Topo
Blog do Rafael Reis

Blog do Rafael Reis

Para braço direito de Mourinho, deixar Neymar escapar foi grande decepção

Rafael Reis

29/07/2019 04h00

Ao longo de 20 anos de carreira nos bancos de reserva, o português José Morais já trabalhou com inúmeras estrelas do futebol mundial. Cristiano Ronaldo, Luka Modric, Marcelo, Wesley Sneijder, Samuel Eto'o, Eden Hazard e Frank Lampard são alguns desses grandes nomes que passaram por suas mãos.

Mas há um astro que o tradicional braço direito de José Mourinho não conseguiu comandar. E essa espécie de frustração o acompanha até hoje.

Crédito: Divulgação

"Foi uma pena não termos conseguido contratar o Neymar. Ele teria sido um jogador importante para o Real Madrid. Tivemos essa possibilidade, mas ela acabou não se concretizando", afirmou, em entrevista por telefone.

O episódio ao qual Morais se refere aconteceu em 2013. Na época em que decidiu deixar o Santos para desembarcar na Europa, o craque brasileiro tinha duas propostas em mãos. Apesar do interesse do Real, o brasileiro acabou optando pelo Barcelona.

Na época, o português era o principal auxiliar de Mourinho no comando do clube da capital espanhola. Eles também trabalharam juntos no Porto, na Inter de Milão e no Chelsea.

A parceria rendeu dois títulos de Liga dos Campeões da Europa e uma amizade que persiste até hoje. "Ele sempre me liga para saber como estou, nos falamos bastante. É como se fosse um irmão para mim".

Atualmente, Morais está em voo solo. Desde janeiro, ele comanda o Jeonbuk Hyundai, atual bicampeão sul-coreano e que lidera esta temporada. Isso significa que a irmandade com Mourinho está rompida? De jeito nenhum.

"Acredito que nossa parceria apenas esteja de férias. Ele foi importante na minha carreira e faz parte da minha família. O melhor da vida é estarmos do lado de quem a gente gosta. No dia que ele precisar, eu volto para casa."

Morais é um fiel escudeiro do treinador português, desempregado desde que deixou o comando do Manchester United, em dezembro do ano passado, e faz questão de defendê-lo das críticas mais costumeiras.

Quando questionado se o velho companheiro é arrogante e de difícil trato, logo responde: "O Mourinho é acima de tudo um grande comunicador. Mas é um ser humano como todos os outros, tem emoções. Ele é uma pessoa muito direta, espontânea, autêntica, que não faz de conta. Ele diz o que sente no momento. Aí, depende da sua relação com ele se vai entendê-lo ou não."

O auxiliar e hoje técnico também faz questão de explicar a fama de retranqueiro que acompanha a carreira do amigo e mentor.

"Há momentos certos para o futebol bonito. O Chelsea arrasador do Mourinho era um time que jogava um futebol bonito. Isso tem a ver com jogadores, tempo de trabalho e cultura do clube. O mais importante do Mourinho é que ele é autêntico, não copia nada."

"Assim como o Guardiola, ele saiu da escola do Barcelona [onde trabalhou como intérprete e auxiliar]. Então, sabe tudo que é preciso para praticar o mesmo estilo de jogo de Pep. Porém, tem uma visão um pouco diferente do futebol porque prefere um jogo com mais objetividade", completou o português.


Mais de Cidadãos do Mundo

Os 10 goleiros mais caros da história do futebol
Por onde andam 7 ídolos históricos do Napoli?
Cocaína, prisão e fiasco no Brasil marcam astro de adversário do Palmeiras
Por onde andam 7 ídolos históricos da Roma?

 

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.

Mais Blog do Rafael Reis