PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Rafael Reis

De Fillol a Conca: os 11 jogadores que defenderam Flamengo e River Plate

Rafael Reis

23/11/2019 04h00

Flamengo e River Plate decidem hoje, em Lima (Peru), o título da Libertadores-2019 e o posto da América do Sul no Mundial de Clubes da Fifa, que será disputado no próximo mês, no Qatar.

Os dois clubes têm histórias bem diferentes. Enquanto a equipe brasileira só se sagrou campeã continental uma única vez, em 1981, o time argentino busca ser penta da competição interclubes mais importante do continente –ganhou em 1986, 1996, 2015 e 2018.

Mas 11 jogadores unem as trajetórias dos adversários desta tarde: cinco argentinos, quatro brasileiros e um paraguaio.

O "Blog do Rafael Reis" apresenta abaixo quem são os atletas que, ao longo da história, vestiram a camisa de ambos os finalista da Libertadores.

Crédito: Divulgação

 Julio Castillo: Atacante argentino formado no River Plate, fez parte do elenco do clube de Buenos Aires em meados da década de 1930. Morreu enquanto era jogador do Flamengo, em virtude de um quadro de diabetes que escondeu da diretoria rubro-negra para conseguir concretizar a transferência.

Paulinho: Artilheiro do Estadual do Rio de 1955 pelo Flamengo e jogador com passagem pela seleção brasileira, o atacante ainda defendeu o Palmeiras antes de se mudar para a Argentina. Por lá, defendeu as cores de River e Estudiantes. Pelo clube do Monumental de Núñez, marcou só quatro gols.

Moacir: Campeão do mundo em 1958, era uma das maiores estrelas do Fla entre o fim da década de 1950 e o começo dos anos 1960. Em 1961, aceitou a ideia de se mandar para a Argentina e jogar no River. Depois, não voltou mais ao futebol brasileiro, atuou no Uruguai e encerrou a carreira no Equador.

Décio Crespo: Contratado pelo River junto com Moacir, disputou apenas uma partida pela equipe argentina, um amistoso contra a Juventus, da Itália. No Flamengo, teve uma trajetória bem mais relevante. Com exceção dos poucos meses que passou em Buenos Aires, vestiu a camisa rubro-negra entre 1957 e 1964.

Rogelio Domínguez: Vencedor das três primeiras edições da Liga dos Campeões da Europa pelo Real Madrid, o goleiro voltou à Argentina em 1962 para defender o River, mas ficou só duas temporadas por lá. Domínguez se aposentou no Fla, time que defendeu entre 1968 e 1969.

Francisco Reyes: Único jogador a passar pelos dois finalistas da Libertadores-2019 que não era brasileiro nem argentino, o paraguaio foi jogador do River em 1964, mas nunca chegou a disputar um jogo oficial pelo clube. Reyes chegou ao Flamengo três anos mais tarde, depois de passagem pelo Atlético de Madri, e foi um zagueiro importante da equipe carioca no começo da década de 1970.

Ubaldo Fillol: Um dos maiores goleiros argentinos de todos os tempos, vestia a camisa 1 do River em 1978, quando se sagrou campeão da Copa do Mundo. Jogou durante nove anos na equipe millonaria e conquistou quatro títulos nacionais. Em 1984, aos 34 anos, aceitou convite do Fla para jogar no Brasil. Foi embora após um ano, depois de adicionar uma Taça Guanabara e uma Taça Rio ao seu currículo

Júlio César: Conhecido como "Uri Geller" pela capacidade de entortar os adversários com dribles, o ponta esquerda foi campeão brasileiro pelo Flamengo em 1980 e só não participou do elenco campeão da Libertadores-1981 porque acabou negociado com o Talleres, da Argentina. Dois anos depois, foi cedido ao River para disputar um torneio de pré-temporada, mas acabou não ficando por lá.

Claudio Borghi: O meia campeão do mundo com a Argentina em 1986 teve passagens discretas pelos dois clubes. Entre 1988 e 1989, ele jogou 11 vezes pelo River. De lá, acabou negociado com o Flamengo, onde chegou cercado de expectativas. Só que Borghi praticamente não foi a campo no Brasil e acabou indo embora no ano seguinte.

Rubens Sambueza: Cria das categorias de base do River, foi campeão argentino pelo clube em 2004 e despontou como grande promessa. Sem conseguir se consolidar, começou a ser emprestado. O Flamengo foi um desses times a quem Sambueza foi cedido. O meia ficou no Rio entre 2008 e 2009 e se sagrou campeão estadual no segundo ano.

Darío Conca: O meia foi o último jogador compartilhado entre River e Flamengo. Conca foi revelado na base da equipe de Buenos Aires, mas acabou emprestado a vários clubes e pouco jogou na Argentina. A passagem pelo Fla também não teve brilho. O jogador passou pela Gávea em 2017, mas, com problemas físicos, não chegou nem a completar uma partida inteira em campo.


Mais de Cidadãos do Mundo

"Cale-se Tite" e "vem pra briga, Cavani": Messi nervosinho não é novidade
Antes da fama, Jorge Jesus foi "rei do acesso" e quebrou por culpa de banco
5 finalistas da Libertadores que podem se mandar para a Europa em 2020
Antes de Jesus, técnico gringo já ganhou o Brasileiro… e batizou posição

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.