PUBLICIDADE
Topo

Marquinhos se consolida como volante no PSG e vira problema para seleção

Rafael Reis

08/10/2019 04h00

Na cabeça de Tite, Marquinhos é titular inquestionável do miolo de zaga da seleção brasileira e o único integrante do atual quarteto defensivo da equipe nacional que dificilmente não estará na próxima Copa do Mundo, em 2022, no Qatar.

Mas o ex-comandante do Corinthians não contava que o treinador do Paris Saint-Germain, Thomas Tuchel, fosse colocar em risco esse seu planejamento para o futuro.

Crédito: Divulgação

Com dificuldades para armar o meio-campo da equipe francesa e com opções de sobra para sua retaguarda, o treinador alemão tem usado cada vez mais Marquinhos fora de sua posição de origem, escalando-o como volante.

A experiência de colocar o brasileiro mais adiantado em campo, jogando à frente dos zagueiros, já vinha sendo testada desde a temporada passada. Mas, neste início de 2019/2020, alcançou uma nova proporção.

Dos dez jogos que disputou pelo PSG nesta temporada, Marquinhos atuou como volante em sete, incluindo aí as duas partidas mais importantes (contra Real Madrid e Galatasaray, pela fase de grupos da Liga dos Campeões).

Ele só jogou como zagueiro em dois jogos válidos pelo Campeonato Francês (contra Toulouse e Metz) e durante 24 minutos do encontro com o Reims, também pela Ligue 1.

O problema dessa mudança de posição de Marquinhos no PSG para Tite é que a seleção já conta com um volante que é titular absoluto (Casemiro) e está sofrendo com uma grande dificuldade de renovação justamente no miolo de zaga.

Aos 25 anos, Marquinhos é o único dos quatro zagueiros do Brasil na Copa do Mundo de 2018 que ainda não virou "trintão". Thiago Silva e Miranda já completaram o 34º aniversário e Geromel está com 33.

Além do camisa 5 do PSG, o país pentacampeão mundial de futebol não tem no momento nenhum outro beque jovem consolidado como titular de um clube do primeiro escalão da Europa – Éder Militão, 21, é reserva no Real Madrid.

A dificuldade de encontrar novos nomes para zaga tem feito Tite buscar opções em times menores do Velho Continente e dentro do futebol nacional. Na convocação de setembro, ele chamou Samir, que joga na Udinese. Na lista deste mês, consta o nome de Rodrigo Caio, do Flamengo.

Por tudo isso, é pouco provável que Marquinhos seja sequer testado como volante com a camisa amarelinha. Se continuar jogando "improvisado" no PSG, ele deve traçar um caminho oposto ao do argentino Javier Mascherano, que era zagueiro no Barcelona e atuava na linha de meio-campistas na seleção.

O Brasil inicia nesta quinta-feira (10) uma rodada dupla de amistosos contra times africanos. O primeiro adversário é o Senegal, do astro Sadio Mané, atacante do Liverpool. No domingo, é a vez da Nigéria. As duas partidas serão disputadas em Singapura.


Mais de Brasileiros pelo Mundo

Para reconquistar PSG, Neymar esquece companheiros e aciona "modo fominha"
Por onde andam 7 brasileiros que jogaram no Manchester United?
Gabigol repete no Brasileirão 2019 marca rara de Messi e CR7 no auge
Ídolo no River, brasileiro defendeu a Argentina e foi demitido por nazista

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.

Rafael Reis