Topo
Blog do Rafael Reis

Blog do Rafael Reis

Por que a Fifa tem mais países filiados que a ONU?

Rafael Reis

10/09/2019 04h20

"O futebol é tão importante que a Fifa conta com mais países filiados que a ONU". É bem provável que você, em algum momento da vida, já tenha ouvido esse argumento sobre a popularidade da modalidade.

Porém, como é possível que essa afirmação seja verdadeira se o mundo é um só e se, pelo menos em tese, não há como uma determinada nação praticar futebol e criar uma seleção se ela nem ao mesmo existe?

Crédito: Divulgação

Bem, antes de responder a essa pergunta, é necessário primeiramente checar a veracidade da afirmação de que a Fifa conta com um número maior de afiliados que a Organização das Nações Unidas.

Atualmente, a entidade que gerencia o futebol mundial conta com 211 associações nacionais filiadas. Todas elas possuem seleções próprias que disputam as competições chanceladas pelo órgão, como as eliminatórias para a Copa do Mundo.

O número deve crescer nos próximos anos, já que há uma lista de espera de países em busca de reconhecimento da Fifa.

Já a ONU, que foi criada em 1945 e contava originalmente com 51 nações-fundadoras, tem hoje 193 países. Eles estão aptos a participar da Assembleia Geral da entidade, que é realizada anualmente – há também edições extras do encontro, normalmente para discutir temas mais específicos.

A diferença no número de filiados das suas entidades é resultado de algumas decisões tomadas por elas. A principal é que a Fifa aceita como nações independentes alguns territórios que, na prática, são submissos a governos de outros países.

O caso mais conhecido vem da Europa. No mundo do futebol, Inglaterra, Escócia, Gales e Irlanda do Norte formam quatro seleções diferentes. Mas, na ONU e no "planeta político", eles são todos o mesmo país: o Reino Unido.

Há outros exemplos. O arquipélago de Curaçao, localizado no Mar do Caribe, é filiado à Fifa e disputa as competições de futebol como se fosse um país em voo solo. Só que, oficialmente, ele é um território vinculado à Holanda e que responde ao rei Willem-Alexander.

O mesmo acontece com Gibraltar e Anguilla (Reino Unido), Porto Rico e Samoa Americana (Estados Unidos), Hong Kong e Macau (China), Aruba (Holanda), Nova Caledônia (França) e uma porção de outros "países".

Há também nações que fazem parte da Fifa e possuem suas próprias seleções, mas que não existem perante os olhos da ONU porque não são reconhecidas como independentes por alguns dos seus membros.

Esse é o caso da Palestina, que não é reconhecida por Israel, Estados Unidos e parte considerável dos integrantes da União Europeia, e de Kosovo, cuja existência como nação autônoma é negada, por exemplo, pela Sérvia e pela Rússia.

Curiosamente, há também países que fazem parte da ONU, mas que não contam como associação nacional vinculada à Fifa e que, por isso, não possuem seleções próprias. A maioria deles é composta por pequenos arquipélagos, como Kiribati, Micronésia, Palau e Tuvalu.


Mais de Seleções:

– Eliminatórias da Copa-22 já começaram…. e até terminaram para seis países
– Deserções, derrotas a rodo e goleadas: como é a seleção de Cuba?
– Estatísticas mostram: Brasil é o "melhor em tudo" na Copa América
– Como o Brasil ajudou a transformar o Peru em uma seleção competitiva

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.

Mais Blog do Rafael Reis