Topo
Blog do Rafael Reis

Blog do Rafael Reis

Por onde andam 7 ídolos históricos do Napoli?

Rafael Reis

25/07/2019 04h20

Eles já penduraram as chuteiras e abandonaram o futebol profissional. Mesmo assim, continuam sendo amados e idolatrados pelos torcedores dos clubes onde marcaram gols, fizeram defesas milagrosas, conquistaram títulos importantes e escreveram seus nomes na história.

Desde o começo de abril, o "Blog do Rafael Reis" publica semanalmente a seção "Por Onde Andam os ídolos?". Mostrarmos semanalmente os paradeiros dos maiores nomes de todos os tempos dos times mais importantes do futebol europeu.

Hoje, apresentamos o destino de sete ídolos históricos do Napoli, atual vice-campeão italiano. Na próxima semana, será a vez de fazer o mesmo com jogadores que construíram a trajetória do Bayern de Munique.

DIEGO MARADONA
Ex-meia
58 anos
Argentino

Crédito: Reprodução

Classificar Maradona como o maior ídolo da história do Napoli é pouco. Para o clube do sul da Itália, o argentino é uma espécie de Deus. Durante os sete anos em que vestiu a camisa 10 da equipe celeste, Don Diego apresentou ao planeta um time praticamente desconhecido e fez dele bicampeão do campeonato nacional mais importante da época (1987 e 1990) e vencedor da Copa da Uefa (1989). Depois da aposentadoria, Maradona apresentou programa de TV e mergulhou em uma carreira errática como treinador. O auge foi a disputa da Copa do Mundo-2010 à frente da seleção argentina. O capítulo mais recente, a participação na segunda divisão mexicana, comandando o Dorados de Sinaloa. O astro deixou o clube no mês passado, alegando que precisava de mais tempo para cuidar da sua saúde.

CARECA
Ex-atacante
58 anos
Brasileiro

Crédito: Reprodução

Foi o grande parceiro de Maradona nos anos de ouro do Napoli. Graças principalmente às assistências do argentino, o brasileiro figura no top 10 dos maiores artilheiros da história do clube (96 gols em 221 partidas). Careca atuou no futebol italiano durante seis temporadas (1987 a 1993), período em que conquistou três títulos e se firmou como um dos grandes atacantes do planeta em sua geração. Após pendurar as chuteiras, fundou em 1998 o Campinas Futebol Clube, time que chegou a disputar a terceira divisão do Campeonato Paulista antes de ser extinto, em 2010.

CIRO FERRARA
Ex-zagueiro
52 anos
Italiano

Crédito: Reprodução

Na época em que Maradona e Careca resolviam lá na frente, era Ferrara quem segurava a bronca no sistema defensivo. Napolitano de nascimento e formado nas categorias de base do próprio clube, ele disputou 322 partidas oficiais antes de se transferir para a Juventus, em 1994, onde ficou até o fim da carreira. Ferrara fez parte da comissão técnica da seleção italiana que conquistou o tetracampeonato mundial em 2006, dirigiu a Juventus, passou pela Sampdoria e teve seu trabalho mais recente no Wuhan Zall, da China. Ao lado do também ex-zagueiro Fabio Cannavaro, possui uma fundação que ajuda no tratamento de câncer na região de Nápoles.

GIUSEPPE BRUSCOLOTTI
Ex-lateral direito
68 anos
Italiano

Crédito: Reprodução

Famoso pela força física e pelo corpanzil mais comum a zagueiros do que a laterais, Bruscolotti já era um veterano quando viu o Napoli de deixar de ser uma equipe de pouca relevância na Itália para se transformar em uma das potências do Calcio. O defensor atuou no clube durante 16 temporadas (1972 a 1988) e foi o recordista de partidas com a camisa azul celeste até o ano passado, quando foi superado por Marek Hamsik (520 a 511). Após a aposentadoria, o antigo capitão napolitano chegou a ter um restaurante, que foi vendido em 2014. Hoje, administra uma escolinha de futebol e é dirigente de um clube amador.

PAOLO CANNAVARO
Ex-zagueiro
38 anos
Italiano

Crédito: Getty Images

Capitão da Itália na conquista da Copa-2006, Fabio Cannavaro começou a carreira no Napoli, mas pouco fez pelo clube para merecer estar no hall dos seus maiores ídolos. Por outro lado, seu irmão mais novo, Paolo, ajudou a construir a trajetória recente da equipe do sul da Itália. O zagueiro foi um símbolos da fase de reestruturação do Napoli: assinou com o clube quando ele estava na Série B e só se despediu depois de disputar duas edições da Liga dos Campeões da Europa. Atualmente, Paolo é auxiliar do irmão mais famoso, que dirige o Guangzhou Evergrande, uma das potências do futebol chinês.

RUUD KROL
Ex-zagueiro
70 anos
Holandês

Crédito: Reprodução

Integrante da seleção holandesa que foi vice-campeã mundial em 1974 e 1978, o polivalente defensor foi a contratação mais impactante do Napoli antes da chegada de Maradona. Krol desembarcou no San Paolo em 1980, depois de uma passagem pelo futebol canadense, e liderou a defesa celeste durante quatro temporadas. Como treinador, construiu uma carreira sólida no futebol africano e se sagrou campeão tunisiano, egípcio e da África do Sul. Na última temporada, dirigiu o Sfaxien, da Tunísia.

ANTONIO JULIANO
Ex-meia
76 anos
Italiano

Crédito: Reprodução

Dentro de campo, é o terceiro jogador que mais vestiu a camisa do Napoli. O meia, que disputou três Copas do Mundo (1966, 1970 e 1974), defendeu o time durante 16 anos e participou de 505 jogos oficiais. Mas, fora das quatro linhas, Juliano teve uma importância ainda maior para o clube. Foi ele o diretor responsável pelas contratações de Ruud Krol e Diego Maradona, no início da década de 1980, que fizeram o Napoli mudar completamente de patamar. Hoje, o ex-meia e dirigente já está aposentado, mas continua sendo lembrado com muito carinho pela torcida.


Mais de Cidadãos do Mundo

Cocaína, prisão e fiasco no Brasil marcam astro de adversário do Palmeiras
Por onde andam 7 ídolos históricos da Roma?
Os 10 zagueiros mais caros da história do futebol
Vinte e cinco anos depois, por onde andam as "figuras" da Copa-1994?

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.

Mais Blog do Rafael Reis