PUBLICIDADE
Topo

Por que Messi desistiu do Newell's e agora fala em se aposentar no Barça?

Rafael Reis

10/10/2019 04h00

"Hoje, posso dizer que a ideia minha e da nossa família é encerrar a carreira no Barcelona. O primeiro motivo é pela forma como me sinto no Barcelona. Mas há também a questão familiar. Estamos bem nesta cidade e não queremos afastar dos nossos filhos as amizades que eles construíram aqui".

A entrevista concedida ontem (9) por Lionel Messi à emissora catalã de rádio RAC1 caiu como bomba em Rosario, cidade de cerca de 1 milhão de habitantes localizada na região central da Argentina e que tem o astro como filho mais ilustre.

Crédito: Divulgação

Isso porque os torcedores do Newell's Old Boys, clube de coração do camisa 10 e onde ele deu seus últimos chutes antes de se transferir para a Espanha aos 13 anos, tinham certeza que ainda poderiam vibrar com gols do ídolo vestindo a camisa rubro-negra.

A esperança foi alimentada ao longo da carreira pelo próprio Messi. Não foram só uma ou duas vezes que o atacante afirmou explicitamente que pretendia retornar à Argentina antes do fim da carreira para jogar nos "Leprosos".

Mas, aos 32 anos, o craque mudou seus planos para o futuro e até começou a negar aquilo que disse no passado. "Se o Barcelona me quer, a ideia é continuar aqui. Sempre foi assim, e nada mudou", disse à RAC1.

Apesar da negativa de Messi, algo mudou em sua cabeça. Afinal, qual é o motivo de ele ter desistido de uma futura transferência para o Newell's em prol de ter o Barcelona como único time de sua carreira como profissional?

O relacionamento entre o astro e o clube onde começou a ser formado já vinha esfriando há algum tempo. Seu pai e agente, Jorge foi muito próximo da diretoria lá para 2013, 2014, quando uma possível volta à Argentina ainda era questão para um futuro distante e o jogador enfrentava problemas fiscais na Espanha.

Conforme o tempo foi passando, a família Messi foi se afastando do Newell's. A equipe de Rosario até tentou uma reaproximação. Neste ano, contratou o meia-atacante Manu Biancucchi (ex-Vasco, Ceará e Bahia), que é primo do craque, e presenteou o astro com uma camisa personalizada durante sua preparação para a Copa América.

Mas os mimos de nada adiantaram. Hoje, a avaliação de quem conhece o craque é que seu coração é muito mais blaugrana (Barcelona) do que rubro-negro. Além disso, ele sabe que é bem mais querido na Catalunha do que na Argentina. Por isso, continuar onde rei é uma escolha bem mais confortável.

Além disso, o Newell's jamais apresentou um projeto formal de exploração de Messi como jogador e produto. Na prática, isso significa que o clube rosarino nunca deu as garantias necessárias de que conseguiria arcar com o custo do jogador, ainda que por pouco tempo.

"É claro que sua vinda traria vários patrocinadores e um aumento de arrecadação. Mas não há nenhum projeto em andamento", disse o jornalista argentino Claudio Giglioni, que trabalha em emissoras de rádio e TV de Rosario, em entrevista ao blog, no mês passado.

Messi tem contrato com o Barcelona até julho de 2021. Mas uma cláusula no acordo permite que ele saia para mercados menores, como o argentino, ao término de cada temporada. No entanto, como disse na quarta, ele não tem nenhuma intenção de se aproveitar dessa possibilidade e deve renovar com o clube.


Mais de Cidadãos do Mundo

Com gol em todos os jogos, Lewandowski caça líder da Chuteira de Ouro
Na reta final da carreira, Messi vira roupa e show do Cirque du Soleil
Bananas, macacos e música sobre pênis: como racismo se manifesta no futebol
Não ao Flamengo custou 1 milhão de seguidores a Balotelli, conta brasileiro

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.

Rafael Reis