Blog do Rafael Reis

Patrocínio de turismo na Coreia do Norte gera polêmica no futebol inglês

Rafael Reis

A história do futebol está cheia de patrocinadores um tanto quanto incomuns. Games, aplicativos de relacionamento, bandas de forró, sites de sexo explícito e até mesmo uma atriz pornô já apoiaram financeiramente times ao redor do planeta.

Mas, nas últimas semanas, um novo patrocínio tem chamado atenção e provocado polêmica na Inglaterra, terra da liga nacional mais rica do mundo, ao promover viagens de turismo para um dos países mais fechados e contestados de todo o globo.

Crédito: Divulgação

Desde a tradicional rodada de “Boxing Day” (26 de dezembro), o Blyth Spartans, time que disputa um campeonato equivalente à sexta divisão do futebol inglês, tem exibido em seus jogos em casa uma placa com a mensagem “Visit North Korea”.

O espaço não foi comprado pelo regime do ditador Kim Jong-un, dos mais polêmicos chefes de Estado do planeta e que durante os últimos anos foi uma espécie de “inimigo número um” do Ocidente devido a seu programa nuclear, mas sim por uma empresa sediada na China.

De acordo com o escritor e proprietário da agência Tom Fowdy, que é inglês, sua companhia não é um instrumento de propaganda dos ideais norte-coreanos, mas sim promove “viagens educacionais, intercâmbio cultural e engajamento com o país.”

Em entrevista ao jornal “The Telegraph”, o empresário disse que seu negócio estimula as pessoas a “ampliarem seus horizontes e a pensarem diferente”.

A polêmica placa de publicidade apareceu pela primeira vez na partida contra o Spennymoor Town. Ciente de que o anúncio provocaria reações na sua torcida, o clube fez questão de explicar o acordo em sua revista distribuída a quem vai ao estádio com as informações do jogo que irão assistir.

“Por que visitar a Coreia do Norte? Esse não é um país que as pessoas sabem que pode ser visitado e a maioria delas não quer viajar para lá. Mas, no ‘Visit North Korea’, eles se orgulham de ser diferentes. Eles são uma empresa objetiva que não fica presa à rigidez da opinião pública contemporânea. Eles pensam fora da caixinha e buscam pessoas que também o façam.”

Na internet, torcedores do Blyth Spartans ridicularizam o acordo que rende 250 libras (quase R$ 1.200) por partida ao clube. Além de vários comentários negativos sobre a parceria comercial nas redes sociais, o jornalista John Sweeney produziu uma reportagem em vídeo sobre o jogo contra o Spennymoor Town usando imagens e sons da TV estatal norte-coreana.

Apesar das desavenças com o regime norte-coreano, o Reino Unido mantém relações diplomáticas com o país. Ou seja, seus cidadãos podem viajar para lá (ao contrário do que acontece com os norte-americanos, por exemplo).

O Blyth Spartans é um clube semiprofissional da região metropolitana de Newcastle, no nordeste da Inglaterra. O maior momento dos seus 119 anos de história aconteceu na temporada 1977/78, quando chegou até as oitavas de final da FA Cup.


Mais de Clubes

– Por que o futebol da Inglaterra não para no fim do ano?
– Quando cada campeonato europeu volta das férias de fim de ano?
– Por que a MLS contrata destaques da Argentina, mas não do Brasil?
– Conheça o time que pede à Disney para ter Jack Sparrow na camisa