Topo
Blog do Rafael Reis

Blog do Rafael Reis

Como TV pirata da Arábia virou inimiga número 1 da Fifa e das grandes ligas

Rafael Reis

30/01/2019 04h00

Uma emissora de televisão baseada na Arábia Saudita e supostamente financiada pelo governo local se transformou em uma espécie de inimiga número um das principais entidades que gerenciam o futebol e também das ligas nacionais mais importantes do planeta.

A "declaração de guerra" veio na semana passada, quando Fifa, Uefa, AFC (Confederação Asiática de Futebol), La Liga (Campeonato Espanhol), Premier League (Inglês) e Bundesliga (Alemão) emitiram um comunicado conjunto condenando as ações da rede BeoutQ.

Crédito: Reprodução

De acordo com a carta, divulgada pelos canais de comunicação dessas seis entidades, a emissora tem transmitido eventos esportivos sobre os quais não tem direito. Ou seja, esses órgãos acusam os sauditas de estarem praticando pirataria em eventos como a Copa da Ásia-2019 e a Liga dos Campeões da Europa.

"As atividades da BeoutQ são uma violação clara e flagrante dos nossos direitos de propriedade intelectual. A pirataria da BeoutQ não prejudica apenas a nós, detentores de direitos, mas também os canais licenciados legítimos e, finalmente, os torcedores das nossas competições. O dinheiro arrecadado com a venda dos direitos de transmissão permite-nos ajudar a apoiar os participantes, assim como desenvolver o esporte pelo qual somos responsáveis. A pirataria mata este investimento", afirma o comunicado.

Ainda na carta, as entidades prometem "trabalhar de perto com os parceiros e as autoridades competentes para fazer cumprir e defender os nossos direitos de propriedade intelectual e acabar com esta pirataria generalizada para benefício de todos".

Essa não é a primeira vez que a BeoutQ é acusada de violação dos direitos autorais de eventos esportivos. No ano passado, a Fifa ameaçou processar a emissora por transmitir ilegalmente a partida de abertura da Copa do Mundo, entre Rússia e Arábia Saudita. Logo depois, foi a vez da Liberty Media, dona da F1, realizar a mesma ameaça em virtude de exibições ilegais da principal categoria do automobilismo mundial.

O que diferencia a empresa de várias outras plataformas espalhadas pela internet que fazem pirataria e reproduzem de forma irregular conteúdos produzidos por canais que possuem os direitos de transmissão dos eventos é a questão geopolítica ligada à sua existência.

A BeoutQ nasceu em 2017, justamente na época em que o governo da Arábia Saudita decidiu cortar relações diplomáticas com o Qatar sob acusação de que o país estava colaborando com grupos terroristas. Coincidência ou não, a emissora tem pirateado o sinal da BeIN Sports, empresa qatariana que transmite os principais campeonatos do planeta para o Oriente Médio.

O canal já conduziu uma investigação própria e concluiu que o responsável pelo esquema de captação e retransmissão dos eventos conta com apoio do governo saudita. A prova dessa conexão seria que o sinal de BeoutQ é espalhado pelo Oriente Médio, via Arabsat, a empresa de satélites do país rival.

As autoridades sauditas, no entanto, negam que sejam responsáveis pelo esquema de pirataria. Também dizem não ter nenhuma ligação com o nome da companhia: BeoutQ, um trocadilho com BeIN e uma redução da frase "Be Out Qatar", algo como "Fique Fora, Qatar".

Vale lembrar que o Qatar será sede da próxima edição da Copa do Mundo e é um dos grandes financiadores do futebol mundial na atualidade. O Paris Saint-Germain, por exemplo, é bancado por um fundo de investimentos do país árabe. Já a Qatar Airways, empresa aérea do país, é uma das patrocinadoras da Fifa.


Mais de Clubes

– Em janela de R$ 3 bi, Fla e Palmeiras estão entre os mais gastões do mundo
– Brasileiros gastam R$ 190 mi a mais que argentinos para Libertadores-19
– Com Robinho, time de "velhinhos" está provocando revolução no futebol turco
– Patrocínio de turismo na Coreia do Norte gera polêmica no futebol inglês

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.

Mais Blog do Rafael Reis