PUBLICIDADE
Topo

Por onde andam 7 brasileiros que jogaram na Inter de Milão

Rafael Reis

12/12/2019 04h20

É difícil contar a história dos principais clubes da Europa sem citar jogadores brasileiros. Afinal, os representantes do futebol pentacampeão mundial vêm há décadas desempenhando papel de destaque no Velho Continente.

Muitos deles foram protagonistas, os caras que brilharam nos momentos mais importantes. Mas também houve vários brasileiros que tiveram função de coadjuvante, e até mesmo aqueles que se tornaram grandes decepções.

Desde agosto e ao longo dos próximos meses, o "Blog do Rafael Reis" vai contar essa história.

Semanalmente, mostramos brasileiros de todos os tipos e qualidades que passaram pelos clubes mais poderosos da Europa. Também identificaremos o que eles andam fazendo da vida atualmente.

Nesta semana, vamos apresentar sete jogadores tupiniquins que vestiram em algum momento da carreira a camisa da Inter de Milão. Em janeiro, depois do recesso de fim de ano desta seção, será a vez da Roma, a equipe mais poderosa da capital italiana.

ADRIANO
Ex-atacante
37 anos

Crédito: Damien Meyer/AFP

Uma montanha de músculos acompanhada de uma perna esquerda capaz de disparar os mais potentes torpedos. Foi com essa receita que o atacante brasileiro fez sucesso na Inter ao longo de oito temporadas (incluindo aí empréstimos a Fiorentina, Parma e São Paulo) e recebeu o apelido de Imperador. Mas Adriano não suportou por muito tempo as exigências físicas, comportamentais e midiáticas de um jogador famoso de futebol. Ainda no fim da década passada, começou a dar "perdidos" nos clubes e também em outros compromissos profissionais. Apesar de jamais ter anunciado oficialmente sua aposentadoria, o Imperador não disputa uma partida desde 2016, quando teve uma passagem relâmpago pelo Miami United, dos Estados Unidos. Adriano é figurinha carimbada na noite carioca e um frequentador assíduo de festas e churrascos na Vila Cruzeiro, favela onde nasceu e cresceu.

JÚLIO CÉSAR
Ex-goleiro
40 anos

Crédito: Vincenzo Pinto/AFP

Goleiro da seleção brasileira em três Copas do Mundo (reserva em 2006 e titular em 2010 e 2014), vestiu a camisa da Inter em 300 oportunidades e foi um dos destaques do time que conquistou a Liga dos Campeões da Europa na temporada 2009/2010. Júlio César jogou até os 38 anos e encerrou a carreira no Flamengo, seu clube de coração, pelo qual disputou o Estadual do Rio no ano passado. Desde então, o ex-arqueiro tem dado alguns passos para ingressar na carreira de comentarista. No ano passado, trabalhou no "Central da Copa", programa da TV Globo. Neste, participou de algumas transmissões do DAZN.

LÚCIO
Zagueiro
41 anos

Crédito: Antonio Calanni/AFP

Campeão mundial em 2002 e capitão da seleção na Copa de 2010, o zagueiro jogou na Inter por apenas três temporadas, mas esse tempo foi suficiente para conquistar uma Champions e também um título italiano, ambos em 2009/2010. Lúcio ficou na Europa até 2012. No ano seguinte, retornou ao Brasil e teve passagens nada positivas por São Paulo e Palmeiras. Depois, começou a rodar por equipes menores e se aventurou até na Índia. Neste ano, disputou a Série D pelo Brasiliense, mas teve seu contrato rescindido em outubro. O zagueiro ainda não anunciou se buscará um novo clube para 2020 ou se pendurará as chuteiras.

MIRANDA
Zagueiro
35 anos

Crédito: Emilio Andreolli/Getty Images

O ex-zagueiro do São Paulo e do Atlético de Madri passou quatro temporadas na Inter. Ele chegou emprestado em 2015, teve seus direitos econômicos adquiridos no ano seguinte e permaneceu até o fim da última temporada. Depois de perder o posto de titular na Itália, Miranda aceitou o convite para se mudar para a China e defender o Jiangsu Suning, clube que pertence ao mesmo grupo que é dono do time milanês. Em sua estreia na Ásia, o brasileiro terminou a Superliga Chinesa na quarta colocação.

VAMPETA
Ex-meia
45 anos

Crédito: Reprodução

Uma das mais figuras mais folclóricas do futebol brasileiro nas últimas décadas, o campeão mundial de 2002 foi companheiro de Ronaldo Fenômeno na Inter durante a temporada 2000/2001, mas só jogou oito partidas pelo clube italiano e não deixou saudades em Milão. Depois de pendurar as chuteiras, Vampeta já fez um pouco de tudo. Candidatou-se a deputado federal, arriscou-se como técnico, firmou uma carreira de dirigente (é presidente do Audax) e tem trabalhado como comentarista (na rádio Jovem Pan e na TV Gazeta).

ZÉ ELIAS
Ex-volante
43 anos

Crédito: Divulgação

O ex-volante também não teve uma passagem longa por Milão. Zé Elias foi contratado pela Inter em 1997, depois de se destacar no Bayer Leverkusen, e acabou liberado dois anos mais tarde. Pelo menos, conseguiu conquistar uma Copa da Uefa (hoje Liga Europa) durante a passagem pelo clube. Depois da aposentadoria, o ex-jogador do Corinthians entrou para o mundo da comunicação. Atualmente, ele é comentarista dos canais ESPN.

KERLON
Meia-atacante
31 anos

Crédito: Reprodução

Revelado pelo Cruzeiro, virou sensação no futebol brasileiro em meados da década passada por fazer embaixadinhas com a cabeça durante as partidas que disputava. A jogada lhe rendeu o apelido de "Foquinha" e deu a notoriedade que precisava para chegar na Inter. Mas Kerlon só fez figuração em Milão. Com a carreira bastante prejudicada por problemas físicos, começou a rodar o mundo e jogou até em Malta. Em 2017, depois de passagem frustrante pela Eslováquia, o meia-atacante desistiu do futebol e, aos 29 anos, anunciou a precoce aposentadoria.


Mais de Brasileiros pelo Mundo

Os 5 brasileiros que estão no caminho do Flamengo no Mundial de Clubes
7 jogadores que podem deixar o futebol brasileiro na janela de janeiro
7 brasileiros da Champions para seu time repatriar na virada do ano
Ouro na Rio-2016, lateral dá show nos desarmes e espera chance na seleção

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.

Rafael Reis