PUBLICIDADE
Topo

Janela já movimentou R$ 1,5 bi em janeiro; conheça os reforços mais caros

Rafael Reis

08/01/2020 04h20

Nada de contratações bombásticas, negócios milionários e novelas midiáticas que emplacam inúmeras capas de jornais e sites. A janela de transferências de janeiro da temporada 2019/2020 do futebol internacional está bastante discreta.

Até o momento, o Mercado da Bola de inverno no hemisfério norte e de verão aqui no sul movimentou "apenas" 335 milhões de euros (R$ 1,5 bilhão) em compras e empréstimos de jogadores.

Crédito: Divulgação

O valor fica aquém do registrado em janeiro passado. Nesta mesma época do ano, as transações já haviam batido na casa dos 400 milhões de euros (R$ 1,8 bilhão, na cotação atual) em 2019.

A explicação para os números abaixo do esperado está na falta de sede com que os clubes mais poderosos do planeta estão encarando os primeiros dias desta janela.

O Liverpool, atual campeão europeu, contratou o atacante japonês Takumi Minamino, ex-Red Bull Salzburg, O Borussia Dortmund também foi ao clube austríaco para buscar o centroavante norueguês Erling Braut Haaland, revelação da temporada e vice-artilheiro da Liga dos Campeões.

Já a Juventus tratou de acertar com a Atalanta a contratação do meia-atacante sueco Dejan Kulusevski, que vai continuar emprestado ao Parma até o fim da temporada. E os negócios de impacto não vão muito além disso.

Até agora, nenhuma transferência fechada em janeiro chegou sequer à marca dos 30 milhões de euros (R$ 136 milhões). A mais cara, justamente a de Kulusevski, ficou em 25 milhões de euros (R$ 113 milhões).

Neste mesmo momento de janeiro passado, já haviam dois negócios com valores superiores aos do sueco: a ida do norte-americano Christian Pulisic para o Chelsea (64 milhões de euros, ou R$ 290 milhões) e a venda do brasileiro Lucas Paquetá para o Milan (35 milhões de euros, ou R$ 159 milhões).

No ranking de todas as transações da temporada 2019/2020, que leva em consideração também a janela do meio do ano passado, a transferência de Kulusevski ocupa somente a 51ª colocação.

Como os grandes clubes da Europa estão com a carteira fechada, tem sobrado espaço para times de outros centros do planeta aparecerem com destaque nesta edição do Mercado da Bola.

Dos dez reforços mais caros da atual janela de transferências, três foram contratados por clubes mexicanos. O Tigres tirou do Internacional o atacante uruguaio Nico López, enquanto o Chivas fechou com Uriel Antuna e Victor Guzmán.

O top 10 dos grandes negócios de janeiro também inclui uma negociação de um clube norte-americano, o Sporting Kansas City, que pagou 9,5 milhões de euros (R$ 43 milhões) para ter o centroavante mexicano Alan Pulido, ex-Chivas.

OS 10 REFORÇOS MAIS CAROS DA JANELA DE JANEIRO/2020

1 – Dejan Kulusevski (SUE, Juventus) – 25 milhões de euros
2 – Erling Braut Haaland (NOR, Borussia Dortmund) – 20 milhões
Julian Weigl (ALE, Benfica) – 20 milhões
4 – Exequiel Palacios (ARG, Bayer Leverkusen) – 17 milhões
5 – Santiago Ascacíbar (ARG, Hertha Berlim) – 10 milhões
Strahinja Pavlovic (SER, Monaco) – 10 milhões
Takumi Minamino (JAP, Liverpool) – 10 milhões
8 – Uriel Antuna (MEX, Chivas) – 9,9 milhões
9 – Alan Pulido (MEX, Sporting Kansas City) – 9,5 milhões
10 – Nico López (URU, Tigres) – 9 milhões
Víctor Guzmán (MEX, Chivas) – 9 milhões
TOTAL DA JANELA: 335 milhões de euros

Fonte: Transfermarkt


Mais de Cidadãos do Mundo

Immobile aproveita férias de Lewandowski e alcança topo da Chuteira de Ouro
7 garotos para acompanhar de perto no futebol mundial em 2020
Neymar lidera e CR7 é o 2º; veja os mais caros do mundo em vendas agregadas
7 astros estrangeiros que já podem assinar com um novo time para julho

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.

Rafael Reis