Topo
Blog do Rafael Reis

Blog do Rafael Reis

Como a China planeja virar um "Brasil B" para voltar à Copa do Mundo

Rafael Reis

30/08/2019 04h00

Convocar o atacante Elkeson, ex-Vitória e Botafogo, para o amistoso contra Mianmar, hoje (30), e a partida contra as Maldivas, pela primeira rodada da fase de grupos das eliminatórias asiáticas para a Copa do Mundo, foi só o pontapé inicial de um audacioso projeto da China.

Para voltar a disputar um Mundial depois de 20 anos e ir ao Qatar em 2022, o país mais populoso do planeta planeja transformar sua seleção em uma espécie de "time B" do Brasil.

Crédito: Getty Images

Além de Elkeson, que defende o Guangzhou Evergrande e foi rebatizado como Ai Kesen, outros quatro jogadores brasileiros estão com processos de naturalização em andamento e devem aparecer em futuras convocações chinesas.

Curiosamente, todos são atacantes: Alan, ex-Fluminense, do Tianjin Tianhai; Aloísio, ex-São Paulo, do Guangdog Tigers, Fernadinho, ex-Flamengo, do Hebei Fortune, e Ricardo Goulart, ex-Cruzeiro e Palmeiras, um dos astros do Guangzhou Evergrande.

O quarteto está proibido de falar sobre o tema com a imprensa. De acordo com um fonte ligada ao futebol asiático, todos serão recompensados financeiramente pela decisão de abdicarem da cidadania brasileira para defender a China. O valor, no entanto, varia de atleta para atleta.

Para poder se naturalizar chinês, mesmo sem raízes familiares, e atuar pela seleção do gigante oriental, o jogador precisa viver no país durante cinco anos consecutivos e não ter ficado mais que um semestre em outra nação.

Elkeson joga na China desde 2013, foi três vezes campeão nacional e ganhou dois prêmios de artilheiro da primeira divisão. Fernandinho e Aloísio chegaram ao país no começo do ano seguinte e também já completaram o período necessário para poderem se naturalizar.

Alan desembarcou na Ásia em 2015 e só poderá obter a nova cidadania a partir de janeiro. Esse também é o caso de Ricardo Goulart, que ficou no Palmeiras durante cinco meses neste ano, período insuficiente para que sua "conta" de permanência na China fosse zerada.

A opção de naturalizar o maior número de jogadores estrangeiros possíveis para assim aumentar o nível técnico dos convocáveis é um pedido particular do técnico Marcello Lippi, campeão mundial com a Itália em 2006.

O treinador dirige a China há três anos e já conseguiu levar para a seleção o volante Nico Yennaris, do Beijing Guoan, que é descendente de chineses, mas nasceu na Inglaterra e chegou a disputar quarto partidas pelo time principal do Arsenal.

Até hoje, a China só disputou uma edição da Copa do Mundo. Em 2002, caiu no mesmo grupo de Brasil, Turquia e Costa Rica, perdeu todos os jogos que fez e se despediu da competição sem marcar nenhuma vez, tendo sofrido nove gols.

O plano do presidente Xi Jinping, entusiasta da modalidade, é ainda mais ambicioso. Ele não só quer que o país volte a disputar um Mundial como acredita que é possível virar uma potência global e conquistar o título mais desejado do planeta até 2050.

A meta inicial é colocar 50 milhões de chineses para jogar bola até o ano que vem e distribuir pelo menos 50 mil escolinhas e 70 mil campos de futebol pelo país para criar uma nova geração de jogadores capazes de alavancar a seleção local rumo a voos mais altos.

O projeto, desenvolvido em parceria com a Nike, conta inclusive com a participação de treinadores brasileiros, que são pagos para melhorar o nível dos jogadores e também dos técnicos locais.


Mais de Brasileiros pelo Mundo

Como Campeonato Inglês pode mexer com o posto de camisa 9 da seleção
Por onde andam 7 brasileiros que jogaram no Barcelona?
Maior da história, janela chega a R$ 29 bi; veja os brasileiros mais caros
Neymar e mais 5 jogadores brasileiros com futuro indefinido na Europa

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.

Mais Blog do Rafael Reis