Topo
Blog do Rafael Reis

Blog do Rafael Reis

Por onde andam 7 ídolos históricos do PSG?

Rafael Reis

15/08/2019 04h20

Eles já penduraram as chuteiras e abandonaram o futebol profissional. Mesmo assim, continuam sendo amados e idolatrados pelos torcedores dos clubes onde marcaram gols, fizeram defesas milagrosas, conquistaram títulos importantes e escreveram seus nomes na história.

Desde o começo de abril, o "Blog do Rafael Reis" publica semanalmente a seção "Por Onde Andam os ídolos?". Desde então, mostramos a cada quinta-feira os paradeiros dos maiores nomes de todos os tempos dos times mais importantes do futebol europeu.

Hoje, para encerrar a série, apresentamos o destino de sete ídolos históricos do Paris Saint-Germain. Na próxima semana, outra seção passará a ocupar esse espaço.

RAÍ
Ex-meia
54 anos
Brasileiro

Crédito: Getty Images

Em uma época em que o PSG estava longe de ser uma potência continental e só brilhava esporadicamente no futebol nacional, o brasileiro ajudou o time a conquistar um título francês e disputar duas finais consecutivas da Recopa Europeia –foi campeão em 1996 e vice em 1997. Raí usou a braçadeira de capitão da equipe durante duas temporadas e até hoje figura no top 10 dos maiores artilheiros do clube. Atualmente, o antigo camisa 10 ocupa o cargo de diretor-executivo do São Paulo e também dirige uma entidade filantrópica, a Fundação Gol de Letra.

PAULETA
Ex-atacante
46 anos
Português

Crédito: Reprodução

Antes de o PSG se tornar milionário e ter dinheiro suficiente para contratar goleadores do porte de Ibrahimovic e Cavani, era o português quem detinha o posto de maior artilheiro da história do clube. Durante cinco temporadas jogando em Paris, Pauleta marcou 109 vezes e conquistou três títulos: duas Copas da França (2004 e 2006) e uma Copa da Liga (2008). Após a aposentadoria, continuou trabalhando por dois anos para o PSG como olheiro. Desde 2012, gerencia as seleções de base de Portugal.

BERNARD LAMA
Ex-goleiro
56 anos
Francês

Crédito: Reprodução

Dono da meta do PSG durante a maior parte da década de 1990, chegou a recusar uma proposta do Barcelona para continuar na capital francesa e entrou em campo 318 vezes para defender a equipe. Reserva de Barthez na seleção que conquistou a Copa do Mundo de 1998, tentou ingressar na carreira de treinador, mas teve um único emprego (a seleção do Quênia). Atualmente, é figurinha carimbada nas tribunas do Parc-des-Princes e em programas esportivos da TV francesa.

THIAGO MOTTA
Ex-volante
36 anos
Italiano

Crédito: Reprodução

Apesar de não ter sido um jogador tão caro assim, tornou-se um dos símbolos da transformação do PSG em um clube dominante na França e relevante no cenário internacional. O volante nascido no Brasil e naturalizado italiano atuou em Paris nos últimos seis anos de sua carreira e faturou nada menos que cinco títulos franceses. Aposentado em 2018, foi o treinador da equipe sub-19 do PSG na temporada passada. Sem grandes resultados, acabou demitido.

JEAN-MARC PILORGET
Ex-zagueiro
61 anos
Francês

Crédito: Divulgação

Em toda a história do Paris Saint-Germain, ninguém foi a campo mais vezes que esse zagueiro, que se dedicou durante 14 anos ao clube e nunca sequer foi convocado pela seleção francesa. Pilorget começou a carreira como profissional no PSG, permaneceu vinculado a ele entre 1975 e 1989 e fez parte do time que conquistou a Ligue 1 pela primeira vez, em 1986. Aposentado desde o início dos anos 1990, tem uma carreira de treinador de times pequenos da França. As equipes mais conhecidas onde trabalhou são o Cannes e o Paris FC.

SAFET SUSIC
Ex-meia
64 anos
Bósnio

Crédito: Reprodução

Foi o grande nome do PSG durante a década de 1980. Extremamente talentoso, criativo e habilidoso, defendeu o clube 344 vezes entre 1982 e 1991 e ainda hoje lidera o ranking histórico de assistências da equipe, com 95 passes para gol. Depois de aposentado, Susic dirigiu vários clubes na Turquia e comandou a seleção da Bósnia na Copa do Mundo de 2014. Seu trabalho mais recente foi no Akhisarspor, no ano passado.

MUSTAPHA DAHLEB
Ex-atacante
67 anos
Argelino

Crédito: Reprodução

Integrante da seleção argelina que disputou a Copa do Mundo de 1982, foi o maior astro dos primeiros anos de existência do PSG. Dahleb chegou ao clube em 1974, só quatro anos depois de sua fundação, e por lá permaneceu durante dez temporadas. Ainda hoje, é o sexto jogador que mais vestiu a camisa azul (310 partidas), o quinto artilheiro (98 gols) e o segundo em assistências (80 passes). Em fevereiro, foi homenageado e virou cidadão honorário de Saint-Germain-em-Laye, cidade onde ficava a sede de um dos clubes de cuja fusão nasceu o PSG.


Mais de Cidadãos do Mundo

Os 10 reforços mais caros desta temporada no Campeonato Espanhol
Dez anos depois, decepção do Corinthians encara "seca" e Série B argentina
Casa de Al Capone e ofensas: agente de Balotelli também é rei das polêmicas
Os 10 meio-campistas mais caros da história do futebol

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.

Mais Blog do Rafael Reis