Topo
Blog do Rafael Reis

Blog do Rafael Reis

Em 2018, Argentina é melhor sem Messi do que com craque

Rafael Reis

14/10/2018 04h00

Após vencer Estados Unidos, El Salvador e Arábia Saudita, o Brasil terá na próxima terça-feira seu primeiro adversário de peso depois da Copa do Mundo-2018. Mas um adversário de peso desfalcado do seu principal jogador.

Então, Tite, Neymar e o restante dos jogadores da única equipe pentacampeã mundial nem precisam se preocupar com a Argentina? Não é isso que os números indicam.

Pelo menos neste ano, o aproveitamento da equipe alviceleste é melhor nas partidas em que não pode contar com Lionel Messi do que nos jogos em que escalou o camisa 10 do Barcelona, eleito cinco vezes o melhor do planeta.

Nas cinco apresentações em que o craque desfalcou a Argentina em 2018, a equipe conquistou três vitórias, um empate e somente uma derrota. Se todas as partidas fossem de fases de grupos de competições oficiais, teria conquistado 75% dos pontos disputados.

Já com Messi em campo, esse aproveitamento cairia para 46,7%. Foram duas vitórias, um empate e duas derrotas nos últimos cinco jogos em que o astro esteve à disposição do seu país-natal.

A principal diferença é que a maior parte dos jogos sem o camisa 10 foram amistosos, alguns deles contra seleções de qualidade duvidosa (como Guatemala e Iraque), enquanto as partidas em que utilizou o astro foram majoritariamente aquelas da última Copa, incluindo os confrontos contra França e Croácia, campeã e vice do Mundial, respectivamente.

Sem seu maior astro, a Argentina tem dado mais espaço para Paulo Dybala. O camisa 10 da Juventus participou dos dois últimos amistosos e deve começar jogando novamente contra o Brasil.

Na goleada por 4 a 0 contra o Iraque, na quinta, os gols foram marcados por Lautaro Martínez (Inter de Milão), Roberto Pereyra (Watford), Germán Pezzella (Fiorentina) e Franco Cervi (Benfica).

Maior artilheiro da história da Argentina (65 gols) e terceiro jogador com mais partidas (128), Messi não joga pela seleção desde a eliminação para a França nas oitavas de final da Copa-2018.

O atacante pediu para não ser convocado até o fim do ano. A ideia é ganhar tempo para se recuperar psicologicamente das críticas sofridas durante o Mundial da Rússia e ver se a AFA, a federação local, consegue se organizar –os argentinos ainda estão sendo comandados por um treinador interino, Lionel Scaloni.

Messi já tem 31 anos e disputou quatro Copas do Mundo. No entanto, jamais levantou uma taça pela seleção adulta. Seus únicos títulos pela Argentina foram obtidos nas categorias sub-23 (ouro nos Jogos Olímpicos de 2008) e sub-20 (Mundial de 2005).

ARGENTINA SEM MESSI EM 2018
4 x 0 Iraque
0 x 0 Colômbia
3 x 0 Guatemala
1 x 6 Espanha
2 x 0 Itália

ARGENTINA COM MESSI EM 2018
3 x 4 França
2 x 1 Nigéria
0 x 3 Croácia
1 x 1 Islândia
4 x 0 Haiti


Mais de Seleções:

– Como a Holanda deixou de ser fábrica de craques e ficou carente de talento
– No banco: 30% da seleção brasileira é reserva no futebol de clubes
– 5 motivos para a França acabar com "maldição" dos campeões mundiais
– Argentina promove maior "reformulação" pós-Copa; Brasil fica acima da média

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.

Mais Blog do Rafael Reis