Topo
Blog do Rafael Reis

Blog do Rafael Reis

Em 10 anos, Brasil só emplaca três técnicos no 1º escalão da Europa

Rafael Reis

2031-08-20T18:04:00

31/08/2018 04h00

As cinco principais ligas nacionais da Europa (Inglaterra, Espanha, Itália, Alemanha e França) contam nesta temporada com técnicos de 19 nacionalidades diferentes.

Uruguai, Chile, Suíça, Croácia, Sérvia, Estados Unidos e até Armênia têm representantes nos bancos de reservas mais cobiçados do Velho Continente (e, consequentemente, do planeta). Mas o Brasil, não.

E isso está longe de ser uma grande novidade. Ao longo dos últimos dez anos, somente três brasileiros treinaram clubes que fazem parte das competições nacionais do primeiro escalão europeu.

O jejum já dura sete anos. O último técnico do futebol pentacampeão mundial a dar as caras em uma das cinco ligas mais bem ranqueadas pela Uefa foi Leonardo, que dirigiu o Milan na temporada 2009/10 e a Inter de Milão entre dezembro de 2010 e junho de 2011.

Além do ex-jogador da seleção, apenas Luiz Felipe Scolari e Ricardo Gomes dirigiram equipes participantes dessas competições na última década.

Felipão comandou o Chelsea durante 36 partidas, na temporada 2008/09, logo após deixar a seleção portuguesa. Sua passagem pela Inglaterra ficou marcada por dificuldades de relacionamento com alguns dos jogadores mais importantes do clube, como Didier Drogba e Petr Cech.

Já Ricardo Gomes durou um pouco mais à frente do Monaco. O ex-zagueiro, que já havia treinado o Paris Saint-Germain e o Bordeaux, dirigiu a equipe do principado durante dois anos (de 2007 a 2009), em 85 apresentações.

Mesmo em Portugal, país que foi metrópole do Brasil, fala o mesmo idioma que nós e é porta de entrada para os jogadores daqui no futebol europeu, os técnicos da terra de Neymar, Ronaldo e Romário andam em baixa.

Pela segunda temporada consecutiva, nenhum treinador da primeira divisão lusitana é brasileiro. Os últimos a passar por lá foram Paulo César Gusmão e Fabiano Soares, que comandaram Marítimo e Estoril, respectivamente, em 2016.

A baixa atual contrasta com o cenário de algumas décadas atrás. Apesar de nunca ter sido um dos maiores polos exportadores de treinadores para os principais países da Europa, o Brasil costumava aparecer com mais frequência nesses bancos de reserva.

Na década de 1970, Otto Glória passou por Olympique de Marselha e Atlético de Madri, além dos três grandes de Portugal (Benfica, Sporting e Porto). Nos anos 1990, Carlos Alberto Parreira dirigiu o Valencia e Sebastião Lazaroni trabalhou na Fiorentina e no Bari.

Já depois da virada do século, Vanderlei Luxemburgo teve seu momento de honra ao comandar Zinédine Zidane, Luís Figo, David Beckham, Ronaldo Carlos e os outros "galácticos" do Real Madrid.

O "sumiço" dos técnicos brasileiros também vai contra o crescimento dos treinadores sul-americanos no cenário europeu. A Argentina, por exemplo, tem cinco técnicos trabalhando só na primeira divisão da Espanha e conta com dois dos grandes nomes da profissão na atualidade: Diego Simeone (Atlético de Madri) e Mauricio Pochettino (Tottenham).

O chileno Manuel Pellegrini, que já comandou Real Madrid e Manchester City, dirige o West Ham. E o uruguaio Gus Poyet é o treinador do Bordeaux.


Mais de Brasileiros pelo Mundo

7 brasileiros que podem aparecer em seleções gringas em novo ciclo
Em nova temporada pelo PSG, Neymar finaliza, dribla e passa menos
Falta de oportunidades a Vinícius Jr. pressiona técnico do Real Madrid
7 brasileiros sem contrato no exterior para seu clube contratar

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.

Mais Blog do Rafael Reis