Topo
Blog do Rafael Reis

Blog do Rafael Reis

Sofrimento sem Neymar mostra como elenco do bilionário PSG é limitado

Rafael Reis

12/02/2019 04h00

Pode até parecer piada em se tratando de um clube que investiu 730 milhões de euros (R$ 3,2 bilhões) em reforços nos últimos quatro anos, mas o principal motivo pelo qual o Paris Saint-Germain sente a falta de Neymar nem é a qualidade técnica do astro brasileiro, mas sim a escassez de peças do seu elenco.

O técnico Thomas Tuchel dispõe de apenas 16 jogadores já consolidados no time principal para o confronto de ida contra o Manchester United, nesta terça-feira, na Inglaterra, pelas oitavas de final da Liga dos Campeões de Europa.

Crédito: Charles Platiau/Reuters

E mais da metade deles (nove) são originalmente atletas que compõem o sistema defensivo: goleiros, zagueiros ou laterais.

É claro que as contusões (além de Neymar, também estão fora o belga Thomas Meunier e o uruguaio Edinson Cavani) e o problema de relacionamento do meia Adrien Rabiot com a diretoria intensificam esse cenário.

Mas um clube com um nível de investimento desse tamanho e o sonho declarado de conquistar pela primeira vez o título da Champions deveria estar pronto para lidar com esses percalços.

Só que não. O elenco do PSG está longe de ser um primor de planejamento. Para falar um português bem claro: vem sendo mal montado ao longo das últimas temporadas. É por isso que Neymar é tão essencial e sua ausência, tão sentida por companheiros e torcedores.

Atacante de lado de campo ao longo da maior parte da carreira, o brasileiro transformou-se um meia criador de jogadas nesta temporada justamente para suprir uma carência do time francês.

Sem Neymar, o PSG não conta com nenhum jogador capaz de realizar esse papel: Di María é um meia de velocidade e que atua pelas faixas laterais, Marco Verratti até tem um bom toque de bola, mas joga à frente da defesa, e Julian Draxler, aquele quem em tese melhor poderia executar essa função, vem sendo utilizado mais como volante do que na faixa de criação.

Isso porque o bilionário clube de capital qatariano também não conta com um "camisa 5" confiável, o que obriga Tuchel a realizar testes e mais testes na função: Marquinhos, Daniel Alves e Kimpembé também já foram improvisados como volantes.

Quando Neymar sofreu uma nova lesão no quinto metatarso do pé direito, no fim do mês passado, o pouco de estrutura que o PSG tinha foi para o buraco.

Resultado: os sustos e tropeços começaram a dar as caras, como a perda da invencibilidade no Campeonato Francês (2 a 1 para o Lyon) e o sufoco para vencer na prorrogação o Villefrance-Beaujolais, da terceira divisão, pela Copa da França.

Isso não significa, é claro, que o PSG não possa surpreender um embalado Manchester United e continuar vivo na disputa pela Champions. Mas, caso o placar positivo não aconteça, a culpa será muito mais da diretoria que do estado físico de Neymar.

Afinal, é preciso uma falta de talento enorme para não conseguir transformar 730 milhões de euros em um elenco redondo.


Mais de Opinião

– Vinícius Júnior afasta "Neguebinha", e Tite precisa convocá-lo já
– Tite precisa aprender a utilizar Firmino, o melhor camisa 10 do Brasil
– Após fracassar na Europa, Ganso pode dar certo no futebol brasileiro?
– Acerto, Liga das Nações ignora ressaca pós-Copa e "pega de primeira"

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.

Mais Blog do Rafael Reis