Topo

Ex-Corinthians supera assassinato do irmão com gols e estreia na seleção

Rafael Reis

15/11/2019 04h00

Quando entrar em campo para enfrentar o Peru, hoje, em Miami, e realizar sua estreia oficial pela seleção principal da Colômbia, Stiven Mendoza certamente terá em mente a imagem do seu irmão caçula, Yeison, 25.

Afinal, faz apenas dois meses que o também jogador profissional de futebol foi assassinado com 11 tiros à queima-roupa por motociclistas, logo depois de deixar a casa da mãe, em Cali.

Crédito: Reprodução

Só que o ex-atacante de Corinthians e Bahia reagiu rápido à brutalidade da morte do irmão e conseguiu transformar a maior tragédia familiar da sua vida no combustível para atingir a melhor fase da carreira.

O jogador de 27 anos, que já rodou por vários times colombianos, tentou a sorte na Índia, jogou nos Estados Unidos e nunca se firmou em lugar nenhum, virou o principal nome do Amiens, equipe que disputa a primeira divisão do Campeonato Francês, uma das cinco ligas nacionais mais poderosas da Europa.

Só nas últimas sete rodadas da Ligue 1, Mendoza balançou as redes quatro vezes, o dobro de gols anotados na temporada anterior, a primeira completa no futebol do país vencedor da Copa-2018.

Cada um desses gols têm sido comemorado com uma homenagem a Yeison. No primeiro, contra o Bordeaux, no dia 25 de setembro, o colombiano fez questão de exibir uma camisa com o rosto do irmão.

Desde então, ele vem ajoelhando no gramado, agradecendo a Deus e mandando recados ao mano a cada vez que movimenta o placar.

Yeison estava em busca de um novo clube para defender depois de disputar a segunda divisão colombiana pelo Valledupar no primeiro semestre. Ele foi assassinado na noite de 6 de setembro, em condições que ainda não foram completamente esclarecidas.

À época, seu irmão já estava afastado dos jogos do Amiens porque se recuperava psicologicamente de um assalto a mão armada sofrido no começo de agosto, em Medellín, também na Colômbia.

Mendoza só retornou aos gramados na segunda metade de setembro. E, ainda assim, porque o técnico Luka Elsner não tinha quem escalar. Afinal, ele não fazia parte dos planos do clube e estava em uma lista de negociáveis para a próxima janela de transferências.

Mas o atacante se deu tão bem nesta "última chance" que acabou recebendo sua primeira convocação para a seleção colombiana adulta. Além do amistoso contra o Peru, ele também irá atuar ante o Equador, no dia 19.

No Brasil, Mendoza defendeu o Corinthians entre 2015 e 2017, mas passou a maior parte do tempo no banco de reservas ou emprestado para outras equipes. Uma delas foi o Bahia, onde o atacante jogou na segunda metade do seu último ano no país e marcou oito gols no Brasileiro.


Mais de Cidadãos do Mundo

7 argentinos que enfrentaram a seleção enquanto defendiam times brasileiros
Por onde andam os jogadores do Boca de 2001, último bi da Libertadores?
De Bruyne e espanhol são os garçons da Europa; veja top 10 em assistências
Astro de R$ 580 mi vira garoto-propaganda de eleição da namorada na escola

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.

Blog do Rafael Reis