Topo
Blog do Rafael Reis

Blog do Rafael Reis

Com Robinho, time de "velhinhos" está provocando revolução no futebol turco

Rafael Reis

20/01/2019 04h00

Arda Turan (ex-Barcelona) e Eljero Elia (ex-Juventus) têm 31 anos. Gaël Clichy (ex-Manchester City) já completou 32. Gökhan Inler (ex-Napoli), Emmanuel Adebayor (ex-Manchester City) e Robinho (ex-Madrid) estão na casa dos 34. Por fim, o meia Emre Belözoglu já festejou seu 38º aniversário.

Pode ser difícil de acreditar. Mas todos esses veteranos jogam no mesmo time. E não em um time qualquer, mas sim naquele que está caminhando para fazer história na atual temporada do Campeonato Turco.

Crédito: Reprodução

O Istambul Basaksehir, que até quatro anos atrás disputava a segunda divisão, encerrou o primeiro turno da liga na liderança, com 35 pontos, seis a mais que o Trabzonspor, justamente seu adversário deste domingo, na abertura do returno.

A aposta do time que busca se tornar apenas o sexto campeão turco diferente dos últimos 57 anos (Galatasaray, Fenerbahce, Besiktas, Trabzonspor e Bursaspor dividiram todos os títulos da era moderna da competição, iniciada em 1962) é bastante clara: encher seu elenco de medalhões.

Além dos jogadores citados no primeiro parágrafo, o Basaksehir conta ainda com o goleiro Volkan Babacan, de 30 anos, que já jogou 36 vezes pela seleção turca, com o meia-atacante brasileiro Márcio Mossoró, 35, que fez sucesso no Paulista de Jundiaí e defendeu o Internacional, e com o zagueiro Serdar Tasci, 31, que disputou a Copa do Mundo de 2010 pela seleção alemã.

Dos 26 jogadores que compõem seu elenco principal, nada menos que 15 já são "trintões". O mais experiente deles é o capitão Emre, que estreou como profissional há 22 anos e foi companheiro de Inter de Milão de Ronaldo Fenômeno lá começo do século.

O clube só consegue manter um grupo de atletas tão estrelado porque possui um patrocinador forte, a Medipol, uma empresa do ramo de saúde que possui faculdade de medicina. O acordo foi selado em 2015, quando o investidor comprou os naming rights da equipe.

Oficialmente, o líder do Campeonato Turco se chama Medipol Basaksehir. Mas, apesar da nomenclatura ser usada pela Fifa e pela Uefa, os torcedores e a imprensa local continuam chamando o time de Istambul Basaksehir.

A ascensão do clube começou justamente depois do polpudo contrato com seu principal patrocinador. Logo na primeira temporada após retornar para a primeira divisão, a equipe foi quarta colocada, classificação que repetiu em 2016. No ano seguinte, foi vice-campeã. E, na última temporada, terminou em terceiro.

Agora, além dos inúmeros veteranos consagrados em ligas do primeiro escalão da Europa, o Basaksehir conta com um outro fator para conquistar seu primeiro título nacional: a derrocada das potências que costumam mandar no futebol turco.

O Galatasaray, maior campeão da história e atual detentor do título, já foi impedido de disputar competições europeias por desrespeitar o fair play financeiro e continua recebendo seguidas multas da Uefa por descumprir o regulamento do acordo.

O Fenerbahce também está na mira da entidade europeia por acumular mais déficits financeiros do que o permitido. Por fim, o Besiktas precisou abrir mão do zagueiro Pepe e do meia-atacante holandês Ryan Babel, duas das suas maiores estrelas, para tentar colocar as contas em dia e parar de atrasar salários dos seus jogadores.


Mais de Clubes

– Patrocínio de turismo na Coreia do Norte gera polêmica no futebol inglês
– Por que o futebol da Inglaterra não para no fim do ano?
– Quando cada campeonato europeu volta das férias de fim de ano?
– Por que a MLS contrata destaques da Argentina, mas não do Brasil?

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.

Mais Blog do Rafael Reis