Topo
Blog do Rafael Reis

Blog do Rafael Reis

Vinte e cinco anos depois, por onde andam as "figuras" da Copa-1994?

Rafael Reis

17/07/2019 04h00

O tetracampeonato completa 25 anos nesta quarta-feira. Foi no dia 17 de julho de 1994 que a seleção brasileira comandada por Carlos Alberto Parreira derrotou a Itália, nos pênaltis, e levantou o caneco.

Mas a Copa dos Estados Unidos não ficou marcada apenas pelo fim do jejum brasileiro de 24 anos. O número de grandes jogadores e também figuraças que passaram pelos gramados norte-americanos impressiona.

Crédito: Montagem

O "Blog do Rafael Reis" aproveita a data comemorativa e a memória afetiva dos torcedores para mostrar os paradeiros atuais de sete dos principais personagens do Mundial-1994.

ROMÁRIO
Ex-atacante
53 anos
Brasileiro

Crédito: Reprodução

Protagonista do tetra, o Baixinho foi eleito o melhor jogador da Copa e, consequentemente, ganhou também a eleição de craque do planeta daquele ano. Romário jogou profissionalmente até os 42 anos, mas não voltou a disputar o Mundial depois dos Estados Unidos-1994. Feroz crítico da CBF, o ex-atacante entrou para o mundo político. Filiado ao Podemos, cumpre atualmente seu primeiro mandato como senador. No ano passado, disputou o governo estadual do Rio de Janeiro, mas ficou apenas na quarta posição.

ROBERTO BAGGIO
Ex-atacante
52 anos
Italiano

Crédito: Reprodução

Uma espécie de coprotagonista da conquista brasileira, o homem que isolou a última cobrança italiana na decisão por pênaltis e permitiu o grito de "tetra" foi um dos grandes craques do planeta na primeira metade da década de 1990. Assim como Romário, também teve uma carreira longa e só se aposentou em 2004, quando já tinha 37 anos. Depois de pendurar as chuteiras, trabalhou entre 2010 e 2013 na seleção italiana, virou uma espécie de embaixador informal do budismo e hoje se dedica principalmente a diferentes campanhas de caridade.

HRISTO STOICHKOV
Ex-atacante
53 anos
Búlgaro

Crédito: Reprodução

Então companheiro de ataque de Romário no Barcelona, levou a Bulgária até as semifinais do Mundial e terminou a competição com seis gols, dividindo a artilharia com o russo Oleg Salenko. Maior nome da história do futebol do seu país, Stoichkov encerrou a carreira em 2003, virou treinador e chegou a dirigir a seleção búlgara e o Celta. Em 2013, teve uma passagem de um mês pela presidência do CSKA Sofia, clube onde se tornou conhecido internacionalmente. Hoje, é comentarista de TV na Espanha.

GHEORGHE HAGI
Ex-meia
54 anos
Romeno

Crédito: Susan Walsh/Associated Press

O apelido "Maradona dos Cárpatos" já deixa claro o tamanho da qualidade técnica que o camisa possuía. Graças a Hagi, a Romênia eliminou a favorita Colômbia na primeira fase e passou pela Argentina nas oitavas de final antes de cair para a Suécia, nos pênaltis, nas quartas. Desde 2001, o ex-meia construiu uma carreira bem consolidada de treinador e já comandou Galatasaray, Bursaspor e seleção romena. Atualmente, está em sua quinta temporada no comando no Viitorul, clube pelo qual foi campeão romeno em 2017 e onde comandava seu filho, Ianis, um dos destaques do último Europeu sub-21 e que acabou de assinar com o Genk (BEL).

OLEG SALENKO
Ex-atacante
49 anos
Russo

Crédito: Thomas Kienzle/Associated Press

Autor de cinco gols em um só jogo (6 a 1 sobre Camarões, na última rodada da primeira fase), marca jamais repetida em uma Copa do Mundo masculina e adulta, o russo marcou seis vezes no Mundial e dividiu a artilharia com Stoichkov. O sucesso nos EUA lhe rendeu uma transferência para o Valencia, onde não conseguiu se firmar. Sem jamais repetir o bom futebol da Copa, Salenko deixou o futebol profissional em 2001. Apesar de ter licença da Uefa para trabalhar como técnico, ele até hoje só treinou a seleção ucraniana de futebol de areia.

ALEXI LALAS
Ex-zagueiro
49 anos
Norte-americano

Crédito: Leo Bernstein/Associated Press

Os cabelos longos e a farta barba ruiva faziam do beque umas das principais atrações dos jogos dos EUA no Mundial. A boa Copa feita por Lalas lhe rendeu uma transferência para o Padova e fez dele o primeiro norte-americano a disputar o Campeonato Italiano. Aposentado desde 2004, o ex-zagueiro foi dirigente de três clubes da MLS (San Jose Earthquakes, New York Red Bulls e Los Angeles Galaxy) antes de se tornar um dos principais comentaristas de futebol dos EUA. Atualmente, se divide entre os microfones da Fox Sports e da carreira de cantor de rock. Seu último álbum, "Look at You", foi lançado neste ano.

CARLOS VALDERRAMA
Ex-meia
57 anos
Colombiano

Crédito: Reprodução

Dono de uma das cabeleiras mais peculiares e invejadas da década de 1990, chegou ao Mundial dos EUA credenciado por uma ótima campanha nas eliminatórias, mas decepcionou e caiu ainda na primeira fase. Mesmo assim, Valderrama ainda é muito lembrado pelos torcedores da Colômbia e de todo o planeta como uma das figuras daquela Copa. Longe do futebol, o antigo meia virou uma figurinha carimbada do mercado publicitário latino-americano. Sua mais recente empreitada foi virar embaixador de uma criptomoeda.


Mais de Cidadãos do Mundo

Maior artilheiro do futebol: quem é o jogador que teria mais gols que Pelé?
Por onde andam 7 ídolos históricos da Inter de Milão?
Janela de transferências chega a R$ 16 bi; veja os 10 reforços mais caros
Por onde anda o quarteto de argentinos que Gareca levou ao Palmeiras?

 

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.

Mais Blog do Rafael Reis