Topo

No país de Jorge Jesus, técnicos brasileiros só têm emprego na 3ª divisão

Rafael Reis

10/11/2019 04h00

Enquanto no Brasil um treinador português (Jorge Jesus, do Flamengo) lidera o campeonato nacional e virou sinônimo de futebol bem jogado e vencedor, em Portugal, os técnico brasileiros são espécies ameaçadas de extinção.

Apesar de compartilharem o mesmo idioma e da ligação histórica entre os dois países, não há sequer um "professor" nascido no Brasil trabalhando no time principal de algum dos 36 clubes que disputam as duas divisões 100% profissionais da terra de Cristiano Ronaldo.

Crédito: Divulgação

Para encontrar um brasileiro executando a função de treinador por lá é preciso mergulhar até o terceiro escalão do futebol local, o Campeonato Portugal, uma competição que mistura times B de agremiações importantes, equipes profissionais de pequenas vilas e até mesmo conjuntos semiamadores.

E, mesmo nessa miscelânea de 72 clubes divididos em quatro divisões regionalizadas, não é tão simples assim achar técnicos com DNA verde e amarelo.

O ex-goleiro Peterson Peçanha, que jogou nas categorias de base do no Flamengo, começou a temporada como técnico do Trofense, mas só durou quatro partidas no cargo. Depois de três derrotas e um empate, foi demitido ainda no mês passado.

Com a queda de Peçanha, atualmente apenas um técnico tupiniquim o trabalha na terceirona lusa: o carioca Armando Santos, um ex-jogador do Bangu, que construiu sua carreira como treinador em Portugal e está em seu segundo clube como treinador por lá.

Crédito: Reprodução

O brasileiro dirige o Mirandela, time de 93 anos de existência que nunca chegou à elite, e que ocupa atualmente a nona colocação do Grupo A do Campeonato Portugal.

A última vez em que treinadores do país passaram pela Série A da terra de Jorge Jesus foi na temporada 2016/17. Na ocasião, Paulo César Gusmão dirigiu o Marítimo por pouco mais de três meses e Fabiano Soares ficou à frente do Estoril Praia até dezembro. Ambos caíram por não atingirem os resultados esperados.

A ausência de técnicos representantes da única nação pentacampeã mundial nos primeiros escalões do futebol português contrasta com o histórico rico que eles sempre tiveram em sua antiga metrópole.

Dois dos três técnicos mais importantes da seleção lusa em todos os tempos nasceram no Brasil: Otto Glória (terceiro colocado na Copa do Mundo-1966) e Luiz Felipe Scolari (vice-campeão europeu em 2004 e quarto na Copa-2006) –Fernando Santos, atual comandante da equipe de CR7 e vencedor da última Euro, é natural de Lisboa.

Além de Glória, que ganhou quatro títulos nacionais com o Benfica e dois com o Sporting, outros dois treinadores tupiniquins também se sagraram campeões portugueses: Dorival Knipel, o Yustrich, vencedor com o Porto em 1956, e Carlos Alberto Silva, bi com o mesmo Porto em 1992 e 1993.

Mais alguns comandantes importantes do futebol brasileiro também trabalham em Portugal, mas sem levantar a taça mais valiosa do país. Esses foram os casos de Paulo Autuori, Abel Braga e Paulo Amaral (preparador físico da seleção canarinho em 1958 e 1962).


Mais de Brasileiros pelo Mundo

Por onde andam 5 brasileiros que jogaram no Tottenham?
"Gabigoal" e nômade são os artilheiros brasileiros na Europa; veja top 10
Coutinho vira "chuta-chuta" na Champions, mas sofre com desespero por gol
7 brasileiros em baixa na Europa para seu time repatriar – Parte 2

 

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.

Blog do Rafael Reis