PUBLICIDADE
Topo

Fla, Palmeiras e Vasco poderiam ter mais taças internacionais; veja ranking

Rafael Reis

27/11/2019 04h20

Flamengo, Vasco e Palmeiras estão entre os 25 clubes sul-americanos que mais conquistaram títulos internacionais em todos os tempos. Mas a posição que eles ocupam nessa espécie de ranking de sucesso mundial poderia ser consideravelmente melhor.

Os três times brasileiros poderiam ter mais alguns troféus em seus currículos se não fosse a interrupção na realização da Recopa Sul-Americana.

Crédito: Guadalupe Pardo/Reuters

A competição, criada em 1989 e que confrontava anualmente os campeões da Libertadores e da Supercopa, não foi realizada entre 1999 e 2002. Quando voltou, em 2003, passou a colocar frente a frente os vencedores do principal torneio interclubes do continente e da Copa Sul-Americana.

O hiato corresponde ao período entre o fim da Supercopa e o início da Sul-Americana. Nessa época, o segundo torneio mais valioso do continente era a Copa Mercosul, que recebia clubes argentinos, brasileiros, paraguaios, uruguaios e chilenos –os times dos outros países disputavam a Copa Merconorte.

Obedecendo a essa lógica de importância das competições, as quatro edições jamais disputadas da Recopa seriam os confrontos Vasco (Libertadores-1998) x Palmeiras (Mercosul-1998), Palmeiras (Libertadores-1999) x Flamengo (Mercosul-1999), Boca Juniors (Libertadores-2000) x Vasco (Mercosul-2000) e Boca Juniors (Libertadores-2001) x San Lorenzo (Mercosul-2001).

Ou seja, Palmeiras e Vasco poderiam ter até quatro títulos internacionais reconhecidos pela Conmebol (hoje possuem apenas dois, cada), enquanto o Fla poderia aumentar sua conta de cinco para seis troféus.

De acordo com a Conmebol, entidade que gerencia o futebol sul-americano, os argentinos Boca Juniors e Independiente dividem do posto de clube do continente com maior número de conquistas intercontinentais. Cada um deles já faturou 18 troféus.

O São Paulo, único time brasileiro tricampeão mundial, aparece na sequência, com 12 taças conquistadas, mesmo número do River Plate, adversário pelo Flamengo derrotado na final da Libertadores deste ano.

Outros três clubes do país aparecem no top 10 do ranking. O Santos é o sétimo colocado, com oito títulos, mesma marca do paraguaio Olimpia. Cruzeiro e Internacional ocupam a nona posição, junto ao Atlético Nacional, da Colômbia, com sete conquistas, cada.

A lista considera apenas torneios oficiais chancelados pela Conmebol ou, pelo menos, reconhecidos pela Fifa.

Ou seja, fazem parte da contagem Mundial de Clubes, Libertadores, Copa Sul-Americana, Recopa Sul-Americana e a Final J. League YBC Levain Cup/Copa Conmebol Sul-Americana (antiga Copa Suruga), que ainda estão em disputa, além das extintas Copa Intercontinental, Supercopa da Libertadores, Copa Ouro, Copa Interamericana, Recopa dos Campeões Intercontinentais, Copa Conmebol, Copa Mercosul e Copa Merconorte.

TOP 10 CLUBES SUL-AMERICANOS COM MAIS TÍTULOS INTERNACIONAIS*

1 – Boca Juniors (ARG) – 18 taças
Independiente (ARG) – 18
3 – River Plate (ARG)
São Paulo (BRA) – 12
5 – Nacional (URU) – 9
Peñarol (URU) – 9
7 – Olimpia (PAR) – 8
Santos (BRA) – 8
9 – Atlético Nacional (COL) – 7
Cruzeiro (BRA) – 7
Internacional (BRA) – 7
14 – Flamengo (BRA) – 5
22 – Palmeiras (BRA) – 2
Vasco (BRA) – 2

*dados disponibilizados pela Conmebol; computam apenas competições reconhecidas pela Fifa


Mais de Clubes

Liverpool, Xavi e Coca-Cola: o que espera o Flamengo no Mundial de Clubes?
Fla com R$ 314 mi e River, R$ 223 mi; Libertadores terá o campeão mais caro
"Europeu", Flamengo tem 4 vezes mais jogos de Champions que o River
Para agradar torcida, Boca sonha com Felipão e Felipe Melo para 2020

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.

Rafael Reis