Blog do Rafael Reis

Como Neymar e astros da seleção protagonizaram vexame histórico na base

Rafael Reis

Qual a expectativa de um time que tem Alisson no gol, Casemiro no comando do meio-campo, Philippe Coutinho na criação das jogadas e Neymar no ataque? Ser campeão, é claro, ou pelo menos brigar arduamente pelo título…

Pois foi com quatro prováveis titulares da seleção que Tite levará à Rússia no próximo ano que o Brasil realizou uma das piores campanhas de sua história em Copas do Mundo da Fifa.

Acompanhados de Wellington Nem (São Paulo), Wellington Silva (Fluminense) e Dodô (Sampdoria), os quatro selecionáveis naufragaram no Mundial sub-17 de 2009, disputado na Nigéria.

Apesar de vários nomes que se consolidariam mais tarde no primeiro escalão do futebol mundial, o Brasil não passou da primeira fase da competição.

Pior: só não se despediu do torneio sem conseguir sequer uma mísera vitória porque Nem marcou o gol que definiu o 3 a 2 sobre o Japão, na primeira rodada, aos 49 min do segundo tempo.

Após o triunfo sobre os nipônicos, a equipe comandada por Lucho Nizzo, atualmente à frente do América-RJ, só colheu resultados negativos, que lhe custaram a queda precoce no Mundial: derrotas por 1 a 0 para o México e para a Suíça, que acabaria se sagrando campeã sub-17.

A campanha foi uma das piores já feitas pelo Brasil em competições da Fifa em todos os tempos. Apenas outras quatro vezes na história, a seleção foi eliminada na primeira fase de uma Copa do Mundo: 1930, 1934 e 1966 (adulto) e 1987 (sub-17).

Dos quatro jogadores que hoje defendem a seleção principal, apenas Casemiro não era titular absoluto da equipe de 2009. O volante, então no São Paulo, começou jogando apenas a partida contra a Suíça.

Indicado ao prêmio de melhor jogador do mundo deste ano, Neymar já era a estrela da companhia na seleção juvenil. O atacante, que estava em seu primeiro ano como profissional do Santos e carregava o rótulo de futuro craque, fez um dos três gols brasileiros na competição.

Curiosamente, enquanto os jogadores que protagonizaram o fiasco brasileiro deram a volta por cima e hoje são referências internacionais, os maiores destaques daquele Mundial sub-17 não conseguiram deslanchar como profissionais.

O nigeriano Sani Emmanuel, eleito o craque da competição, está desempregado desde que deixou o Oskarshamns, da terceira divisão da Suécia, dois anos atrás. Já o suíço Nassim Ben Khalifa, autor do gol da vitória sobre o Brasil e Bola de Prata do torneio, acaba de ser contratado pelo St. Gallen, time de meio de tabela do seu país.

Por fim, o espanhol Borja González, artilheiro do Mundial, até chegou a disputar a Premier League pelo Swansea City, mas hoje está emprestado ao Málaga.


Mais de Brasileiros pelo Mundo

– 7 brasileiros que podem ser adversários da seleção de Tite na Copa-2018
– Miranda vê Brasil entre favoritos, mas quer encarar europeus para evoluir
– Tem até ex-seleção: 5 brasileiros que jogaram no exterior e estão sem clube
– O que falta para Fabinho ganhar uma chance na seleção?