Topo
Blog do Rafael Reis

Blog do Rafael Reis

Como a Holanda deixou de ser fábrica de craques e ficou carente de talento

Rafael Reis

2013-10-20T18:04:00

13/10/2018 04h00

Para derrotar a Alemanha, neste sábado, e conseguir sua primeira vitória na Liga das Nações, a Holanda aposta em jogadores que defendem Bournemouth (Nathan Aké), Brighton (Davy Pröpper), Atalanta (Marten de Roon), Besiktas (Ryan Babel) e até o modesto Club Brugge (Arnaut Danjuma), da Bélgica.

Buscar atletas em equipes que não fazem parte do primeiro escalão do futebol europeu é o caminho que sobrou para uma das seleções mais tradicionais do planeta, vice-campeã mundial em três oportunidades (1974, 1978 e 2010).

Os últimos craques indiscutíveis que a Holanda produziu, o meia Wesley Sneijder e os atacantes Arjen Robben e Robin van Persie, já passaram dos 34 anos, estão na reta final da carreira e deixaram a seleção.

Só que a nova geração não tem mostrado força suficiente para se firmar nos grandes clubes do Velho Continente e muito menos para manter a seleção competitiva –o país não se classificou para a Eurocopa-2016 e nem para a última Copa do Mundo.

Dos 25 convocados pelo técnico Ronald Koeman para a partida contra a Alemanha e o amistoso ante a Bélgica, na próxima semana, só dois são titulares de times que hoje realmente fazem parte da elite internacional: o zagueiro Virgil van Dijk e o meia Georginio Wijnaldum, do Liverpool.

A seleção ainda tem um goleiro do Barcelona (Jasper Cillessen), mas que é reserva na Catalunha, um zagueiro da Inter de Milão (Stefan de Vrij) e um atacante do Sevilla (Quincy Promes).

Todo o restante do elenco é formado por jogadores que atuam em equipes menores de ligas importantes ou times fortes de campeonatos que já não possuem tanto prestígio assim, como o próprio Holandês.

São 11 atletas que jogam no futebol local na última convocação, cinco deles no PSV Eindhoven, atual campeão nacional.

Na Copa-2010, o último grande feito da seleção laranja, nove jogadores atuavam no país e a lista continha representantes de Real Madrid, Liverpool, Arsenal, Bayern de Munique e Manchester City.

A dificuldade holandesa de encontrar nomes de qualidade suficiente para fazer jus à sua história não é exclusividade de sua equipe adulta.

Seu time sub-21 só se classificou para a fase final de uma das cinco últimas edições do Europeu da categoria. No sub-20, o país não joga o Mundial desde 2005, quando sediou a competição (e por isso conseguiu a vaga).

A luz no fim do túnel vem da geração nascida em 2001, que se sagrou campeã continental sub-17 em maio. Mas o principal jogador do time, o meia Wouter Burger, do Feyenoord, só jogou 26 minutos como profissional até hoje.

Em busca de uma espécie de "renascimento", os holandeses fazem parte do Grupo 1 da Liga das Nações e estrearam na nova competição da Europa com uma derrota por 2 a 1 para a França, fora de casa, no mês passado.


Mais de Seleções:

– No banco: 30% da seleção brasileira é reserva no futebol de clubes
– 5 motivos para a França acabar com "maldição" dos campeões mundiais
– Argentina promove maior "reformulação" pós-Copa; Brasil fica acima da média
– Conheça a seleção que não faz gol há 6 anos e perdeu os últimos 14 jogos

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.

Mais Blog do Rafael Reis