PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Rafael Reis

7 destaques do futebol sul-americano para seu time contratar em 2020

Rafael Reis

29/11/2019 04h00

O Campeonato Brasileiro já tem um vencedor (Flamengo) e boa parte das vagas para a próxima edição da Libertadores estão bastante encaminhadas. Com isso, os olhos dos dirigentes e dos torcedores já começaram a se voltar para a montagem dos elencos para a próxima temporada.

Ao longo dos próximos meses, os principais clubes do Brasil irão ao Mercado da Bola em busca de reforços na esperança de terem em 2020 times mais fortes que os atuais.

E, seguindo uma tendência dos últimos anos, certamente trarão ao país alguns jogadores estrangeiros que estão se destacando no futebol sul-americano.

O "Blog do Rafael Reis" apresenta abaixo sete atletas de alto nível que atuam em algum dos nossos países vizinhos e que seriam reforços interessantes para a próxima temporada dos times brasileiros.

JORGE VALDIVIA
Meia-atacante
36 anos
Chileno
Colo Colo (CHI)

Crédito: Reprodução

O veterano camisa 10 chileno é um velho conhecido do futebol brasileiro. Ao longo de duas passagens por aqui, Valdivia vestiu a camisa do Palmeiras durante sete anos e construiu uma relação de amor e ódio com a torcida alviverde, que se derretia com suas jogadas de efeito e passes certeiros, mas se irritava com suas inúmeras lesões. Aos 36 anos, "El Mago" continua mostrando esses dois lados do seu futebol no Colo Colo, clube pelo qual se sagrou campeão chileno em 2017. Seu contrato termina no próximo mês e dificilmente será renovado. Ou seja, ele está livre para negociar com o time que bem entender, inclusive com equipes brasileiras.

IGNACIO FERNÁNDEZ
Meia
29 anos
Argentino
River Plate (ARG)

Crédito: Agustín Marcarian/Reuters

É o motor do meio-campo do River. E a final da Libertadores mostrou bem isso. Enquanto Nacho esteve em campo, o time argentino dominou o Flamengo. Quando foi substituído, o cenário mudou completamente e veio a virada. Como já tem 29 anos, Fernández não tem mais um mercado expressivo na Europa, o que torna possível aos clubes brasileiros sonhar com sua contratação. De acordo com a Fox Sports argentina, o meia foi indicado ao Internacional pelo técnico Eduardo Coudet, que deve dirigir a equipe gaúcha no próximo ano.

CARLOS TEVEZ
Atacante
35 anos
Argentino
Boca Juniors (ARG)

Crédito: Reprodução

Ainda que hoje seja reserva do Boca e esteja longe dos melhores momentos de sua carreira, o ex-atacante de Corinthians, Manchester United e Manchester City ainda seria uma contratação de impacto para o futebol brasileiro. E com um extra dos mais interessantes: como fica sem contrato do fim do ano, Tevez chegaria sem a necessidade do pagamento dos seus direitos econômicos. Na Argentina, tem-se falado que o veterano tem conversado com o Peñarol. Mas os clubes do Brasil têm mais condições financeiras que a equipe uruguaia e poderiam perfeitamente interceptar o negócio.

GIOVANNI GONZÁLEZ
Lateral direito
25 anos
Uruguaio
Peñarol (URU)

Crédito: Divulgação

Titular em duas das últimas três partidas do Uruguai, é um dos raros casos de jogadores que ainda atuam na América do Sul e possuem papel importante em seleção do primeiro escalão do continente. González é um lateral à brasileira, que funciona melhor no apoio do que na proteção à defesa e que até eventualmente quebra o galho atuando na linha de meio-campistas. Ou seja, não teria muitas dificuldades para se adaptar ao futebol praticado por aqui. Além disso, atua em uma posição bastante carente de bons nomes, o que o torna ainda mais interessante.

ENZO PÉREZ
Meia
33 anos
Argentino
River Plate (ARG)

Crédito: Henry Romero/Reuters

Assim como Nacho Fernández, faz parte da espinha dorsal do time vice-campeão da Libertadores. E, tal como o companheiro de meio-campo, Enzo Pérez ainda não sabe se continuará no River em 2020. No caso do ex-jogador de Benfica e Valencia, o problema está no seu contrato. O vínculo do camisa 8 termina em junho. Ou seja, a partir de janeiro, ele já pode assinar um pré-contrato com outra equipe. Se o River não conseguir renovar esse acordo e nem quiser ficar de mãos abanando no meio do próximo ano, o melhor é negociá-lo logo, ainda que por um valor reduzido.

SILVIO ROMERO
Atacante
31 anos
Argentino
Independiente (ARG)

Crédito: Reprodução

O centroavante, que já rodou pelo futebol mexicano e teve uma experiência rápida na França, vive o melhor momento de sua carreira. Com oito gols, Romero lidera a artilharia do Campeonato Argentino, apesar da campanha de não muito destaque do Independiente. Atacante de boa qualidade técnica e que também sabe jogar fora da área, o camisa 18 não é reforço para qualquer clube brasileiro, apenas para os mais endinheirados. Afinal, no começo do ano, o clube argentino pagou US$ 4,2 milhões (quase R$ 20 milhões) para tirá-lo do América (MEX).

GERMÁN CANO
Atacante
31 anos
Argentino
Independiente Medellín (COL)

Crédito: AFP

Velho conhecido de quem acompanha o futebol das Américas, o argentino jogou no Lanús, no Colón, no Paraguai e também no México. Atualmente, é o rei do gol da Colômbia. Desde que assinou com o Independiente Medellín, em janeiro do ano passado, foi artilheiro das quatro edições da primeira divisão nacional que disputou. Só em 2019, Cano já marcou mais de 40 gols. Com contrato terminando em dezembro, o atacante tem admitido publicamente que pode buscar novos ares. Talvez seja o momento de desembarcar no Brasil.


 Mais de Cidadãos do Mundo

Como a magia negra virou problema para carreira do artilheiro do Sueco
De Fillol a Conca: os 11 jogadores que defenderam Flamengo e River Plate
"Cale-se Tite" e "vem pra briga, Cavani": Messi nervosinho não é novidade
Antes da fama, Jorge Jesus foi "rei do acesso" e quebrou por culpa de banco

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.