Topo
Blog do Rafael Reis

Blog do Rafael Reis

Com ex-Barça e seleção de estrangeiros, Qatar vira sensação da Copa da Ásia

Rafael Reis

2021-01-20T19:04:00

21/01/2019 04h00

Almoez Ali é atacante, tem 22 anos e nasceu no Sudão, um dos países mais pobres do mundo, onde a renda per capita anual é inferior a US$ 5 mil e a expectativa de vida não chega nem a 65 anos.

Com apenas quatro temporadas como profissional, ele já é o artilheiro da Copa da Ásia-2019, com sete gols, e balançou mais as redes durante a primeira fase da competição que 21 das 24 seleções participantes.

Crédito: Divulgação

Mas o que um jogador do nordeste da África está fazendo no principal torneio de seleções do futebol asiático? A resposta para essa pergunta tem cinco letras e uma quantidade de dinheiro praticamente infinitiva para investir no seu desenvolvimento da modalidade: Qatar.

Ali é o principal nome do projeto de naturalização em massa de atletas estrangeiros idealizado pelo país-sede da próxima Copa do Mundo para não fazer feio em 2022.

Faltando pouco menos de quatro anos para a realização do torneio, esse trabalho já começou a dar resultados.

Os qatarianos, que nunca foram além das quartas de final da Copa da Ásia, encerraram a fase de grupos da competição com a melhor campanha (100% de aproveitamento e vitórias sobre Arábia Saudita, Líbano e Coreia do Norte) e possuem o melhor ataque (10 gols) e a melhor defesa (nenhuma vez vazada) dentre todas as seleções.

A seleção é uma verdadeira legião estrangeira. Dirigida por um espanhol, Felix Sánchez, que trabalhou durante dez anos nas categorias de base do Barcelona e chegou a dirigir Lionel Messi, conta com jogadores nascidos em sete países diferentes.

Seu artilheiro é do Sudão. Um dos zagueiros (Ró-Ró) nasceu em Portugal. Ainda na defesa, há um iraquiano (Bassam Al-Rawi) e um francês (Karim Boudiaf). Completam o elenco um argelino (Boualem Khoukhi), dois egípcios (Ahmed Fatehi e Ahmed Alaaedin) e, evidentemente, os 16 qatarianos "da gema".

O projeto de buscar no exterior o talento esportivo que o país não consegue produzir não é exclusividade no futebol. Em 2015, quando recebeu o Mundial masculino de handebol, a seleção se sagrou vice-campeã com uma equipe formada basicamente por estrangeiros e que contava com algumas das maiores estrelas da modalidade no planeta, todas pinçadas na Europa.

Como o processo de naturalização no futebol é muito mais rígido e impede a "contratação" de astros como Messi e Cristiano Ronaldo, que já jogaram por outras seleções, o Qatar resolveu investir na captação de jovens talentosos espalhados pelo mundo para fortalecer sua equipe nacional.

Desde 2004, o país mantém uma academia chamada Aspire, que faz peneiras ao redor do mundo e leva para treinar no Oriente Médio garotos que são candidatos a futuros jogadores, principalmente de países mais carentes.

Oficialmente, o programa não visa formar atletas que aceitem uma naturalização para defender a seleção do Qatar. Mas, na prática, é isso que acontece. O artilheiro da Copa da Ásia, por exemplo, passou sete anos treinando na academia e chegou à Europa através do Eupen, clube belga que pertence à Aspire e serve para dar uma oportunidade às suas crias no Velho Continente.

Atualmente, Ali já não joga mais lá. O centroavante sensação da Ásia atua no Al-Duhail, atual bicampeão qatariano. Aliás, dos 23 jogadores do time árabe, só um joga no exterior: o meia Khaled Mohammed, do Cultural Leonesa, terceira divisão espanhola, que é outro time-escola da Aspire.

Até mesmo brasileiros já passaram pela "legião estrangeira" que é a seleção número um do torneio continental. O meia Rodrigo Tabata (ex-Santos) e o volante Luiz Júnior (que jogou no Unicilinic-CE) participaram das eliminatórias para o Mundial da Rússia-2018. O recém-aposentado Emerson Sheik também vestiu a camisa branca e grená no fim da década passada.

O Qatar joga nesta terça-feira sua classificação para as quartas de final da Copa da Ásia. Se derrotar o Iraque, em Al-Nahyan (Emirados Árabes Unidos), irá igualar as campanhas de 1980, 1984, 1988, 1992, 2000 e 2011, quando ficou entre os oito melhores.


Mais de Seleções:

– Conheça o estádio da 4ª divisão inglesa que vai receber jogo do Brasil
– Em 2018, Argentina é melhor sem Messi do que com craque
– Como a Holanda deixou de ser fábrica de craques e ficou carente de talento
– No banco: 30% da seleção brasileira é reserva no futebol de clubes

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.

Mais Blog do Rafael Reis