) – empréstimo
Alex Meret (G, ITA, Udinese) – empréstimo
Amin Younes (MA, ALE, Ajax) – sem custo
Amato Ciciretti (MA, ITA, Benevento) – sem custo

Saem:
Jorginho (M, ITA, Chelsea) – 57 milhões de euros
Pepe Reina (G, ESP, Milan) – sem custo
Christian Maggio (LD, ITA, Sampdoria) – sem custo
Rafael Cabral (G, BRA, Sampdoria) – sem custo
Luigi Sepe (G, ITA, Parma) – emprestado
Leandrinho (MA, BRA, Atlético-MG) – emprestado
Hrvoje Milic (LE, CRO) – sem clube


JUVENTUS (ITA)

Chegam:
Cristiano Ronaldo (A, POR, Real Madrid) – 117 milhões de euros
João Cancelo (LD, POR, Valencia) – 40,4 milhões de euros
Leonardo Bonucci (Z, ITA, Milan) – 35 milhões de euros
Mattia Perin (G, ITA, Genoa) – 12 milhões de euros
Andrea Favilli (A, ITA, Ascoli) – 7,5 milhões de euros
Emre Can (M, ALE, Liverpool) – sem custo

Saem:
Mattia Caldara (Z, ITA, Milan) – 35 milhões de euros
Gonzalo Higuaín (A, ARG, Milan) – empréstimo
Kwadwo Asamoah (LE, GAN, Inter de Milão) – sem custo
Stephan Lichtsteiner (LD, SUI, Arsenal) – sem custo
Gianluigi Buffon (G, ITA, Paris Saint-Germain) – sem custo


LIVERPOOL (ING)

Chegam:
Alisson (G, BRA, Roma) – 75 milhões de euros
Naby Keita (M, GUI, RB Leipzig) – 60 milhões de euros
Fabinho (V, BRA, Monaco) – 50 milhões de euros
Xherdan Shaqiri (MA, SUI, Stoke City) – 14,7 milhões de euros

Saem:
Danny Ward (G, GAL, Leicester) – 14 milhões de euros
Emren Can (M, ALE, Juventus) – sem custo
Ádám Bogdan (G, HUN, Hibernian) – emprestado
Ben Woodburn (MA, GAL, Sheffield United) – emprestado


PARIS SAINT-GERMAIN (FRA)

Chegam:
Thilo Kehrer (Z, ALE, Schalke 04) – 35 milhões de euros
Gianluigi Buffon (G, ITA, Juventus) – sem custo

Saem:
Javier Pastore (M, ARG, Roma) – 24,7 milhões de euros
Yuri Berchiche (LE, ESP, Athletic Bilbao) – 24 milhões de euros
Thiago Motta (V, ITA) – aposentado
Hatem Ben Arfa (MA, FRA) – sem clube


MANCHESTER UNITED (ING)

Chegam:
Fred (M, BRA, Shakhtar Donetsk) – 59 milhões de euros
Diogo Dalot (LD, POR, Porto) – 22 milhões de euros
Lee Grant (G, ING, Stoke City) – 1,7 milhão de euros

Saem:
Daley Blind (LE, HOL, Ajax) – 16 milhões de euros
Joel Pereira (G, POR, Vitória de Setúbal) – empréstimo
Michael Carrick (V, ING) – aposentado


ARSENAL (ING)

Chegam:
Lucas Torreira (V, URU, Sampdoria) – 30 milhões de euros
Bernd Leno (G, ALE, Bayer Leverkusen) – 25 milhões de euros
Sokratis (Z, GRE, Borussia Dortmund) – 16 milhões de euros
Mattéo Guendouzi (M, FRA, Lorient) – 8 milhões de euros
Stephan Lichtsteiner (LD, SUI, Juventus) – sem custo

Saem:
Jack Wilshere (M, ING, West Ham) – sem custo
Santi Cazorla (M, ESP, Villarreal) – sem custo
Calum Chambers (Z, ING, Fulham) – empréstimo
Per Mertesacker (Z, ALE) – aposentado


BAYERN DE MUNIQUE (ALE)

Chegam:
Leon Goretzka (M, ALE, Schalke 04) – sem custo

Saem:
Arturo Vidal (M, CHI, Bayern de Munique) – 18 milhões de euros
Tom Starke (G, ALE) – aposentado


TOTTENHAM (ING)

Chegam:
ninguém

Saem:
ninguém


Mais de Clubes

– 5 clubes que gastaram ''como nunca'' nesta janela de transferências
– Em 10 anos, mais da metade dos brasileiros do Shakhtar chegou à seleção
– 7 clubes que contrataram o reforço mais caro da história nesta temporada
– Mercado da Bola movimenta R$ 20 bi; Campeonato Italiano quebra recorde


Fiasco no Corinthians, argentino ficou desempregado e está há 1 ano sem gol
Comentários 8

Rafael Reis

Nove anos atrás, o Corinthians desembolsou US$ 4,5 milhões (R$ 17,5 milhões, na cotação atual) para ter o “novo Messi”. Bem, pelo menos esse era o apelido de Matías Defederico no pequeno Huracán, da Argentina.

Quase uma década depois, a comparação com o camisa 10 do Barcelona se mostrou uma das mais equivocadas.

Defederico não só não deu certo no Corinthians, como também fracassou em outros nove clubes de sete países diferentes (Argentina, Emirados Árabes Unidos, Turquia, Chile, Índia, Equador e Espanha).

Hoje aos 28 anos, o meia-atacante tenta recomeçar mais uma vez. Mas o que lhe restou foi jogar no Al-Kawkab, da segunda divisão da Arábia Saudita.

A situação atual ainda é melhor do que a de alguns meses atrás. Defederico está sem jogar desde o começo de dezembro, quando encerrou sua passagem pela equatoriana Universidad de Quito.

Desempregado, a antiga promessa do Corinthians chegou a cogitar dar um tempo na carreira nos gramados para participar da próxima edição do “Bailando por un Sueño”, uma espécie de “Dança dos Famosos” da TV argentina.

O contrato com o Al-Kawkab congelou essa ideia e fez com que Defederico voltasse a sonhar com os gols –não balança as redes há mais de um ano desde o empate por 1 a 1 do seu último time com o Emelec, em 9 de julho de 2017.

O meia-atacante só não caiu no esquecimento em sua terra natal porque é um personagem frequente dos programas de TV sobre celebridades e dos sites que publicam fofocas de famosos na Argentina.

Defederico costuma usar a mídia (e também suas redes sociais) para trocar farpas com a ex-mulher, a dançarina Cinthia Fernández, mãe das suas três filhas, com quem foi casado durante sete anos.

O relacionamento, que foi marcado por escândalos, vazamento de sextape e denúncias de casos extraconjungais, chegou ao fim em janeiro. Desde então, o ex-casal tem lavado a roupa suja em público.

Defederico permaneceu contratado pelo Corinthians entre 2009 e 2013, mas disputou menos de 40 jogos pelo clube paulista. Ele também participou de dois amistosos pela seleção argentina, um em 2009, contra o Panamá, e outro em 2011, ante a Venezuela.


Mais de Cidadãos do Mundo

Janela de transferências chega a R$ 23 bilhões e vira a maior da história
Sete personalidades do futebol que assumiram a homossexualidade
Para ex-Fla e Corinthians, companheiro gay de time é ''grito de liberdade''
Sem brasileiros, seleção dos sub-20 mais valiosos do mundo tem domínio francês


5 clubes que gastaram “como nunca” nesta janela de transferências
Comentários Comente

Rafael Reis

Nunca os clubes de futebol gastaram tanto em contratações quanto nesta temporada. Apesar de ainda termos mais duas semanas de janela de transferências nas maioria das principais ligas nacionais do planeta, o Mercado da Bola já movimentou 5,2 bilhões de euros (R$ 23 bilhões) na montagem dos times para 2018/19.

Para que essa marca fosse atingida, é óbvio que vários times investiram como nunca haviam feito antes. Casos como o do Tottenham, que não gastou sequer um centavo em reforços nesta temporada, são pontos fora da curva.

Apresentamos abaixo cinco clubes que não fizeram questão nenhuma de economizar e quebraram seus recordes particulares de gasto na atual janela de transferências. É bom prestarmos atenção neles ao longo dos próximos meses.

Afinal, no futebol, dinheiro pode sim trazer felicidade.

JUVENTUS (ITA)
GASTO NESTA JANELA: 256,9 milhões de euros
RECORDE ANTERIOR: 162,8 milhões de euros (2016/17)

Clube que mais gastou em contratações nesta janela de transferências, a Juventus superou em 57,8% seu recorde anterior de investimento em novos jogadores. Além de Cristiano Ronaldo, o reforço mais caro de sua história, o clube mais poderoso da Itália exerceu a opção de compra do brasileiro Douglas Costa (ex-Bayern de Munique) e acertou a chegada de mais seis caras novas. As principais, o goleiro Mattia Perin (ex-Genoa), o zagueiro Leonardo Bonucci (que retorna do Milan), o lateral direito português João Cancelo (ex-Valencia) e o meia alemão Emren Can (ex-Liverpool).

LIVERPOOL (ING)
GASTO NESTA JANELA: 182,2 milhões de euros
RECORDE ANTERIOR: 151,4 milhões de euros (2014/15)

O vice-campeonato da Liga dos Campeões na temporada passada incentivou os proprietários do Liverpool a abrirem a carteira como nunca haviam feito antes. O segundo time que mais gastou em reforços na atual janela realizou três contratações que superaram os 40 milhões de euros: os brasileiros Alisson (ex-Roma) e Fabinho (ex-Monaco), além do meia guineense Naby Keita (ex-RB Leipzig). A quarta e última novidade do elenco dos Reds é o meia-atacante Xherdan Shaqiri (ex-Stoke City), um dos destaques da Suíça na Copa do Mundo.

LEICESTER (ING)
GASTO NESTA JANELA: 114,6 milhões de euros
RECORDE ANTERIOR: 85,8 milhões de euros (2017/18)

O surpreendente campeão inglês da temporada 2015/16 resolveu investir pesado para tentar voltar a brigar na parte de cima da tabela da Premier League. O clube, que perdeu um dos seus principais jogadores, o meia-atacante argelino Riyad Mahrez, para o Manchester City, ultrapassou os 100 milhões de euros em reforços pela primeira vez na história. No total, o Leicester contratou sete jogadores. O maior destaque é o ala direito português Ricardo Pereira, que estava no Porto.

ROMA (ITA)
GASTO NESTA JANELA: 110 milhões de euros
RECORDE ANTERIOR: 98,6 milhões de euros (2016/17)

Assim como o Liverpool, encheu-se de ambição depois de uma campanha acima da média na última Champions e mergulhou fundo no Mercado da Bola. Mas a semifinalista da competição interclubes mais importante do planeta privilegiou a quantidade na hora de contratar nesta janela de transferências. A Roma fechou com nada menos do que 13 reforços. Apenas um deles, o meia argentino Javier Pastore (ex-PSG), custou mais de 20 milhões de euros.

FULHAM (ING)
GASTO NESTA JANELA: 109 milhões de euros
RECORDE ANTERIOR: 36 milhões de euros (2007/08)

De volta à primeira divisão inglesa depois de quatro temporadas consecutivas na Championship, o Fulham se tornou a grande surpresa desta janela de transferências. O clube de Londres, que nunca havia gasto nem 40 milhões de euros na montagem de uma equipe, ultrapassou a barreira dos 100 milhões de euros em reforços e contratou vários nomes conhecidos do mercado internacional, como o atacante alemão André Schürrle (ex-Borussia Dortmund), o goleiro espanhol Sergio Rico (ex-Sevilla) e o meia marfinense Jean Michaël Seri (ex-Nice), que já esteve na mira do Barcelona.


Mais de Clubes

– Em 10 anos, mais da metade dos brasileiros do Shakhtar chegou à seleção
– Mercado da Bola Internacional: quem chega e sai nos grandes europeus
– 7 clubes que contrataram o reforço mais caro da história nesta temporada
– Mercado da Bola movimenta R$ 20 bi; Campeonato Italiano quebra recorde


4 jogadores brasileiros que estão com futuro indefinido no exterior
Comentários 8

Rafael Reis

“Todo jogador quer jogar”. Verdadeira ou não, essa máxima do mundo do futebol é usada a todo momento por clubes interessados em contratar aqueles atletas que andam meio encostados nos times aos quais estão vinculados.

E é só pesquisar bem que dá para encontrar nomes interessantes nessa situação. Afinal, sempre há alguém que brigou com o técnico, está em litígio com a diretoria, perdeu espaço depois de uma lesão ou ficou esquecido depois da contratação de algum reforço badalado.

Apresentamos abaixo quatro jogadores brasileiros conhecidos que, por diferentes motivos, estão com o futuro indefinido no exterior.

GANSO
Meia
28 anos
Sevilla (ESP)

O ex-“futuro camisa 10 da seleção brasileira” chegou a ficar cinco meses sem sequer ser relacionado para o banco de reservas no final da temporada passada. Mas, mesmo com a mudança de técnico do Sevilla e a utilização durante 16 minutos em jogo da fase preliminar da Liga dos Campeões da Europa, na última semana, Ganso não parece ter muito espaço no clube – tanto que não foi relacionado para o confronto com o Barcelona, pela Supercopa espanhola. O caminho mais óbvio para sair dessa situação e retomar a carreira é um empréstimo.

MATHEUS PEREIRA
Meia-atacante
20 anos
Juventus (ITA)

Revelado pelas categorias de base do Corinthians, foi negociado com o futebol italiano quando tinha apenas 17 anos, mas nunca disputou uma partida pela equipe principal da Juventus. No primeiro semestre, foi cedido ao Paraná Clube para ganhar experiência. De volta a Turim, dificilmente terá oportunidades de atuar ao lado de Cristiano Ronaldo. Se não for emprestado novamente, deve ficar nas equipes inferiores do clube.

GABRIEL
Goleiro
25 anos
Milan (ITA)

Convocado para a seleção brasileira quando tinha apenas 18 anos e ainda nem havia estreado pelo Cruzeiro, está há seis anos na Itália e já foi emprestado pelo Milan para quatro clubes diferentes (Carpi, Napoli, Cagliari e Empoli). Atualmente, é a tarceira opção do técnico Gennaro Gattuso para a meta rossonera, atrás de Gianluigi Donnarumma e Pepe Reina. Segundo a imprensa italiana, Gabriel deve rescindir seu contrato.

MAURÍCIO
Zagueiro
29 anos
Lazio (ITA)

Formado no Palmeiras e sempre lembrado por um episódio em que se envolveu em uma briga em campo com o atacante Obina, o zagueiro teve problemas de relacionamento na Lazio e pretende mudar de ares. Fora dos planos do treinador, Maurício foi emprestado ao Legia Varsóvia, da Polônia, na segunda metade da temporada. Agora, um novo acordo pode ser definitivo, já que o brasileiro está no último ano de contrato.


Mais de Cidadãos do Mundo

7 brasileiros para acompanhar de perto na nova temporada europeia
Para ex-Fla e Corinthians, companheiro gay de time é ''grito de liberdade''
Sem brasileiros, seleção dos sub-20 mais valiosos do mundo tem domínio francês
Valdivia supera passado de lesões e vira ''inquebrável'' em rival corintiano


Janela de transferências chega a R$ 23 bilhões e vira a maior da história
Comentários Comente

Rafael Reis

A janela de transferências para 2018/19 já é a maior da história do futebol.

Faltando ainda mais de duas semanas para o fechamento do mercado de trocas de clubes na maior parte das principais ligas do planeta, as compras e vendas de jogadores para a nova temporada movimentaram 5,2 bilhões de euros (R$ 23 bilhões).

A quantia já supera os 5,1 bilhões de euros (R$ 22,6 bilhões) que mudaram de mãos entre julho e agosto do ano passado, período que havia quebrado todos os recordes históricos em transações futebolísticas.

Apesar de nenhuma transferência ter alcançado a casa dos 222 milhões de euros (R$ 982 milhões) da ida de Neymar para o Paris Saint-Germain, na temporada passada, a atual janela de transferências já emplacou nove negócios que superaram os 50 milhões de euros (R$ 221,2 milhões).

Além disso, 11 clubes de quatro países diferentes (Inglaterra, Itália, Espanha e França) investiram mais de 100 milhões de euros (R$ 444,8 milhões) na chegada de reforços.

Para completar, pela primeira vez na história, uma liga nacional que não a elite inglesa, ultrapassou a marca de 1 bilhão de euros (R$ 4,4 bilhões) em negócios em uma única janela de transferências.

Impulsionado pela contratação de Cristiano Ronaldo pela Juventus, o Campeonato Italiano já gastou 1,02 bilhão de euros (R$ 4,5 bilhões) em novos jogadores e só ficou atrás da bilionária Premier League inglesa na atual temporada.

A janela de transferências na Espanha, na França, na Alemanha e na maior parte das ligas importantes da Europa vai até o dia 31 de agosto. Na Itália, ela fecha nesta sexta-feira. Já na Inglaterra, o período para mudança de clubes acabou na semana passada.

AS 10 CONTRATAÇÕES MAIS CARAS DA TEMPORADA 2018/19
1º – Kylian Mbappé (FRA, Paris Saint-Germain) – 180 milhões de euros
2º – Cristiano Ronaldo (POR, Juventus) – 117 milhões
3º – Kepa Arrizabalaga (G, ESP, Chelsea) – 80 milhões
4º – Thomas Lemar (FRA, Atlético de Madri) – 70 milhões
5º – Riyad Mahrez (ALG, Manchester City) – 67,8 milhões
6º – Alisson (BRA, Liverpool) – 62,5 milhões
7º – Naby Keita (GUI, Liverpool) – 60 milhões
8º – Fred (BRA, Manchester United) – 59 milhões
9º – Jorginho (ITA, Chelsea) – 57 milhões
10º – Fabinho (BRA, Liverpool) – 45 milhões
Vinícius Jr. (BRA, Real Madrid) – 45 milhões
TOTAL: 5,2 bilhões de euros

OS 10 BRASILEIROS MAIS CAROS DA TEMPORADA 2018/19
1º – Alisson (BRA, Liverpool) – 62,5 milhões
2º – Fred (BRA, Manchester United) – 59 milhões
3º – Fabinho (BRA, Liverpool) – 45 milhões
Vinícius Jr. (BRA, Flamengo) – 45 milhões
5º – Malcom (BRA, Barcelona) – 41 milhões
6º – Douglas Costa (BRA, Juventus) – 40 milhões
7º – Richarlison (BRA, Everton) – 39,2 milhões
8º – Felipe Anderson (BRA, West Ham) – 38 milhões
9º – Arthur (BRA, Barcelona) – 31 milhões
10º – Paulinho (BRA, Bayer Leverkusen) – 18,5 milhões

OS 10 CLUBES MAIS GASTÕES DA TEMPORADA 2018/19
1º – Juventus (ITA) – 256,9 milhões
2º – Liverpool (ING) – 182,2 milhões
3º – Paris Saint-Germain (FRA) – 180 milhões
4º – Chelsea (ING) – 137 milhões
5º – Barcelona (ESP) – 125,9 milhões
6º – Real Madrid (ESP) – 124,3 milhões
7º – Atlético de Madri (ESP) – 123,5 milhões
8º – Leicester (ING) – 114,6 milhões
9º – Roma (ITA) – 110 milhões
10º – Fulham (ING) – 109 milhões

OS 10 CLUBES QUE MAIS VENDERAM NA TEMPORADA 2018/19
1º – Monaco (FRA) – 354,6 milhões
2º – Real Madrid (ESP) – 132,5 milhões
3º – Roma (ITA) – 124,7 milhões
4º – Juventus (ITA) – 99,5 milhões
5º – Napoli (ITA) – 86 milhões
6º – Leicester (ING) – 84,3 milhões
7º – Atletic Bilbao (ESP) – 80 milhões
8º – Inter de Milão (ITA) – 77,5 milhões
9º – Milan (ITA) – 74,8 milhões
10º – Barcelona (ESP) – 74,2 milhões

AS 10 LIGAS MAIS GASTONAS DA TEMPORADA 2018/19
1º – Campeonato Inglês – 1,42 bilhão de euros
2º – Campeonato Italiano – 1,02 bilhão
3º – Campeonato Espanhol – 773,3 milhões
4º – Campeonato Alemão – 447,3 milhões
5º – Campeonato Francês – 440,9 milhões
6º – Campeonato Inglês (2ª divisão) – 179,6 milhões
7º – Campeonato Mexicano – 96,7 milhões
8º – Campeonato Saudita – 82,4 milhões
9º – Campeonato Holandês – 73 milhões
10º – Campeonato Belga – 71,1 milhões


Mais de Cidadãos do Mundo

Para ex-Fla e Corinthians, companheiro gay de time é ''grito de liberdade''
Sem brasileiros, seleção dos sub-20 mais valiosos do mundo tem domínio francês
Valdivia supera passado de lesões e vira ''inquebrável'' em rival corintiano
Veja 7 jovens que se destacaram na pré-temporada de grandes clubes europeus


Sete personalidades do futebol que assumiram a homossexualidade
Comentários Comente

Rafael Reis

O futebol não costuma ser dos espaços mais acolhedores para os homossexuais. Gritos homofóbicos, piadas de cunho sexual e discriminação ainda fazem parte da triste realidade do esporte mais popular do planeta.

O resultado disso é que poucos jogadores se arriscam a assumir ao público que são gays. Na maioria das vezes, os jogadores homossexuais preferem evitar a exposição para não prejudicar o andamento da carreira.

Apresentamos abaixo sete atletas que assumiram a homossexualidade, enquanto ainda jogavam futebol ou já depois da aposentadoria. Dois deles, inclusive, chegaram a disputar a Copa do Mundo.

THOMAS HITZLSPERGER
36 anos
Alemão
Ex-meia
Jogou por Aston Villa, Lazio, West Ham, Wolfsburg e Everton

Hitzlsperger fez parte do elenco da seleção alemã que foi terceira colocada na Copa do Mundo-2006 e também participou de uma Copa das Confederações (2005) e da Eurocopa-2008. Ele assumiu a homossexualidade em janeiro de 2014, poucos meses depois de anunciar sua aposentadoria devido a uma série de problemas físicos mal curados. Atualmente, trabalha nas categorias de base do Stuttgart.

ROBBIE ROGERS
31 anos
Norte-americano
Ex-meia
Jogou por Heerenvenn, Leeds United e Los Angeles Galaxy

Uma grande promessa do futebol norte-americano entre o final da década passada e o começo da atual, revelou ser homossexual em 2013, no mesmo dia em que anunciou a aposentadoria por acreditar que não havia espaço na modalidade para atletas assumidamente gays. Pouco tempo depois, recebeu um convite para rever a decisão e defender o Los Angeles Galaxy. Rogers atuou no time da Califórnia até o ano passado, quando desistiu do esporte devido a uma sequência de contusões.

COLLIN MARTIN
23 anos
Norte-americano
Meia
Joga no Minnesota United

O camisa 17 do Minnesota United, que disputa a MLS (Major League Soccer), a elite da modalidade nos EUA, tornou pública sua orientação sexual no fim de junho, mês em que se comemora o Orgulho LGBT. Atualmente, Martin encabeça uma campanha para que atletas gays deixem de esconder a sexualidade.

JUSTIN FASHANU
Morreu aos 37 anos
Inglês
Ex-atacante
Jogou por Norwich, West Ham, Newcastle e Manchester City

Pioneiro na luta contra a homofobia no futebol, foi o primeiro jogador de uma liga relevante a revelar que era gay. Em 1990, após anos de rumores sua sexualidade, Fashanu deu uma entrevista ao tabloide inglês “The Sun” admitindo que era homossexual e contou várias histórias picantes sobre sua vida. A declaração prejudicou o andamento de sua carreira e fez com que ele fosse atuar em mercados menos competitivos, como Canadá e Austrália. Acusado de abuso sexual por um garoto de 17 anos, o atacante se suicidou em 1998.

ANTON HYSÉN
27 anos
Sueco
Volante
Jogou por vários times pequenos da Suécia

Filho do ex-jogador Glenn Hysén, que defendeu o Liverpool nas décadas de 1980 e 1990 e disputou a Copa do Mundo-1990 pela seleção sueca, o volante revelou ser gay em 2011, quando atuava no Utsiktens, da segunda divisão do seu país. Desde então, a carreira de Anton pouco andou. Seu último time foi o Torslanda, em 2015. Celebridade local, ele também a venceu a temporada 2012 do programa de TV “Let’s Dance”, uma espécie de Dança dos Famosos” da Suécia.

OLIVIER ROUYER
62 anos
Francês
Ex-atacante
Jogou por Nancy, Strassbourg e Lyon

Companheiro de Michel Platini na seleção francesa que disputou a Copa do Mundo de 1978, Rouyer só decidiu assumir nove anos depois do encerramento de sua carreira como técnico. Após dirigir o Nancy e o Sion, o ex-atacante anunciou sua homossexualidade em 2008. Depois, Rouyer entrou no mundo da política (disputou uma eleição municipal) e trabalhou como comentarista esportivo.

DAVID TESTO
37 anos
Norte-americano
Ex-meia
Jogou por Columbus Crew, Montréal Impact e Vancouver Whitecaps

O meio-campista foi o primeiro jogador profissional de futebol dos EUA a assumir sua homossexualidade. Testo revelou que é gay em 2011, seu último ano de carreira, quando defendia o Vancouver Whitecaps. Desde então, faz parte do grupo “You Can Play”, uma iniciativa que visa combater a homofobia nos esportes em território norte-americano.


Mais de Cidadãos do Mundo

Para ex-Fla e Corinthians, companheiro gay de time é ''grito de liberdade''
Sem brasileiros, seleção dos sub-20 mais valiosos do mundo tem domínio francês
Valdivia supera passado de lesões e vira ''inquebrável'' em rival corintiano
Veja 7 jovens que se destacaram na pré-temporada de grandes clubes europeus


Em 10 anos, mais da metade dos brasileiros do Shakhtar chegou à seleção
Comentários 9

Rafael Reis

O Shakhtar Donetsk é o caminho mais curto para a seleção brasileira? A afirmação, recorrente nas redes sociais a cada convocação de um novo jogador do atual campeão ucraniano, não tem como ser provada ou negada.

Mas fato é que, ao longo dos últimos dez anos, mais da metade de todos os jogadores brasileiros que vestiram a camisa laranja receberam pelo menos uma oportunidade na equipe pentacampeã mundial.

Desde 2008, 24 atletas da terra de Pelé, Ronaldinho e Neymar atuaram pelo Shakhtar. A conta não leva em consideração jogadores de dupla cidadania que acabaram optando por outras seleções, como Eduardo (Croácia), Marlos (Ucrânia) e Marcelo Moreno (Bolívia).

Desses 24 brasileiros, nada menos que 13 foram convocados no mínimo uma vez pelo Brasil.

E apenas quatro deles, o lateral-direito Ilsinho, o volante Fernando e os meias-atacantes Wellington Nem e Bernard, já chegaram ao Shakhtar como jogadores da seleção adulta.

Todos os outros vestiram a amarelinha pela primeira vez enquanto defendiam o clube ucraniano ou já depois de terem sido negociados para equipes mais expressivas do futebol europeu.

A lista está cheia de nomes consagrados, como o volante Fernandinho (Manchester City), que disputou as duas últimas edições da Copa do Mundo, além do meia Fred (Manchester United) e dos atacantes Douglas Costa (Juventus) e Taison (ainda no Shakhtar), que fizeram parte do elenco brasileiro na Rússia-2018.

Mas, afinal, qual é o segredo do clube ucraniano? Bem, ele tem muito mais a ver com sua atuação no mercado da bola do que com as teorias da conspiração que costumam aparecer na internet.

O Shakhtar tem uma espécie de obsessão por jovens talentosos brasileiros e costuma investir pesado para levá-los à Ucrânia. Só que para vencer a disputa com os times mais tradicionais e poderosos da Europa, é preciso identificar esses jogadores o mais cedo possível, antes de eles estrearem na seleção.

Foi isso que eles fizeram com Fernandinho. O volante foi contratado do Atlético-PR em 2005, quando tinha acabado de completar 20 anos e ainda defendia o Brasil sub-20. Cinco anos depois, o jogador ganhou sua primeira convocação para a seleção. E, em 2013, foi vendido ao City.

Como uma espécie de incubadora de talentos, o Shakhtar transforma ao longo do tempo jovens apostas brasileiras em realidades em nível suficiente para jogar na seleção. É esse o seu modelo de negócio, que vem dando certo há mais de dez anos.

A nova safra de jovens brasileiros no clube mais poderoso da Ucrânia conta com o meia Maycon (ex-Corinthians), de 21 anos, e com os atacantes Fernando (ex-Palmeiras) e Marquinhos Cipriano (ex-São Paulo), ambos de 19.

Então, é bom não se assustar se algum deles aparecer na convocação da seleção ao longo dos próximos anos.


– Mercado da Bola Internacional: quem chega e sai nos grandes europeus
– 7 clubes que contrataram o reforço mais caro da história nesta temporada
– Mercado da Bola movimenta R$ 20 bi; Campeonato Italiano quebra recorde
– Conheça as vendas mais caras da história dos grandes clubes da Europa


7 brasileiros para acompanhar de perto na nova temporada europeia
Comentários 5

Rafael Reis

Para quem já estava com saudades do futebol jogado no mais alto nível, a temporada 2018/19 das principais ligas nacionais do futebol europeu tem início neste fim de semana, com o pontapé inicial do Campeonato Inglês e do Campeonato Francês.

E junto com eles, começa também a trajetória de afirmação da nova geração do futebol brasileiro em alguns dos clubes mais poderosos e admirados do planeta.

Apresentamos abaixo sete jovens brasileiros que merecem ser acompanhados de perto pelo torcedor durante a nova temporada. Afinal, eles têm tudo para encabeçar a seleção depois da queda no novo ciclo para a Copa do Mundo-2022.

VINICIUS JR.
Atacante
18 anos
Real Madrid (ESP)

O jovem revelado nas categorias de base do Flamengo é um dos destaques da pré-temporada do Real Madrid. É claro que Vinicius Júnior deve começar sua trajetória no banco do tricampeão europeu. Mas, com a saída de Cristiano Ronaldo e a falta de uma reposição de peso para o astro português, Vinicius Júnior deve conquistar um número elevado de minutos em campo.

ARTHUR
Meia
21 anos
Barcelona (ESP)

Revelação do Grêmio na conquista da Libertadores do ano passado, o meio-campista vem ganhando elogios da imprensa catalã por ter um estilo de jogo que se assemelha ao de Xavi, cérebro da equipe na “era Guardiola”. Se não fosse a contratação do chileno Arturo Vidal, o brasileiro teria totais condições de ser titular já nesta temporada. De qualquer forma, será um reserva importante para o técnico Ernesto Valverde.

RICHARLISON
Atacante
21 anos
Everton (ING)

Um dos destaques do Watford na última temporada, ganhou a chance de subir mais um degrau no competitivo futebol inglês ao acertar sua transferência para o Everton, um dos times que melhor contrataram nesta janela. Fazer sucesso no clube de Liverpool pode não apenas alavancar um pouco mais a carreira de Richarlison, como também levá-lo para a seleção. Logo na estreia, ele já marcou os dois gols no empate contra o Wolverhampton por 2 a 2.

ÉDER MILITÃO
Lateral direito
20 anos
Porto (POR)

Revelação em uma posição que sofre com carência de novos nomes, a cria do São Paulo tem futebol para, a médio prazo, vislumbrar uma longa carreira na seleção. Mas, para isso, terá primeiro de vencer a disputa com outro brasileiro, João Pedro (ex-Palmeiras), pela titularidade da lateral direita do Porto.

FRED
Meia
25 anos
Manchester United (ING)

Reserva da seleção na Copa do Mundo, o ex-jogador do Internacional terá a maior chance de sua carreira nesta temporada. Depois de cinco anos no Shakhtar Donetsk e um confuso caso de doping, o brasileiro assinou com o Manchester United para ser companheiro de meio-campo de Paul Pogba. Jogador de elevada qualidade técnica e bom potencial físico, Fred tem tudo para brilhar na Premier League.

MALCOM
Atacante
21 anos
Barcelona (ESP)

Assim como Fred, deu um grande salto na carreira ao trocar o Bordeaux pelo Barcelona. No gigante catalão, Malcom deve disputar uma vaga no time titular com o francês Ousmane Dembélé. Mesmo que perca a disputa, o brasileiro será o primeiro reserva da linha ofensiva do Barça. Ou seja, terá bastante tempo em campo para mostrar que merece também uma chance na seleção.

PAULINHO
Atacante
18 anos
Bayer Leverkusen (ALE)

Parceiro de Vinicius Júnior nas seleções de base, o ex-Vasco não foi direto do Brasil para um dos grandes clubes da Europa. Paulinho irá debutar na Europa com a camisa do Bayer Leverkusen, time que é conhecido pelo talento no desenvolvimento de jovens jogadores. Uma oportunidade e tanto para o atacante se desenvolver no Velho Continente antes de alçar voos mais altos.


Mais de Brasileiros pelo Mundo

– Na Champions, Tchê Tchê realiza sonho e tenta segurar frio na barriga
– Brasil perde hegemonia e se distancia de briga por artilharia na China
– Do outro lado do mundo: 7 brasileiros que brilham no futebol asiático
– G. Jesus é o único brasileiro em seleção dos sub-23 mais valiosos do mundo