Blog do Rafael Reis

7 crias do Cruzeiro que hoje fazem sucesso (ou não) fora do Brasil

Rafael Reis

Por onde anda aquele garoto que brilhou nas categorias de base do meu time e logo foi vendido para o exterior? Será que ele virou um jogador importante por lá? Ou será que se tornou apenas mais um dentre tantos brasileiros espalhados pelo Mundo da Bola?

É para responder perguntas como essas que o “Blog do Rafael Reis” mostra desde julho os paradeiros das crias dos 12 maiores clubes do Brasil.

No penúltimo capítulo da série, localizamos sete jogadores formados no Cruzeiro, time que conquistou dois títulos brasileiros nesta década. Na próxima sexta-feira, será a vez do Atlético-MG.

MAICON
Zagueiro
28 anos
Galatasaray (TUR)

Pouco lembrado pelo torcedor do Cruzeiro, o zagueiro transferiu-se para Portugal com 19 anos e vestiu durante sete temporadas a camisa do Porto, onde chegou a usar a braçadeira de capitão. Retornou ao Brasil no início do ano passado e teve sucesso imediato com o São Paulo. Só que a boa fase durou pouco, e Maicon acabou sendo negociado com o Galatasaray na atual de janela de transferências por 7 milhões de euros (R$ 26 milhões).

GOMES
Goleiro
36 anos
Watford (ING)

Goleiro cruzeirense na conquista do título brasileiro de 2003, construiu uma longa carreira na Europa e fez parte da seleção que disputou a Copa do Mundo de 2010. Após deixar Belo Horizonte, em 2004, Gomes passou por PSV Eindhoven, Tottenham e Hoffenheim. Desde 2014, é o dono da meta da Watford, time que ajudou a recolocar na primeira divisão do futebol inglês.

WALLACE
Zagueiro
22 anos
Lazio (ITA)

Promovido ao time principal em 2013, pouco atuou no Cruzeiro antes de ser negociado com o Braga, um ano depois. Imediatamente cedido ao Monaco, Wallace disputou duas temporadas do Campeonato Francês e, em julho de 2016, foi vendido para a Lazio. Praticamente desconhecido no Brasil, Wallace é hoje figura importante no time do técnico Simone Inzaghi e titular absoluto do miolo de zaga.

VINÍCIUS ARAÚJO
Atacante
24 anos
Valencia (ESP)

Apareceu como promessa de grande jogador na base do Cruzeiro e fez parte do elenco campeão brasileiro de 2013. No ano seguinte, foi vendido por 3,5 milhões de euros (R$ 13 milhões) para o Valencia, onde jamais se firmou. Já foi emprestado para Standard Liège, Huesca, Sport e para o próprio Cruzeiro, mas nunca mais conseguiu mostrar o futebol que fez o clube espanhol investir em sua contratação.

ANSELMO RAMON
Atacante
29 anos
Hangzhou Greentown (CHN)

Sabe aqueles jogadores que pertencem a um clube, mas quase nunca atuam por ele e sempre são emprestados? Pois essa foi a trajetória de Anselmo Ramon no Cruzeiro. Durante os seis anos em que permaneceu vinculado ao clube mineiro, ele passou por Itaúna, Cabofriense, Rio Branco (SP), Avaí, Oeste e teve experiências no Japão e na Romênia. Em 2014, o atacante se mudou para a China, onde vive até hoje. Sua equipe, o Hangzhou Greentown, disputa a segunda divisão nacional.

GABRIEL
Goleiro
24 anos
Milan (ITA)

Um novo fenômeno do gol? Foi isso que o Brasil imaginou quando Mano Menezes convocou o então menino de 18 anos, que jamais havia jogado pelo time adulto do Cruzeiro, para uma sessão de treinos da seleção. Gabriel também disputou os Jogos Olímpicos de 2012, antes de ser negociado com o Milan. Na Itália, sempre foi reserva do clube rossonero e foi emprestado três vezes (Carpi, Napoli e Cagliari) para adquirir experiência. Atualmente, esquenta o banco para Donnarumma, esse sim um verdadeiro fenômeno.

SEBÁ
Meia-atacante
25 anos
Olympiacos (GRE)

Fez sucesso na base do Cruzeiro, mas não conseguiu aproveitar as poucas chances que recebeu no time profissional e se mudou para Portugal pouco antes de completar 20 anos. Sebá passou pelo Porto, jogou no Estoril e se firmou no Olympiacos, clube que defende desde 2015. O brasileiro já acumula dois títulos do Campeonato Grego e é titular do lado esquerdo do ataque equipe alvirrubra.


Mais de Brasileiros pelo Mundo

– Mais caçado da Europa, Neymar apanha 72% mais no PSG
– Da China a Portugal: por onde andam 7 crias da base do Inter?
– Em 10 anos, país da Copa gasta quase R$ 1 bilhão em jogadores brasileiros
– Maior artilheiro da pré-Champions é brasileiro e arrasta fãs para igreja