Topo

“Cale-se Tite” e “vem pra briga, Cavani”: Messi nervosinho não é novidade

Rafael Reis

20/11/2019 04h20

No folclore do futebol, Lionel Messi é o craque bonzinho, aquele jogador que apanha, apanha, apanha e nunca revida, que raramente dá declarações polêmicas e tem uma vida particular livre de grandes escândalos.

Mas, como ninguém é santo, até mesmo um cara com esse perfil tem seus dias de fúria. De vez em quando, o craque do Barcelona e da Argentina faz questão de nos lembrar que ele também tem sangue quente.

O "Blog do Rafael Reis" relembra abaixo cinco vezes em que o hexacampeão do prêmio de melhor jogador do mundo (2009, 2010, 2011, 2012, 2015 e 2019) perdeu a cabeça e teve atitudes que mancharam sua reputação de bom moço.

Crédito: AP

A FIM DE BRIGA
A confusão mais recente de Messi aconteceu na última segunda-feira, durante o amistoso entre Argentina e Uruguai. O craque se desentendeu com Edinson Cavani depois de uma falta e os dois começaram a bater boca. De acordo com o jornal "Olé", o centroavante do Paris Saint-Germain ficou irritado e chamou o craque do Barcelona para briga. O camisa 10 não baixou a bola e respondeu com um "quando quiser". A situação foi tão surreal que foi preciso Luis Suárez (sim, ele mesmo) intervir e separar a confusão entre seu colega e o parceiro de seleção.

CALA A BOCA, TITE
Cavani não foi o único alvo do argentino na Data Fifa de novembro. No amistoso contra o Brasil, na semana passada, a discussão de Messi foi com o técnico Tite. O astro não gostou de ouvir do treinador brasileiro que deveria ter recebido um cartão amarelo por uma falta que cometeu e, de dentro do campo, mandou o adversário "calar a boca". Tite retrucou com a mesma arma e também mandou Messi ficar quieto. A discussão entre os dois foi revelada pelo treinador na entrevista concedida após a derrota por 1 a 0, com gol do principal jogador da Argentina.

TÁ TUDO ARMADO
2019 certamente é o ano mais nervosinho de Messi. Em julho, o argentino deu chilique depois da eliminação de sua seleção na Copa América e disse que a competição estava armada para o Brasil ser campeão. O camisa 10 também se recusou a participar da cerimônia de entrega da medalha de bronze porque, nas suas palavras, não queria "fazer parte dessa corrupção". O tiroteio contra a Conmebol e a organização da Copa América lhe rendeu uma suspensão de três meses sem poder participar dos amistosos da Argentina.

44 SEGUNDOS
Foi esse o tempo exato de duração da estreia de Messi pela seleção principal da Argentina. Em 2005, o então adolescente de 18 anos que havia acabado de se sagrar campeão mundial sub-20 ficou apenas 44 segundos em campo antes de ser expulso do amistoso contra a Hungria. O cartão vermelho apareceu no segundo lance em que ele tocou na boca. Messi partiu em arrancada, foi puxado pela camisa e retribuiu metendo a mão no rosto do marcador. A agressão não escapou aos olhos do árbitro alemão Markus Merk, que mandou o garoto de volta para o vestiário.

NA PORRADA
Messi fica normalmente mais esquentado quando está com a camisa da Argentina. Mas em jogos do Barcelona, ele também já andou aprontando. E, para tirá-lo do sério, a partida nem precisa valer muita coisa. No troféu Joan Gamper de 2015, uma partida amistosa de pré-temporada disputada naquele ano contra a Roma, o atacante se irritou como o zagueiro Mapou Yanga-Mbiwa, pegou-o pelo pescoço e deu uma cabeçada no adversário. O árbitro deu aquela aliviada e só mostrou cartão amarelo para o craque.


Mais de Cidadãos do Mundo

5 finalistas da Libertadores que podem se mandar para a Europa em 2020
Antes de Jesus, técnico gringo já ganhou o Brasileiro… e batizou posição
Como técnico do River Plate foi de "boneco reclamão" a "rei da América"
Próximo adversário da seleção teve a chance de ser Jorge Jesus, mas falhou

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.

Blog do Rafael Reis