Topo
Blog do Rafael Reis

Blog do Rafael Reis

Deserções, derrotas a rodo e goleadas: como é a seleção de Cuba?

Rafael Reis

08/07/2019 04h00

Três jogos, três derrotas. Uma goleada por 7 a 0 aplicada pelo México, outra do mesmo placar contra o Canadá e um 3 a 0 ante Martinica. Saldo final: nenhum gol marcado e 17 sofridos. Essa foi a campanha de Cuba na Copa Ouro-2019.

A seleção da ilha caribenha foi a última colocada dentre as 16 participantes do torneio continental das Américas Central e do Norte. A competição, disputada nos EUA, na Costa Rica e na Jamaica, chegou ao fim no último domingo.

Crédito: Divulgação

Os desastrosos resultados cubanos em um torneio que está longe de reunir a nata do futebol mundial mostram como o país, apesar de estar cada vez mais apaixonado pelo jogo com a bolas nos pés, simplesmente não consegue se desenvolver na modalidade.

E boa parte da responsabilidade por essa estagnação (ou até mesmo retração do esporte na nação caribenha) está ligada às restrições impostas por seu regime socialista.

Cuba terminou a Copa Ouro com apenas 18 dos 23 jogadores convocados. O capitão Yasmani López aproveitou a viagem aos Estados Unidos para fugir da concentração e pedir asilo político ao governo de Donald Trump antes mesmo de a bola rolar. Outros quatro jogadores seguiram o mesmo caminho durante a competição.

Desde 2010, nada menos que 34 atletas de futebol aproveitaram torneios disputados por Cuba no exterior para desertar.

Por conta desse abandono em massa, a seleção está sempre tendo de começar do zero e nunca consegue montar uma base de jogadores experientes e já suficientemente testados em competição internacionais.

Na Copa Ouro, a idade média da equipe dirigida pelo técnico Raúl Mederos era de apenas 24 anos e só dois jogadores tinham mais de 20 jogos pela seleção –um deles era justamente López, que liderou as deserções.

Cuba até conta com atletas de nível suficiente para levar o país além da 175ª colocação que ocupa hoje no ranking da Fifa, mas eles não estão à disposição devido às barreiras políticas existentes.

O meia-atacante Onel Hernández, do Norwich, da elite inglesa, até chegou a ser pré-convocado no ano passado, mas não pode se unir à seleção por não atender as exigências do governo –atletas só podem atuar no exterior se forem em um esquema semelhante ao que era praticado "Mais Médicos", com o governo ficando com a maior parte do salário.

O volante Osvaldo Alonso, capitão do Minnesota United (EUA), o lateral esquerdo Jorge Corrales, do Chicago Fire (EUA), o meia-atacante César Munder, revelação da Universidad Católica (CHI), e o atacante Samuel Armenteros, do Benevento (ITA), são outros nomes que poderiam reforçar a equipe se não houvesse essa restrição.

Mas, por enquanto, a seleção cubana tem de se contentar com alguns poucos estrangeiros que atuam em ligas menores da América Central graças a esse regime de parceria com o governo socialista, caso de cinco jogadores que atuam na República Dominicana, dois na Guatemala e um no Panamá.

Curiosamente, Cuba já tem no seu currículo uma participação em Copa do Mundo. Em 1938, muito antes da revolução liderada por Fidel Castro e Che Guevera, o país disputou o Mundial da França e foi até as quartas de final –terminou na sétima colocação.

Oito décadas depois, a classificação para o torneio é um sonho dos mais distantes. Nas eliminatórias para a Rússia-2018, os cubanos não chegaram nem à fase de grupos. Sua participação no qualificatório durou apenas duas partidas. Dois empates contra Curaçao foram suficientes para eliminá-los.


Mais de Seleções:

– Estatísticas mostram: Brasil é o "melhor em tudo" na Copa América
– Como o Brasil ajudou a transformar o Peru em uma seleção competitiva
– Como seleção feminina virou símbolo de campanha pró-aborto na Argentina
– Um ano depois, renovação brasileira é menor que média das seleções da Copa

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.

Mais Blog do Rafael Reis