Topo

Próximo adversário da seleção teve a chance de ser Jorge Jesus, mas falhou

Rafael Reis

16/11/2019 04h00

"Agradeço, mas não o irei fazer."

Essa foi a única resposta dada por Paulo Bento às oito mensagens enviadas nas últimas semanas pelo "Blog do Rafael Reis" ao treinador português da Coreia do Sul solicitando uma entrevista.

A recusa ao pedido e até mesmo à manutenção de um diálogo tem uma explicação. O comandante do próximo adversário da seleção brasileira ainda tem uma mágoa danada do país pentacampeão mundial de futebol.

Crédito: AFP

Bento, que já dirigiu Sporting, Olympiacos, Chongqing Lifan e comandou Cristiano Ronaldo em duas competições importantes (Euro-2012 e Copa do Mundo-2014), ainda não engoliu sua passagem desastrosa pelo comando do Cruzeiro.

Três anos atrás, o ex-volante era uma espécie de Jorge Jesus. Assim como o atual comandante do Flamengo, ele possuía uma carreira consolidada em Portugal e estava sendo contratado por um clube brasileiro para trazer a modernidade do jogo europeu para os gramados daqui.

Mas ao contrário do compatriota, Bento não passou nem perto de liderar o Campeonato Brasileiro, alcançar a decisão da Libertadores e impressionar jornalistas e torcedores.

Sua trajetória no Cruzeiro durou exatos 75 dias. Entre 11 de maio e 25 de julho de 2016, o treinador português trabalhou em 17 partidas. Foram seis vitórias, três empates e oito derrotas.

O aproveitamento de 41,2% e o risco de rebaixamento na Série A, já que a equipe ocupava na época a vice-lanterna da competição, abreviaram sua passagem pelo Brasil. Mas a demissão com apenas 15% do tempo de contrato combinado (seu acordo iria até o final de 2017) irritou bastante o treinador.

De acordo com fontes ouvidas pela reportagem, essa mágoa ainda não acabou. Até hoje, Bento considera que foi enganado pela diretoria cruzeirense, que não lhe deu o tempo necessário para se adaptar a um novo país e fazer o time jogar como ele queria.

O português dirige a seleção sul-coreana há pouco mais de um ano. Ele foi contratado como substituto depois do Mundial da Rússia e trabalha em um projeto para fazer a equipe do astro Heung-min Son (Tottenham) surpreender no Qatar-2022.

Os resultados, por enquanto, têm sido apenas razoáveis. O time do ex-técnico do Cruzeiro caiu nas quartas de final da Copa da Ásia, mas está invicto desde a eliminação contra o Qatar, em janeiro. Desde então, foram cinco vitórias e quatro empates.

Brasil e Coreia do Sul se enfrentam na próxima terça-feira, em Abu Dhabi (Emirados Árabes), no último amistoso da seleção em 2019.

A equipe canarinho vive seu pior momento desde o início da era Tite. Já são cinco jogos consecutivos sem vitória: empates contra Colômbia, Senegal e Nigéria e derrotas para Peru e Argentina.


Mais de Cidadãos do Mundo

Ex-Corinthians supera assassinato do irmão com gols e estreia na seleção
7 argentinos que enfrentaram a seleção enquanto defendiam times brasileiros
Por onde andam os jogadores do Boca de 2001, último bi da Libertadores?
De Bruyne e espanhol são os garçons da Europa; veja top 10 em assistências

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.

Blog do Rafael Reis