Blog do Rafael Reis

Arquivo : juventus

5 rivalidades do futebol mundial em que um time é muito maior que o outro
Comentários Comente

Rafael Reis

Barcelona x Real Madrid, Manchester United x Liverpool, Boca Juniors x River Plate, Milan x Inter de Milão, Galatasaray x Fenerbahce, Palmeiras x Corinthians, Celtic x Rangers. O que não falta no futebol são rivalidades explosivas, construídas ao longo de muito tempo e com grandes oscilações nos resultados.

Mas nem toda rivalidade significa necessariamente equilíbrio. Há clubes que são rivais por motivos políticos ou geográficos, ainda que exista uma grande diferença de poderio econômico e resultados entre eles.

Apresentamos abaixo cinco rivalidades desequilibradas do futebol mundial. Nesses dérbis, quase sempre a mesma equipe é favorita e sai de campo como vencedora.

BARCELONA x ESPANYOL
Barcelona (ESP)

De um lado, um dos clubes de futebol mais poderosos do mundo, dono de cinco títulos da Liga dos Campeões e casa de Lionel Messi. Do outro, uma equipe que jamais foi campeã espanhola e que levantou sua última taça em 2006. O dérbi da Catalunha também é marcado por divergências políticas. Enquanto o Barça é um dos símbolos do orgulho catalão, o Espanyol tem uma identidade mais ligada ao governo nacional. Em janeiro, o “primo pobre” venceu o primeiro jogo das quartas de final da Copa do Rei e acabou com um jejum de nove anos sem ganhar o clássico (mas perdeu por 2 a 0 na volta e acabou eliminado).

BAYERN DE MUNIQUE x 1860 MUNIQUE
Munique (ALE)

É até difícil chamar de clássico um jogo que não acontece desde 2008 e que teve o mesmo vencedor em todas as partidas disputadas neste século. Mas o rival do poderoso Bayern na cidade de Munique é o 1860, que está longe da primeira divisão desde a temporada 2003/04 e hoje participa da terceirona alemã. As duas equipes até dividiram a Allianz Arena entre 2005 e 2017, mas o 1860 decidiu se mudar de casa depois do último rebaixamento.

CHELSEA x FULHAM
Londres (ING)

Na época das vacas magras do Chelsea, seu arquirrival não era Arsenal ou Tottenham, os outros dois clubes mais poderosos de Londres. A rivalidade entre os Bleus e o Fulham, que voltou à primeira divisão inglesa nesta temporada, tem motivos geográficos. Os estádios dos clubes estão separados por 6 minutos de carro, e Stamford Bridge, a casa do Chelsea, fica localizada em uma rua chamada Fulham.

JUVENTUS x TORINO
Turim (ITA)

Em um passado muito distante, o Derby della Mole reunia duas das equipes mais poderosas do futebol italiano. Mas, desde o trágico acidente que matou o melhor time da história do Torino, em 1949, a cidade só ficou com uma equipe realmente capaz de brigar por títulos expressivos: a Juventus, atual heptacampeã nacional. E os resultados mais recentes do clássico comprovam o abismo existente entre os dois times. Dos últimos 26 dérbis, o Torino só venceu um.

PORTO x BOAVISTA
Porto (POR)

O Boavista pode até ter sido o último time a romper a hegemonia dos três grandes no futebol português. Mas, apesar do título conquistado em 2000/01, a equipe alvinegra está a anos-luz do time mais poderoso de sua cidade. Afinal, o Porto não só já ganhou 28 vezes o campeonato nacional, como também faturou em duas oportunidades a Liga dos Campeões da Europa. Enquanto o Boavista passou boa parte dos últimos anos nos escalões inferiores de Portugal e chegou até a disputar a terceira divisão.


Mais de Clubes

– Patrocinadora da Fifa é dona do Bayern: verdade ou lenda urbana?
– Que clube brasileiro revelou mais jogadores para a elite europeia?
– Tríplice Coroa é comum na Europa, mas “missão quase impossível” no Brasil
– Elencos da Champions valem R$ 67 bilhões; conheça os 10 times mais caros


4 motivos para Cristiano Ronaldo ser eleito o melhor jogador do mundo
Comentários Comente

Rafael Reis

Cristiano Ronaldo, Luka Modric ou Mohamed Salah: qual desses três será o eleito o melhor jogador do mundo na temporada 2017/18?

A resposta para esta pergunta será dada na próxima segunda-feira (24), quando a Fifa anuncia os vencedores do “The Best”, seu prêmio anual concedido aos destaques em diferentes categorias do mundo da bola.

A partir deste sábado, apresentamos os pontos fortes de cada finalista, os motivos pelos quais cada um deles merece ser eleito o jogador número um do planeta.

Para começar, Cristiano Ronaldo. O atacante de 33 anos, que trocou o Real Madrid pela Juventus ao fim da última temporada, é o único dos candidatos que já esteve no pódio do prêmio.

Atual bicampeão, o astro busca ser eleito o melhor do mundo pela sexta vez na carreira, deixar Lionel Messi para trás e se tornar o maior vencedor da eleição da Fifa em todos os tempos.

REI DA CHAMPIONS

Pela sexta temporada consecutiva, o camisa 7 foi o artilheiro da Liga dos Campeões da Europa, a principal competição interclubes do planeta. Cristiano Ronaldo fez 15 gols na campanha do terceiro título seguido conquistado pelo Real Madrid. Em toda a história da competição, somente duas vezes um jogador balançou as redes mais do que o CR7 de 2017/18. E, em ambas as ocasiões, foi o próprio astro português o responsável pelo feito (17 gols em 2013/14 e 16 em 2015/16).

FARO ARTILHEIRO

Dos três finalistas ao prêmio de melhor do planeta, o gajo foi quem mostrou o maior faro artilheiro ao longo da temporada passada. Cristiano Ronaldo marcou 54 vezes em 54 jogos por Real Madrid e seleção portuguesa, média de um gol por partida. A média de Salah ficou em 0,86 bola na rede a cada 90 minutos disputados. Já a de Modric, que joga mais atrás e naturalmente faz bem menos gols, foi de 0,09 tento por apresentação.

HORA H

Cristiano Ronaldo decidiu praticamente “sozinho” dois dos quatro confrontos do Real na fase de mata-matas da Champions. Nas oitavas de final contra o Paris Saint-Germain, fez três gols e deu uma assistência na vitória por 5 a 2 sobre os franceses (placar agregado). O português repetiu a dose no 4 a 3 (também agregado) sobre a Juventus, que vale aos espanhóis a ida para a semifinal da competição.

ESPETÁCULO

Tudo bem que a Fifa tem um prêmio específico para gol mais bonito do ano (e Cristiano Ronaldo é um dos indicados). Mas, se o público do futebol curte mesmo é um bom espetáculo, nenhum lance de 2017/18 supera a bicicleta dada pelo camisa 7 no jogo de ida do confronto com a Juventus, pelas quartas de final da Champions. O lance foi simplesmente uma das bicicletas mais plásticas da história recente do futebol.


Mais de Cidadãos do Mundo

Salah é o símbolo do Islã para o mundo, diz 1º técnico de astro egípcio
Como CR7 superou famas de “cai-cai” e mimado para virar quase unanimidade
Ex-Liverpool apronta no Big Brother inglês e coloca casamento em risco
7 personalidades do futebol que já falaram mal de Neymar


Como CR7 superou famas de “cai-cai” e mimado para virar quase unanimidade
Comentários Comente

Rafael Reis

“No começo, ele era um ‘piscinero’ [termo em espanhol para quem simula faltas e pênaltis]. Era uma falha no seu jeito de jogar futebol que precisávamos utilizar da disciplina para conseguir corrigir.”

A declaração dada por Alex Ferguson, treinador de Cristiano Ronaldo no Manchester United entre 2003 e 2009, em entrevista ao jornal espanhol “El Pais”, em 2015, mostra uma faceta do craque português que o tempo praticamente apagou.

Antes de conquistar cinco prêmios de melhor jogador do mundo e se tornar praticamente uma unanimidade no planeta, CR7 era considerado um grande “cai-cai” e um jogador para lá de mimado.

Sim, o atacante de 33 anos, que estreou nesta quarta-feira pela Juventus na Liga dos Campeões da Europa e foi expulso contra o Valencia, na Espanha, já teve uma imagem muito parecida com a que persegue Neymar na atualidade.

Contratado do Sporting pelo United quando tinha apenas 18 anos, Ronaldo chegou à Inglaterra vestindo a camisa 7 que anteriormente era usada por David Beckham e rapidamente despertou o ódio das torcidas adversárias.

Mas o motivo da ira não era a qualidade que mostrava dentro de campo. Em geral, o torcedor inglês abomina os jogadores que simulam faltas e pênaltis. E essa pecha rapidamente virou a marca de CR7.

Foi preciso um tratamento de choque para livrar o português dessa mania. Um tratamento dado por seus próprios companheiros de clube, como detalhou o ex-volante Phil Neville em um documentário produzido pela ITV.

“Posso dizer que os 12 primeiros meses dele foram de um intenso processo de fortalecimento. Na época, tínhamos Keane, Butt e Scholes. E, nos treinos, sempre que Ronaldo pegava na bola, eles o chutavam repetidamente. Não foi só uma vez. Isso aconteceu todos os dias, todas as semanas, durante a temporada toda.”

Se o apreço pelas simulações foi destruído na base das porradas, a fama de garoto mimado resistiu por mais tempo.

Até poucos anos atrás, era comum ouvir muita gente falando que Ronaldo era mais um fenômeno de marketing do que um jogador de futebol e que estava mais preocupado com seu visual (o clássico “olhar para o telão” é dessa época) do que com os objetivos profissionais.

O que o português fez para destruir esses comentários? Trabalhou duro e virou uma máquina de conquistas.

Ganhou quatro das cinco últimas edições da Champions com o Real Madrid, ajudou Portugal a alcançar o maior feito de sua história no futebol, o título da Eurocopa-2016, e faturou cinco prêmios de craque máximo do planeta.

Na marra, venceu seus críticos. E virou praticamente uma unanimidade, uma certeza de sucesso. Até para quem não gosta muito do seu estilo um tanto quanto marrento.

Ronaldo é um dos três indicados ao prêmio de melhor do mundo na temporada 2017/18. Finalista ao lado do egípcio Mohamed Salah (Liverpool) e do croata Luka Modric (Real Madrid), ele busca superar Lionel Messi e se isolar como o maior vencedor da história da eleição feita anualmente pela Fifa.


Mais de Cidadãos do Mundo

Ex-Liverpool apronta no Big Brother inglês e coloca casamento em risco
7 personalidades do futebol que já falaram mal de Neymar
Salah pediu veto a autógrafos para jogar pelo Egito: verdade ou lenda?
7 estrangeiros famosos que hoje jogam em times de 2ª divisão


Mercado da Bola passa de R$ 23 bilhões; veja os 10 clubes mais gastões
Comentários Comente

Rafael Reis

Maior janela de transferências da história do futebol, o Mercado da Bola para a temporada 2018/19 já movimentou 5,3 bilhões de euros (R$ 23,8 bilhões) em compras e empréstimos de jogadores. E o período para busca de reforços ainda nem chegou ao fim.

Até o dia 31 de agosto, os clubes de Espanha, Alemanha, França e da maior parte das ligas nacionais mais importantes da Europa ainda podem realizar novos negócios e anexar outros atletas aos seus elencos –na Inglaterra e na Itália, a janela já fechou.

A marca atual supera os 5,1 bilhões de euros (R$ 22,9 bilhões) que mudaram de mãos entre julho e agosto do ano passado, período que havia quebrado todos os recordes históricos em transações futebolísticas.

Na janela atual, quase 30% de todo o investimento em contratações saiu de um grupo de apenas dez clubes.

Juntos, Juventus, Paris Saint-Germain, Liverpool, Chelsea, Roma, Barcelona, Roma, Barcelona, Real Madrid, Atlético de Madri, Milan e Leicester gastaram mais de 1,5 bilhão de euros (R$ 6,7 bilhões).

Nada menos que oito dos 11 contratações mais caras do período foram feitas por um dos times desse grupo. As exceções foram o argelino Riyad Mahrez, que foi para o Manchester City, e o meia brasileiro Fred, novo jogador do Manchester United.

A recordista do mercado para a atual temporada é a Juventus, que tirou o astro português Cristiano Ronaldo do Real Madrid e investiu quase 257 milhões de euros (R$ 1 bilhão) em reforços para tentar conquistar a Liga dos Campeões da Europa.

Paris Saint-Germain, de Neymar e Kylian Mbappé, e Liverpool, de Alisson, Robert Firmino e Mohamed Salah, completam o pódio dos grandes gastões desta janela de transferências.

OS 10 CLUBES MAIS GASTÕES DA TEMPORADA 2018/19
1º – Juventus (ITA) – 256,9 milhões de euros
2º – Paris Saint-Germain (FRA) – 217 milhões
3º – Liverpool (ING) – 182,2 milhões
4º – Chelsea (ING) – 137 milhões
5º – Roma (ITA) – 136,6 milhões
6º – Barcelona (ESP) – 125,9 milhões
7º – Real Madrid (ESP) – 124,3 milhões
8º – Atlético de Madri (ESP) – 123,5 milhões
9º – Milan (ITA) – 122,5 milhões
10º – Leicester (ING) – 114,6 milhões

AS 10 CONTRATAÇÕES MAIS CARAS DA TEMPORADA 2018/19
1º – Kylian Mbappé (FRA, Paris Saint-Germain) – 180 milhões
2º – Cristiano Ronaldo (POR, Juventus) – 117 milhões
3º – Kepa Arrizabalaga (G, ESP, Chelsea) – 80 milhões
4º – Thomas Lemar (FRA, Atlético de Madri) – 70 milhões
5º – Riyad Mahrez (ALG, Manchester City) – 67,8 milhões
6º – Alisson (BRA, Liverpool) – 62,5 milhões
7º – Naby Keita (GUI, Liverpool) – 60 milhões
8º – Fred (BRA, Manchester United) – 59 milhões
9º – Jorginho (ITA, Chelsea) – 57 milhões
10º – Fabinho (BRA, Liverpool) – 45 milhões
Vinícius Jr. (BRA, Real Madrid) – 45 milhões
TOTAL: 5,3 bilhões de euros

OS 10 BRASILEIROS MAIS CAROS DA TEMPORADA 2018/19
1º – Alisson (BRA, Liverpool) – 62,5 milhões
2º – Fred (BRA, Manchester United) – 59 milhões
3º – Fabinho (BRA, Liverpool) – 45 milhões
Vinícius Jr. (BRA, Real Madrid) – 45 milhões
5º – Malcom (BRA, Barcelona) – 41 milhões
6º – Douglas Costa (BRA, Juventus) – 40 milhões
7º – Richarlison (BRA, Everton) – 39,2 milhões
8º – Felipe Anderson (BRA, West Ham) – 38 milhões
9º – Arthur (BRA, Barcelona) – 31 milhões
10º – Paulinho (BRA, Bayer Leverkusen) – 18,5 milhões

OS 10 CLUBES QUE MAIS VENDERAM NA TEMPORADA 2018/19
1º – Monaco (FRA) – 361,8 milhões
2º – Real Madrid (ESP) – 132,5 milhões
3º – Roma (ITA) – 124,7 milhões
4º – Juventus (ITA) – 99,5 milhões
5º – Napoli (ITA) – 91,5 milhões
6º – Sevilla (ESP) – 89,3 milhões
7º – Leicester (ING) – 85,8 milhões
8º – Milan (ITA) – 83,4 milhões
9º – Barcelona (ESP) – 80,2 milhões
10º – Atletic Bilbao (ESP) – 80 milhões

AS 10 LIGAS MAIS GASTONAS DA TEMPORADA 2018/19
1º – Campeonato Inglês – 1,42 bilhão de euros
2º – Campeonato Italiano – 1,14 bilhão
3º – Campeonato Espanhol – 787,3 milhões
4º – Campeonato Francês – 497,6 milhões
5º – Campeonato Alemão – 447,2 milhões
6º – Campeonato Inglês (2ª divisão) – 185,9 milhões
7º – Campeonato Mexicano – 96,7 milhões
8º – Campeonato Saudita – 96,1 milhões
9º – Campeonato Holandês – 75,4 milhões
10º – Campeonato Português – 72,5 milhões


Mais de Clubes

– Mercado da Bola internacional: quem chega e sai nos grandes clubes
– 5 clubes que gastaram “como nunca” nesta janela de transferências
– Em 10 anos, mais da metade dos brasileiros do Shakhtar chegou à seleção
– 7 clubes que contrataram o reforço mais caro da história nesta temporada


Ingressos esgotados e recorde no mercado: Como CR7 revitalizou o Italiano
Comentários Comente

Rafael Reis

A temporada 2018/19 do Campeonato Italiano começa neste sábado com cara de viagem no tempo.

A chegada de Cristiano Ronaldo à Juventus revitalizou a competição, que vinha sendo eclipsada pela primeira divisão de Inglaterra e Espanha nos últimos tempos. E fez com que ela voltasse a despertar expectativa como nas décadas de 1980 e 1990, quando era a liga nacional mais importante do planeta.

Pela primeira vez desde Kaká, vencedor do prêmio em 2007 e negociado pelo Milan com o Real Madrid no fim da temporada 2008/2009, o Calcio terá entre suas atrações o atual vencedor do prêmio de melhor jogador do mundo.

E para ter o astro português, a vencedora das últimas sete edições do Italiano não economizou. Os 117 milhões de euros (R$ 516 milhões) pagos ao Real Madrid fizeram de CR7 a contratação mais cara do país em todos os tempos.

O reforço histórico teve reflexo imediato nos rivais da Juve, que, guardadas as devidas proporções, também trataram de colocar as mãos nos bolsos para melhorar consideravelmente seus elencos.

Resultado: os 20 clubes da primeira divisão italiana investiram 1,06 bilhão de euros (R$ 4,7 bilhões) em novos jogadores, o maior valor da história. O recorde anterior, da temporada passada, era de “apenas” 905,9 milhões de euros (quase R$ 4 bilhões).

Praticamente todos os principais times do Calcio têm caras novas das mais interessantes para apresentar aos torcedores na competição deste ano.

O Milan contratou o centroavante argentino Gonzalo Higuaín (ex-Juventus). A Roma fechou com o meia argentino Javier Pastore (ex-PSG) e com o volante Steven N’Zonzi (ex-Sevilla), campeão mundial com a seleção francesa. Já o Napoli acertou a compra da revelação espanhola Fabián Ruiz (ex-Betis).

Por fim, a Inter de Milão contratou ao menos três reforços de peso: o lateral direito Sami Vrsaljko (ex-Atlético de Madri), um dos destaques da Croácia que foi finalista na Copa-2018, o meia belga Radja Nainggolan (ex-Roma) e a aposta argentina Lautaro Martínez (ex-Racing).

A equipe nerazzurra sonha ainda com a chegada do meia Luka Modric, o craque do Mundial da Rússia é que até dois meses atrás era companheiro de Cristiano Ronaldo no Real.

Mas não é só o mercado de transferências que foi afetado positivamente pelo desembarque do craque de 33 anos à Itália.

A expectativa é que a ida de torcedores aos estádios italianos cresça consideravelmente por causa do astro português. Na temporada passada, a média de público da Serie A ficou em 24.738 torcedores por partida, a mais baixa dentre as quatro principais ligas nacionais do mundo (Inglaterra, Espanha e Alemanha).

Os primeiros passos já foram dados. Todos os 25,3 mil carnês de ingressos para todos os jogos da Juve como mandante na competição foram vendidos ainda no mês passado.

As entradas para a estreia de CR7, neste sábado, contra o Chievo, em Verona, também já estão praticamente esgotadas, apesar de um aumento de mais de 100% em relação aos preços praticados na temporada passada.


Mais de Cidadãos do Mundo

Fiasco no Corinthians, argentino ficou desempregado e está há 1 ano sem gol
Janela de transferências chega a R$ 23 bilhões e vira a maior da história
Sete personalidades do futebol que assumiram a homossexualidade
Para ex-Fla e Corinthians, companheiro gay de time é “grito de liberdade”


5 clubes que gastaram “como nunca” nesta janela de transferências
Comentários Comente

Rafael Reis

Nunca os clubes de futebol gastaram tanto em contratações quanto nesta temporada. Apesar de ainda termos mais duas semanas de janela de transferências nas maioria das principais ligas nacionais do planeta, o Mercado da Bola já movimentou 5,2 bilhões de euros (R$ 23 bilhões) na montagem dos times para 2018/19.

Para que essa marca fosse atingida, é óbvio que vários times investiram como nunca haviam feito antes. Casos como o do Tottenham, que não gastou sequer um centavo em reforços nesta temporada, são pontos fora da curva.

Apresentamos abaixo cinco clubes que não fizeram questão nenhuma de economizar e quebraram seus recordes particulares de gasto na atual janela de transferências. É bom prestarmos atenção neles ao longo dos próximos meses.

Afinal, no futebol, dinheiro pode sim trazer felicidade.

JUVENTUS (ITA)
GASTO NESTA JANELA: 256,9 milhões de euros
RECORDE ANTERIOR: 162,8 milhões de euros (2016/17)

Clube que mais gastou em contratações nesta janela de transferências, a Juventus superou em 57,8% seu recorde anterior de investimento em novos jogadores. Além de Cristiano Ronaldo, o reforço mais caro de sua história, o clube mais poderoso da Itália exerceu a opção de compra do brasileiro Douglas Costa (ex-Bayern de Munique) e acertou a chegada de mais seis caras novas. As principais, o goleiro Mattia Perin (ex-Genoa), o zagueiro Leonardo Bonucci (que retorna do Milan), o lateral direito português João Cancelo (ex-Valencia) e o meia alemão Emren Can (ex-Liverpool).

LIVERPOOL (ING)
GASTO NESTA JANELA: 182,2 milhões de euros
RECORDE ANTERIOR: 151,4 milhões de euros (2014/15)

O vice-campeonato da Liga dos Campeões na temporada passada incentivou os proprietários do Liverpool a abrirem a carteira como nunca haviam feito antes. O segundo time que mais gastou em reforços na atual janela realizou três contratações que superaram os 40 milhões de euros: os brasileiros Alisson (ex-Roma) e Fabinho (ex-Monaco), além do meia guineense Naby Keita (ex-RB Leipzig). A quarta e última novidade do elenco dos Reds é o meia-atacante Xherdan Shaqiri (ex-Stoke City), um dos destaques da Suíça na Copa do Mundo.

LEICESTER (ING)
GASTO NESTA JANELA: 114,6 milhões de euros
RECORDE ANTERIOR: 85,8 milhões de euros (2017/18)

O surpreendente campeão inglês da temporada 2015/16 resolveu investir pesado para tentar voltar a brigar na parte de cima da tabela da Premier League. O clube, que perdeu um dos seus principais jogadores, o meia-atacante argelino Riyad Mahrez, para o Manchester City, ultrapassou os 100 milhões de euros em reforços pela primeira vez na história. No total, o Leicester contratou sete jogadores. O maior destaque é o ala direito português Ricardo Pereira, que estava no Porto.

ROMA (ITA)
GASTO NESTA JANELA: 110 milhões de euros
RECORDE ANTERIOR: 98,6 milhões de euros (2016/17)

Assim como o Liverpool, encheu-se de ambição depois de uma campanha acima da média na última Champions e mergulhou fundo no Mercado da Bola. Mas a semifinalista da competição interclubes mais importante do planeta privilegiou a quantidade na hora de contratar nesta janela de transferências. A Roma fechou com nada menos do que 13 reforços. Apenas um deles, o meia argentino Javier Pastore (ex-PSG), custou mais de 20 milhões de euros.

FULHAM (ING)
GASTO NESTA JANELA: 109 milhões de euros
RECORDE ANTERIOR: 36 milhões de euros (2007/08)

De volta à primeira divisão inglesa depois de quatro temporadas consecutivas na Championship, o Fulham se tornou a grande surpresa desta janela de transferências. O clube de Londres, que nunca havia gasto nem 40 milhões de euros na montagem de uma equipe, ultrapassou a barreira dos 100 milhões de euros em reforços e contratou vários nomes conhecidos do mercado internacional, como o atacante alemão André Schürrle (ex-Borussia Dortmund), o goleiro espanhol Sergio Rico (ex-Sevilla) e o meia marfinense Jean Michaël Seri (ex-Nice), que já esteve na mira do Barcelona.


Mais de Clubes

– Em 10 anos, mais da metade dos brasileiros do Shakhtar chegou à seleção
– Mercado da Bola Internacional: quem chega e sai nos grandes europeus
– 7 clubes que contrataram o reforço mais caro da história nesta temporada
– Mercado da Bola movimenta R$ 20 bi; Campeonato Italiano quebra recorde


7 clubes que contrataram o reforço mais caro da história nesta temporada
Comentários Comente

Rafael Reis

A janela de transferências da temporada 2018/19 tem tudo para ser histórica. Apesar de ter registrado até o momento apenas um negócio na casa dos 100 milhões de euros (R$ 430 milhões), ela deve quebrar o recorde de quantidade de dinheiro movimentado em transações de jogadores.

Alguns clubes do primeiro escalão do futebol europeu têm contribuído bastante para que essa marca realmente seja alcançada.

Apresentamos abaixo sete clubes da primeira divisão dos campeonatos nacionais mais badalados do planeta que realizaram na atual janela de transferências a contratação mais cara de suas histórias.

JUVENTUS (ITA)

Cristiano Ronaldo não é só a contratação mais cara da história da Juventus, mas também a de todo o futebol italiano. Para tirar o pentacampeão dos prêmios de melhor jogador do mundo do Real Madrid, o clube de Turim desembolsou nada menos que 117 milhões de euros (R$ 507 milhões). Seu recorde anterior era os 90 milhões de euros (R$ 390 milhões) pagos em 2016 por Gonzalo Higuaín, jogador que curiosamente deixou a Juve rumo ao Milan logo depois da chegada do astro português.

ATLÉTICO DE MADRI (ESP)

O time de Diego Simeone será a casa de três campeões da Copa-2018 nesta temporada. Além de Antoine Griezmann e Lucas Hernández, o Atlético terá o meia-atacante Thomas Lemar, um dos destaques do Monaco nos últimos anos. O jogador custou 70 milhões de euros (R$ 303,4 milhões), apenas 4 milhões de euros (R$ 17,3 milhões) a mais que a contratação de Diego Costa, no começo de 2018, até então a mais cara do clube em todos os tempos.

WEST HAM (ING)

O clube inglês pode até não ser dos mais chegados a jogadores brasileiros, mas abriu a carteira como nunca para ter um representante do futebol pentacampeão mundial em seu elenco para a temporada 2018/19. Destaque da Lazio nas últimas temporadas, o ex-santista Felipe Anderson foi contratado por 38 milhões de euros (R$ 164,6 milhões) e desbancou o zagueiro francês Issa Diop, que custou 25 milhões de euros (R$ 108,3 milhões) e foi o reforço mais caro da história do West Ham por menos de um mês.

FULHAM (ING)

O time de Londres resolveu comemorar em grande estilo sua volta à elite do futebol inglês após quatro temporadas na segunda divisão e investiu 30 milhões de euros (R$ 130 milhões) na contratação do meia marfinense Jean Michaël Seri, ex-Nice, que já esteve na lista de desejos do Barcelona. Antes da atual janela de transferências, o recorde do Fulham era bem mais baixo, 17,6 milhões de euros (R$ 76,2 milhões), pagos em 2001 pelo atacante francês Steve Marlet.

SOUTHAMPTON (ING)

Após lutar contra o rebaixamento na temporada passada, o Southampton resolveu abrir os cofres nesta janela de transferências para ter um Campeonato Inglês mais tranquilo. O zagueiro dinamarquês Jannik Vestergaard foi contratado do Borussia Mönchengladbach por 25 milhões de euros (R$ 108,3 milhões), maior valor já pago por um jogador na história do clube. A marca anterior, de 23 milhões de euros (R$ 100 milhões), pertencia a Sadio Mané, hoje um dos craques do Liverpool.

VILLARREAL (ESP)

O clube espanhol não fez uma, mas sim as duas maiores contratações de sua história nesta janela de transferências. Primeiro, pagou 18 milhões de euros (R$ 77,5 milhões) pelo atacante camaronês Karl Toko Ekambi, ex-Angers. Depois, desembolsou 20 milhões de euros (R$ 86,1 milhões) para tirar do Espanyol o também o centroavante Gerard Moreno. Definitivamente, o recorde do brasileiro Nilmar, que custou 16,5 milhões de euros (R$ 71 milhões) em 2009, ficou para trás.

HUDDERSFIELD TOWN (ING)

Integrante da primeira divisão inglesa desde a temporada passada, o time não tem economizado para se manter na elite do futebol mais rico do planeta. Após gastar 13,5 milhões de euros (R$ 58 milhões) em 2017 pelo atacante francês Steve Mounié, o Huddersfield quebrou novamente seu recorde de contratação mais cara da história ao pagar 20 milhões de euros (R$ 86 milhões) ao Monaco pelo zagueiro holandês Terence Kongolo na atual janela de transferências.


Mais de Clubes

– Mercado da Bola movimenta R$ 20 bi; Campeonato Italiano quebra recorde
– Mercado da Bola Internacional: quem chega e sai nos grandes europeus
– Conheça as vendas mais caras da história dos grandes clubes da Europa
– Mercado da Bola movimenta R$ 18 bi; conheça os 10 clubes que mais venderam


Mercado da Bola movimenta R$ 20 bi; Campeonato Italiano quebra recorde
Comentários Comente

Rafael Reis

Impulsionado pela ida do astro português Cristiano Ronaldo para a Juventus, o futebol italiano enterrou o estigma de decadente que carregava nos últimos anos e quebrou na atual janela de transferências todos os seus recordes no Mercado da Bola.

Faltando ainda 10 dias para o encerramento do seu período de inscrição para 2018/19, o Calcio já movimentou na atual janela de transferências mais de 1,02 bilhão de euros (R$ 4,4 bilhões) em compras e empréstimos de jogadores.

O valor é quase 13% superior aos 905,9 milhões de euros (R$ 3,8 bilhões, na cotação atual) da janela de transferências de julho/agosto do ano passado, até então o maior investimento em reforços da primeira divisão italiana em todos os tempos.

As três contratações mais caras da temporada na Itália foram feitas pelo mesmo clube: a Juventus, atual heptacampeã nacional. Cristiano Ronaldo custou 117 milhões de euros (R$ 500,3 milhões), o lateral direito português João Cancelo, 40,4 milhões de euros (R$ 172,7 milhões), e o brasileiro Douglas Costa, 40 milhões de euros (R$ 171 milhões).

Mas isso não significa que as outras equipes do país não se reforçaram. O Milan contratou o atacante argentino Gonzalo Higuáin (ex-Juve). A Inter de Milão fechou com o meia belga Radja Nainggolan (ex-Roma). Já a equipe que leva o nome da capital trouxe o meia argentino Javier Pastore (ex-PSG).

Com tudo isso, o Campeonato Italiano é a segunda liga nacional do planeta que mais gastou em contratações na atual janela de transferências. Apenas a Premier League inglesa, que já investiu 1,13 bilhão de euros (R$ 4,8 bilhões), supera seus gastos.

Dentre os 10 campeonatos nacionais mais gastões desta temporada, há pelo menos três surpresas em relação aos últimos anos: a presença da primeira divisão da Arábia Saudita na oitava posição e as ausências do Português e do Chinês.

No total, o Mercado da Bola global para 2018/19 já movimentou 4,7 bilhões de euros (R$ 20 bilhões).

A quantia já equivale a 92% do total de 5,1 bilhões de euros (R$ 21,8 bilhões) que mudaram de mãos entre julho e agosto do ano passado –período que quebrou todos os recordes históricos em transações de atletas de futebol.

AS 10 LIGAS MAIS GASTONAS DA TEMPORADA 2018/19
1º – Campeonato Inglês – 1,13 bilhão de euros
2º – Campeonato Italiano – 1,02 bilhão
3º – Campeonato Espanhol – 675,9 milhões
4º – Campeonato Francês – 432,6 milhões
5º –  Campeonato Alemão – 415 milhões
6º – Campeonato Inglês (2ª divisão) – 153,6 milhões
7º – Campeonato Mexicano – 96,7 milhões
8º – Campeonato Saudita – 75,4 milhões
9º – Campeonato Holandês – 70,3 milhões
10º – Campeonato Belga – 69,4 milhões

AS 10 CONTRATAÇÕES MAIS CARAS DA TEMPORADA 2018/19
1º – Kylian Mbappé (FRA, Paris Saint-Germain) – 180 milhões
2º – Cristiano Ronaldo (POR, Juventus) – 117 milhões
3º – Thomas Lemar (FRA, Atlético de Madri) – 70 milhões
4º – Riyad Mahrez (ALG, Manchester City) – 67,8 milhões
5º – Alisson (BRA, Liverpool) – 62,5 milhões
6º – Naby Keita (GUI, Liverpool) – 60 milhões
7º – Fred (BRA, Manchester United) – 59 milhões
8º – Jorginho (ITA, Chelsea) – 57 milhões
9º – Fabinho (BRA, Liverpool) – 45 milhões
Vinícius Jr. (BRA, Real Madrid) – 45 milhões
TOTAL: 4,7 bilhões de euros

OS 10 BRASILEIROS MAIS CAROS DA TEMPORADA 2018/19
1º – Alisson (BRA, Liverpool) – 62,5 milhões
2º – Fred (BRA, Manchester United) – 59 milhões
3º – Fabinho (BRA, Liverpool) – 45 milhões
Vinícius Jr. (BRA, Flamengo) – 45 milhões
5º – Malcom (BRA, Barcelona) – 41 milhões
6º – Douglas Costa (BRA, Juventus) – 40 milhões
7º – Richarlison (BRA, Everton) – 39,2 milhões
8º – Felipe Anderson (BRA, West Ham) – 38 milhões
9º – Arthur (BRA, Barcelona) – 31 milhões
10º – Paulinho (BRA, Bayer Leverkusen) – 18,5 milhões

OS 10 CLUBES MAIS GASTÕES DA TEMPORADA 2018/19
1º – Juventus (ITA) – 256,9 milhões
2º – Liverpool (ING) – 182,2 milhões
3º – Paris Saint-Germain (FRA) – 180 milhões
4º – Barcelona (ESP) – 125,9 milhões
5º – Roma (ITA) – 110 milhões
6º – Atlético de Madri (ESP) – 109 milhões
7º – Monaco (FRA) – 96 milhões
8º – West Ham (ING) – 95 milhões
9º – Real Madrid (ESP) – 89,3 milhões
10º – Napoli (ITA) – 84 milhões

OS 10 CLUBES QUE MAIS VENDERAM NA TEMPORADA 2018/19
1º – Monaco (FRA) – 354,6 milhões
2º – Real Madrid (ESP) – 132,5 milhões
3º – Roma (ITA) – 124,7 milhões
4º – Juventus (ITA) – 92,5 milhões
5º – Napoli (ITA) – 86 milhões
6º – Leicester (ING) – 84,3 milhões
7º – RB Leipzig (ALE) – 72,8 milhões
8º – Inter de Milão (ITA) – 72,7 milhões
9º – Paris Saint-Germain (FRA) – 65 milhões
Porto (POR) – 65 milhões


Mais de Clubes

– Mercado da Bola Internacional: quem chega e sai nos grandes europeus
– Conheça as vendas mais caras da história dos grandes clubes da Europa
– Mercado da Bola movimenta R$ 18 bi; conheça os 10 clubes que mais venderam
– Conheça os reforços mais caros da história dos grandes clubes da Europa


Mercado da Bola Internacional: quem chega e sai nos grandes europeus
Comentários Comente

Rafael Reis

Quer saber as mudanças nos elencos dos principais clubes europeus para a temporada 2018/19? Esse espaço, publicado todas as quintas-feiras, lista os negócios mais importantes feitos pelos times do Velho Continente mais conhecidos e queridos no Brasil nesta janela de transferência.

Confira então quem chegou e quem saiu das principais equipes do mundo:

LIVERPOOL (ING)

Chegam:
Alisson (G, BRA, Roma) – 75 milhões de euros
Naby Keita (M, GUI, RB Leipzig) – 60 milhões de euros
Fabinho (V, BRA, Monaco) – 50 milhões de euros
Xherdan Shaqiri (MA, SUI, Stoke City) – 14,7 milhões de euros

Saem:
Emren Can (M, ALE, Juventus) – sem custo
Ádám Bogdan (G, HUN, Hibernian) – emprestado


JUVENTUS (ITA)

Chegam:
Cristiano Ronaldo (A, POR, Real Madrid) – 117 milhões de euros
João Cancelo (LD, POR, Valencia) – 40,4 milhões de euros
Mattia Perin (G, ITA, Genoa) – 12 milhões de euros
Andrea Favilli (A, ITA, Ascoli) – 7,5 milhões de euros
Giangiacomo Magnani (Z, ITA, Perugia) – 5 milhões de euros
Emre Can (M, ALE, Liverpool) – sem custo

Saem:
Kwadwo Asamoah (LE, GAN, Inter de Milão) – sem custo
Stephan Lichtsteiner (LD, SUI, Arsenal) – sem custo
Gianluigi Buffon (G, ITA, Paris Saint-Germain) – sem custo


PARIS SAINT-GERMAIN (FRA)

Chegam:
Gianluigi Buffon (G, ITA, Juventus) – sem custo

Saem:
Javier Pastore (M, ARG, Roma) – 24,7 milhões de euros
Yuri Berchiche (LE, ESP, Athletic Bilbao) – 24 milhões de euros
Thiago Motta (V, ITA) – aposentado
Hatem Ben Arfa (MA, FRA) – sem clube


BARCELONA (ESP)

Chegam:
Clément Lenglet (Z, FRA, Sevilla) – 35,9 milhões de euros
Arthur (M, BRA, Grêmio) – 31 milhões

Saem:
Andrés Iniesta (M, ESP, Vissel Kobe) – sem custo
Paulinho (M, BRA, Guangzhou Evergrande) – empréstimo


MANCHESTER UNITED (ING)

Chegam:
Fred (M, BRA, Shakhtar Donetsk) – 59 milhões de euros
Diogo Dalot (LD, POR, Porto) – 22 milhões de euros
Lee Grant (G, ING, Stoke City) – 1,7 milhão de euros

Saem:
Daley Blind (LE, HOL, Ajax) – 16 milhões de euros
Michael Carrick (V, ING) – aposentado


REAL MADRID (ESP)

Chegam:
Vinícius Jr. (A, BRA, Flamengo) – 45 milhões de euros
Álvaro Odriozola (LD, ESP, Real Madrid) – 30 milhões de euros
Andriy Lunin (G, UCR, Zorya Luhansk) – 8,5 milhões de euros

Saem:
Cristiano Ronaldo (A, POR, Juventus) – 117 milhões de euros
Achraf Hakimi (LD, MAR, Borussia Dortmund) – emprestado


MANCHESTER CITY (ING)

Chegam:
Riyad Mahrez (MA, ALG, Leicester) – 67,8 milhões de euros
Philippe Sandler (Z, HOL, Zwolle) – 2,5 milhões de euros

Saem:
Yaya Touré (M, CMF) – sem clube


ATLÉTICO DE MADRI (ESP)

Chegam:
Thomas Lemar (M, FRA, Monaco) – 70 milhões de euros
Rodri (V, ESP, Villarreal) – 20 milhões de euros
Antonio Adán (G, ESP, Betis) – 1 – milhão de euros

Saem:
Gabi (V, ESP, Al-Saad) – sem custo
Fernando Torres (A, ESP, Sagan Tosu) – sem custo
Axel Werner (G, ARG, Huesca) – emprestado


CHELSEA (ING)

Chegam:
Jorginho (M, ITA, Napoli) – 57 milhões de euros

Saem:
Eduardo (G, POR, Vitesse) – emprestado
Matej Delac (G, CRO, Horsens) – sem custo


ARSENAL (ING)

Chegam:
Lucas Torreira (V, URU, Sampdoria) – 30 milhões de euros
Bernd Leno (G, ALE, Bayer Leverkusen) – 25 milhões de euros
Sokratis (Z, GRE, Borussia Dortmund) – 16 milhões de euros
Mattéo Guendouzi (M, FRA, Lorient) – 8 milhões de euros
Stephan Lichtsteiner (LD, SUI, Juventus) – sem custo

Saem:
Jack Wilshere (M, ING, West Ham) – sem custo
Santi Cazorla (M, ESP, Villarreal) – sem custo
Per Mertesacker (Z, ALE) – aposentado


INTER DE MILÃO (ITA)

Chegam:
Radja Nainggolan (M, BEL, Roma) – 38 milhões de euros
Lautaro Martínez (A, ARG, Racing) – 23 milhões de euros
Federico Dimarco (LE, ITA, Sion) – 7 milhões de euros
Matteo Politano (MA, ITA, Sassuolo) – emprestado
Stefan de Vrij (Z, HOL, Lazio) – sem custo
Kwadwo Asamoah (LE, GAN, Juventus) – sem custo

Saem:
Davide Santon (LE, ITA, Roma) – 9,5 milhões de euros
Éder (A, ITA, Jiangsu Suning) – 5,7 milhões de euros


MONACO (FRA)

Chegam:
Willem Geubbels (MA, FRA, Lyon) – 20 milhões de euros
Antonio Barreca (LE, ITA, Torino) – 12 milhões de euros
Pelé (V, GBI, Rio Ave) – 10 milhões de euros
Ronaël Pierre-Gabriel (LD, FRA, Saint-Étienne) – 6 milhões de euros
Samuel Grandsir (MA, FRA, Troyes) – 3 milhões de euros
Jonathan Panzo (Z, ING, Chelsea) – 3 milhões de euros
Sofiane Diop (MA, FRA, Rennes) – sem custo
Wilson Isidor (MA, FRA, Rennes) – sem custo

Saem:
Thomas Lemar (M, FRA, Atlético de Madri) – 70 milhões de euros
Fabinho (V, BRA, Liverpool) – 50 milhões de euros
Terence Kongolo (Z, HOL, Hudesfield) – 20 milhões de euros


MILAN (ITA)

Chegam:
Ivan Strinic (LE, CRO, Sampdoria) – sem custo
Pepe Reina (G, ESP, Napoli) – sem custo
Alen Halilovic (MA, CRO, Hamburgo) – sem custo

Saem:
Marco Storari (G, ITA) – sem clube


BAYERN DE MUNIQUE (ALE)

Chegam:

Leon Goretzka (M, ALE, Schalke 04) – sem custo

Saem:
Tom Starke (G, ALE) – aposentado


NAPOLI (ITA)

Chegam:
Fabián Ruiz (M, ESP, Betis) – 30 milhões de euros
Simone Verdi (MA, ITA, Bologna) – 25 milhões de euros
Alex Meret (G, ITA, Udinese) – 22 milhões de euros
Vinícius Morais (A, BRA, Real Massamá) – 4 milhões de euros
Orestis Karnezis (G, GRE, Udinese) – 2,5 milhões de euros
Amin Younes (MA, ALE, Ajax) – sem custo
Amato Ciciretti (MA, ITA, Benevento) – sem custo

Saem:
Jorginho (M, ITA, Chelsea) – 57 milhões de euros
Pepe Reina (G, ESP, Milan) – sem custo
Christian Maggio (LD, ITA, Sampdoria) – sem custo
Luigi Sepe (G, ITA, Parma) – emprestado
Leandrinho (MA, BRA, Atlético-MG) – emprestado
Rafael Cabral (G, BRA) – sem clube
Hrvoje Milic (LE, CRO) – sem clube


ROMA (ITA)

Chegam:
Javier Pastore (M, ARG, Paris Saint-Germain) – 24,7 milhões de euros
Justin Kluivert (A, HOL, Ajax) – 17,3 milhões
Grégoire Defrel (A, FRA, Sassuolo) – 15 milhões
Davide Santon (LE, ITA, Inter de Milão) – 9,5 milhões de euros
Ante Coric (MA, CRO, Dínamo Zagreb) – 6 milhões de euros
William Bianda (Z, FRA, Lens) – 6 milhões de euros
Antonio Mirante (G, ITA, Bologna) – 4 milhões de euros
Daniel Fuzato (G, BRA, Palmeiras) – 500 mil euros
Bryan Cristante (MC, ITA, Atalanta) – emprestado
Iván Marcano (Z, ESP, Porto) – sem custo

Saem:
Alisson (G, BRA, Roma) – 75 milhões de euros
Radja Nainggolan (M, BEL, Inter de Milão) – 38 milhões de euros
Bruno Peres (LD, BRA, São Paulo) – emprestado
Bogdan Lobont (G, ROM) – aposentado


BORUSSIA DORTMUND (ALE)

Chegam:
Abdou Diallo (Z, FRA, Mainz) – 28 milhões de euros
Thomas Delaney (M, DIN, Werder Bremen) – 20 milhões de euros
Marius Wolf (M, ALE, Eintracht Frankfurt) – 5 milhões de euros
Eric Oelschlägel (G, ALE, Werder Bremen) – sem custo
Marwin Hitz (G, SUI, Augsburg) – sem custo
Achraf Hakimi (LD, MAR, Real Madrid) – empréstimo

Saem:
Andriy Yarmolenko (MA, UCR, West Ham) – 20 milhões de euros
Sokratis (Z, GRE, Arsenal) – 15 milhões de euros
Gonzalo Castro (M, ALE, Stuttgart) – 5 milhões de euros
Erik Durm (LD, ALE, Huddersfield) – sem custo
Felix Passlack (LD, ALE, Norwich) – empréstimo
Roman Weidenfeller (G, ALE) – aposentado


TOTTENHAM (ING)

Chegam:
ninguém

Saem:
ninguém


Mais de Clubes

– Conheça os reforços mais caros da história dos grandes clubes da Europa
– Novo lar de CR7 investe R$ 1 bi em reforços; veja os 10 clubes mais gastões
– Janela movimenta R$ 8 bi em reforços antes de abrir; veja lista das ligas
– Flamengo é o 5º em ranking de maiores vendedores do planeta; veja top 10


Conheça os reforços mais caros da história dos grandes clubes da Europa
Comentários Comente

Rafael Reis

Para tirar Cristiano Ronaldo do Real Madrid depois de nove temporadas, a Juventus gastou como nunca em sua história. O astro português, eleito cinco vezes o melhor jogador do mundo, custou nada menos que 117 milhões de euros (R$ 528,7 milhões).

A quebra do recorde de maior contratação de todos os tempos não é exclusividade da atual heptacampeã italiana.

Em um Mercado da Bola inflacionado como o atual, boa parte dos principais clubes do planeta realizaram a transferência mais cara de duas existências ao longo dos últimos dois anos.

Além da Juve, Barcelona, Liverpool, Atlético de Madri e Arsenal quebraram seus recordes particulares já neste ano. Paris Saint-Germain, Chelsea, Milan, Bayern, Tottenham e Porto estabeleceram as marcas históricas em 2017.

Recordes de contratação antigos, como o da Inter de Milão (Christian Vieri), estabelecido ainda no século passado, viraram raridade e exclusividade de mercados que enfrentaram crises financeiras nos últimos anos, caso da Itália.

Apresentamos abaixo qual é a contratação mais cara de todos os tempos dos principais clubes do futebol europeu.

REFORÇOS MAIS CAROS DA HISTÓRIA DE CADA CLUBE:

Paris Saint-Germain (FRA): Neymar (BRA/2017): 222 milhões de euros
Barcelona (ESP): Philippe Coutinho (BRA/2018): 160 milhões
Juventus (ITA): Cristiano Ronaldo (POR/2018): 117 milhões
Manchester United (ING): Paul Pogba (FRA/2016): 105 milhões
Real Madrid (ESP): Gareth Bale (GAL/2013): 101 milhões
Liverpool (ING): Virgil van Dijk (HOL/2018): 78,8 milhões
Manchester City (ING): Kevin de Bruyne (BEL/2015): 76 milhões
Atlético de Madri (ESP): Thomas Lemar (FRA/2018): 70 milhões
Chelsea (ING): Álvaro Morata (ESP/2017): 66 milhões
Arsenal (ING): Pierre-Emerick Aubameyang (GAB/2018): 63,8 milhões
Inter de Milão (ITA): Christian Vieri (ITA/1999): 46,5 milhões
Monaco (FRA): James Rodríguez (COL/2013): 45 milhões
Milan (ITA): Leonardo Bonucci (ITA/2017): 42 milhões
Bayern (ALE): Corentin Tolisso (FRA/2017): 41,5 milhões
Tottenham (ING): Davinson Sánchez (COL/2017): 40 milhões
Napoli (ITA): Gonzalo Higuaín (ARG/2013): 39 milhões
Roma (ITA): Gabriel Batistuta (ARG/2000): 36,2 milhões
Borussia Dortmund (ALE): André Schürrle (ALE/2016): 30 milhões
Benfica (POR): Raúl Jiménez (MEX/2015): 22 milhões
Porto (POR): Óliver Torres (ESP/2017): 20 milhões
Sporting (POR): Bas Dost (HOL/2016): 11,9 milhões


Mais de Clubes

– Novo lar de CR7 investe R$ 1 bi em reforços; veja os 10 clubes mais gastões
– Janela movimenta R$ 8 bi em reforços antes de abrir; veja lista das ligas
– Flamengo é o 5º em ranking de maiores vendedores do planeta; veja top 10
– Mercado da Bola movimenta R$ 6,2 bi antes da Copa; veja clubes mais gastões