PUBLICIDADE
Topo

Times do Brasil têm abismo com Europa no "padrão City" de posse virar chute

Rafael Reis

02/11/2019 04h00

A chegada de técnicos estrangeiros, como o português Jorge Jesus (Flamengo) e o argentino Jorge Sampaoli (Santos), a ascensão de uma nova geração de treinadores, liderada por Tiago Nunes (Athletico-PR), deixaram o futebol brasileiro um pouco mais parecido ao praticado na Europa.

A preocupação em ter a posse de bola cresceu, a intensidade do jogo subiu e as alternativas táticas evoluíram. Mas, na hora de chutar a gol, o abismo entre a bola jogada por aqui e do outro lado do Oceano Atlântico permanece.

Crédito: Divulgação

A maior prova disso é que o time que mais finaliza no Velho Continente na atual temporada cria 45,6% mais oportunidades no ataque do que a equipe que lidera o ranking similar nesta edição do Campeonato Brasileiro.

De acordo com dados do "WhoScored?", site especializado nas estatísticas do futebol nas principais competições do planeta, o Manchester City é o líder de finalizações no primeiro escalão da Europa (Inglaterra, Itália, Espanha, Alemanha e França).

A equipe dirigida por Pep Guardiola tem média de 21,4 arremates ao gol por partida. Esse número é a soma dos chutes e cabeçadas que viraram gols com aqueles que foram defendidos pelos goleiros, bloqueados pelos adversários ou não acertaram o alvo.

Já no Brasileiro-2019, ninguém finaliza mais que o Atlético-MG. Segundo o "Footstats", empresa que faz levantamento de dados no futebol nacional, o time mineiro arrisca em média 14,7 finalizações a cada 90 minutos.

Apesar de existir diferenças de critérios entre as duas plataformas, é certo que o time mais corajoso do Brasil não apareceria nem no top 10 das equipes que mais buscam o gol na Europa.

Com sua média atual de finalizações, o Atlético-MG ocuparia apenas 18ª colocação no ranking do Velho Continente e ficaria atrás até mesmo de times médios ou pequenos de lá, como Eintracht Frankfurt (16,2), Fiorentina (15,4), Angers (15,4) e Fortuna Düsseldorf (14,9).

O abismo ofensivo existente entre os times mais poderosos da Europa e os da prateleira de cima do Brasil também é nítido na quantidade de bolas que efetivamente balançam as redes adversárias.

Enquanto o City marcou 32 gols em seus dez primeiros compromissos no Inglês (média de 3,2 por partida), o Flamengo, dono do melhor ataque do Brasileiro e líder da competição, soma 60 tentos em 29 apresentações (2,07 por jogo).

O Atlético-MG, aquele que mais chuta a gols na Série A, tem um péssimo aproveitamento nas finalizações e só chegou às redes em 34 oportunidades (1,17 por jogo). Por isso, é só o 13º colocado na primeira divisão nacional.

OS 10 TIMES QUE MAIS FINALIZAM NA EUROPA

1 – Manchester City (ING) – 21,4 chutes por partida
2 – Atalanta (ITA) – 20,6
3 – Napoli (ITA) – 19,7
4 – Juventus (ITA) – 18,9
5 – Bayern de Munique (ALE) – 18,4
6 – Real Madrid (ESP) – 17
7 – Inter de Milão (ITA) – 16,7
8 – Chelsea (ING) – 16,5
9 – Eintracht Frankfurt (ALE) – 16,2
Liverpool (ING) – 16,2

Fonte: WhoScored?

OS 10 TIMES QUE MAIS FINALIZAM NO BRASILEIRO

1 – Atlético-MG – 14,7 chutes por partida
2 – Santos – 14,3
3 – Flamengo – 14,1
4 – Fluminense – 13,8
Palmeiras – 13,8
6 – Grêmio – 13,1
Vasco – 13,1
8 – Internacional – 12,7
9 – São Paulo – 12,6
10 – Ceará – 12,2

Fonte: Footstats

*com colaboração de Paulo Vinícius Coelho


Mais de Clubes

"Gigante adormecido" da França tem melhor defesa da Europa; veja o top 10
Com dois times na Liga dos Campeões, Red Bull é doping no futebol?
Rei das goleadas, City tem o melhor ataque da Europa; veja o top 10
Soberana na Itália, Juve tem melhor aproveitamento da Europa; veja o top 10

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.

Rafael Reis