PUBLICIDADE
Topo

Por onde andam 7 ex-jogadores do Napoli que "sumiram"?

Rafael Reis

28/02/2019 04h20

Como está a carreira daquele jogador que já teve seus momentos de glória em um dos grandes clubes do futebol europeu, mas que hoje anda um tanto quanto sumido, vestindo uma camisa menos tradicional e atuando por um campeonato que gera menos repercussão midiática?

É para responder a essa pergunta que o "Blog do Rafael Reis" publica desde o fim de novembro a seção "Por Onde Anda? – Times Internacionais". Durante as próximas semanas, revelaremos os paradeiros de vários jogadores que estão nessa situação.

Nesta quinta-feira, mostramos os destinos de sete ex-jogadores do Napoli. Na semana que vem, será a vez de desvendarmos os paradeiros de atletas que passaram pelo Bayern de Munique.

MAREK HAMSIK
Meia
31 anos
Eslovaco
Dalian Yifang (CHN)

Crédito: Reprodução

Maior artilheiro da história do clube, com 121 gols, e possivelmente o grande ídolo da torcida napolitana na era pós-Maradona, o eslovaco recusou ao longo da carreira várias propostas feitas por grandes clubes europeus, como Juventus e Real Madrid. Mas, aos 31 anos e cada vez menos importante no elenco do técnico Carlo Ancelotti, Hamsik decidiu no começo deste ano que havia chegado a hora de mudar de ares. Depois de quase 12 temporadas vestindo a camisa azul celeste, aceitou convite para jogar na China e é uma das principais novidades da nova temporada da liga mais rica da Ásia.

EZEQUIEL LAVEZZI
Meia-atacante
33 anos
Argentino
Hebei Fortune (CHN)

Crédito: Francesco Pecoraro/AP

Ao lado de Hamsik e Edinson Cavani, compôs o trio que ganhou o apelido de "três tenores" e regeu o renascimento do Napoli entre o final da década da passada e o começo da atual. Em 2012, foi embora rumo ao Paris Saint-Germain. Quatro anos depois, mudou de clube novamente e decidiu se aventurar no futebol chinês. Apesar de ter um dos maiores salários do futebol mundial (20 milhões de euros anuais, ou R$ 86 milhões), Lavezzi nunca brilhou no Hebei Fortune e chegou até a ser afastado do elenco principal. Na temporada passada, fez 12 gols em 27 partidas e falhou na missão de classificar o time para a Liga dos Campeões da Ásia.

RAFAEL CABRAL
Goleiro
28 anos
Brasileiro
Sampdoria (ITA)

Crédito: Francesco Pecoraro/Getty Images

Apontado como futuro titular da seleção nos tempos em que ajudou Neymar e Ganso a levar o Santos à conquista da Libertadores-2011, parecia estar fazendo um grande negócio quando deixou o futebol brasileiro para jogar no Napoli, em 2013. Cinco anos depois, deixou o clube pela porta dos fundos, totalmente esquecido no banco de reservas. Na Sampdoria, Rafael acabou com o jejum de um ano e oito meses sem disputar uma partida oficial ao ser escalado na Copa Itália. Mas, na primeira divisão do Calcio, o brasileiro já está prestes a completar duas temporadas inteiras sem ir a campo.

BRUNO UVINI
Zagueiro
27 anos
Brasileiro
Al Nasr (ARA)

Crédito: Reprodução

Assim como Rafael Cabral, parecia ser uma grande revelação do futebol brasileiro quando foi contratado pelo Napoli, em 2012. Só que o zagueiro formado no São Paulo e que fez sucesso pela liderança mostrada nas categorias de base jogou apenas duas partidas pelo time principal do clube italiano e foi emprestado a Siena, Santos e Twente para ganhar experiência. Em 2016, a fase das cessões acabou, e Bruno Uvini foi negociado com o futebol do Oriente Médio. No Al-Nasr, da Arábia Saudita, o defensor é titular absoluto e já completou mais de uma centena de apresentações oficiais.

EDUARDO VARGAS
Atacante
29 anos
Chileno
Tigres (MEX)

Crédito: Salvatores Laporta/AP

Frequentemente apontado como objeto de desejo de algum time brasileiro, o atacante costuma fazer mais sucesso na seleção chilena do que nos clubes por onde passa. Sua trajetória no Napoli não foi muito diferente. Vargas permaneceu vinculado à equipe italiana durante três temporadas, mas só disputou 28 partidas, marcou três vezes e acumulou empréstimos (Grêmio, Valencia e Queens Park Rangers). Atualmente, está em seu terceiro ano no futebol mexicano, onde encontrou um pouco mais de consistência. Pelo Tigres, já ganhou um título nacional e três competições em formato de Recopa.

PEPE REINA
Goleiro
36 anos
Espanhol
Milan (ITA)

Crédito: Getty Images

Reserva de Iker Casillas nas conquistas da Copa do Mundo de 2010 e das Eurocopas de 2008 e 2012, o o goleiro espanhol ainda continua vestindo uma das camisas pesadas do futebol mundial. O problema é que quase ninguém vê, já que Reina praticamente não joga no Milan. Reserva de Gianluigi Donnarumma, costuma ser escalado apenas nos jogos da Copa Itália e da Liga Europa. No Campeonato Italiano, o camisa 25 ainda não atuou desde que decidiu deixar o Napoli, onde foi ídolo e titular absoluto ao longo de três anos, para se reunir ao elenco rossonero, no começo desta temporada.

WALTER GARGANO
Volante
34 anos
Uruguaio
Peñarol (URU)

Crédito: Francesco Pecoraro/Getty Images

"Cão de guarda" da defesa da seleção uruguaia durante mais de 60 partidas, o volante disputou 235 jogos pelo Napoli e ajudou o clube a recuperar um papel de destaque no cenário italiano. Gargano deixou a Itália em 2015, após passar também por Inter de Milão e Parma, para jogar no México. Dois anos depois, decidiu voltar para o Uruguai e assinou com o Peñarol, clube pelo qual se sagrou campeão nacional em 2018. Na atual temporada, é uma das atrações da Libertadores e será adversário do Flamengo na fase de grupos da competição.


Mais de Cidadãos do Mundo

Reforços à vista: 7 caras novas da temporada 2019 do Campeonato Chinês
CR7 vacila e perde contato com Messi e Mbappé na briga por Chuteira de Ouro
7 negócios já fechados para a próxima janela de transferências
Por onde andam os primos de Messi que jogaram no Brasil?

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.

Rafael Reis