PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Rafael Reis

Como a magia negra virou problema para carreira do artilheiro do Sueco

Rafael Reis

28/11/2019 04h00

Campeão e artilheiro do Campeonato Sueco desta temporada, o atacante Mohamed Buya Turay era uma das principais esperanças da seleção de Serra Leoa para conseguir uma boa largada nas eliminatórias da Copa Africana de Nações-2021.

Mas um trabalho de magia negra impediu esse plano de se concretizar. Pelo menos, é nisso que acredita o centroavante de 24 anos, autor de 15 gols em 29 partidas pelo Djurgardens neste ano.

Crédito: Divulgação

O jogador ficou de fora da partida contra Benin, na semana passada, e está atualmente no estaleiro devido a uma lesão que os médicos da seleção não conseguiram encontrar a origem, mas que foi diagnosticada por curandeiro indicado por seus familiares.

"Não lembro de ninguém trombando em mim ou me chutando, mas do nada comecei a sentir uma dor no dedo do pé. No dia seguinte, enquanto estava no ônibus indo para o treinador, a dor foi ficando pior, tomou conta do meu pé inteiro e se alastrou até a perna", afirmou o atacante à BBC.

"O médico nativo me explicou que sofri essa lesão porque pisei em um objeto espiritual enterrado em um campo de Serra Leoa. A pessoa que fez esse trabalho quer destruir minha carreira."

Segundo Buya Turay, o uso da magia negra partiu de uma pessoa que deseja prejudicá-lo por inveja devido ao seu prêmio recém-conquistado de artilheiro da primeira divisão sueca. O jogador disse ainda que conhece a identidade do seu inimigo e prometeu que ele não ficará impune.

O atacante vive o melhor momento de sua carreira como profissional. Ele deixou a África para tentar a sorte na Suécia ainda na adolescência e jogou em quatro times pequenos do país até ser contratado pelo Sint-Truiden, da Bélgica, no ano passado.

Mas o serra-leonês não conseguiu se adaptar ao novo país, acabou emprestado em janeiro ao Djurgadens e foi o protagonista do fim do jejum de 15 anos do clube sem conquistar o título sueco.

Atualmente, ele ocupa a sétima colocação na Chuteira de Ouro, prêmio concedido à imprensa europeia ao maior artilheiro dos campeonatos nacionais do Velho Continente. Com 22,5 pontos, está à frente de astros como Lionel Messi e Cristiano Ronaldo.

O sucesso nos gramados nórdicos transformou Buya Turay em jogador de seleção. O atacante foi convocado pela primeira vez há pouco mais de um ano. Agora, depois de ser alvo da magia negra, não sabe se quer ou não continuar vestindo a camisa do país onde nasceu.

"Não está sendo fácil lidar com essa situação. Neste momento, estou evitando pensar se seguirei jogando por Serra Leoa. Mas analisarei isso mais tarde, quando conseguir parar e pensar em tudo que aconteceu comigo", completou.

Serra Leoa possui uma seleção modesta até para os padrões africanos, tanto que jamais disputou um Mundial e não joga a fase final do torneio continental desde a década de 1990. Na 117ª colocação no ranking da Fifa, foi eliminada logo de cara nas eliminatórias da Copa-2022 ao perder um mata-mata para a Libéria.


Mais de Cidadãos do Mundo

De Fillol a Conca: os 11 jogadores que defenderam Flamengo e River Plate
"Cale-se Tite" e "vem pra briga, Cavani": Messi nervosinho não é novidade
Antes da fama, Jorge Jesus foi "rei do acesso" e quebrou por culpa de banco
5 finalistas da Libertadores que podem se mandar para a Europa em 2020

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.