Topo
Blog do Rafael Reis

Blog do Rafael Reis

15 times da Champions venceriam o Brasileiro; outros 9 brigariam pela taça

Rafael Reis

13/09/2019 04h20

A polêmica da semana no futebol nacional foi a declaração dada pelo ex-meia Carlos Alberto, atualmente comentarista dos canais Fox Sports, que afirmou que Barcelona e Real Madrid não conseguiriam sequer ficar entre os seis primeiros colocados no Campeonato Brasileiro.

A opinião provocou uma enxurrada de críticas e ofensas nas redes sociais. O ex-jogador de Fluminense, Corinthians, Botafogo e tantos outros clubes conseguiu algo raro nesses tempos marcados por polarização: virou unanimidade. Afinal, ninguém concordou com ele.

Crédito: Susana Vera/Reuters

Qualquer pessoa com o mínimo de noção do abismo técnico e tático existente entre o futebol jogado por aqui e o praticado na Europa percebe que essa afirmação não faz nenhum sentido. Mais do que opinião sincera, a declaração de Carlos Alberto parece uma tentativa de polemizar para aparecer. É a ideia do "falem bem ou falem mal, mas falem de mim".

Barcelona e Real Madrid não só ficariam entre os seis primeiros colocados do Brasileirão como conquistariam com facilidade o título nacional. E, possivelmente, com campanhas históricas.

E isso não se resume apenas aos dois gigantes do futebol espanhol. Praticamente todos os times da prateleira de cima do Velho Continente fariam o mesmo se tivessem que medir forças semanalmente com Flamengo, Palmeiras, Santos e companhia.

Dos 32 times que iniciam nesta terça-feira a disputa da fase de grupos da Liga dos Campeões da Europa, o torneio interclubes de maior mais badalado e de maior nível técnico do planeta, pelo menos 15 têm elencos e trabalhos que certamente fariam deles campeões brasileiros.

Outros nove entrariam na competição com o objetivo de brigar no bloco de cima da classificação e, se tudo desse certo, poderiam até levantar o troféu. Apenas oito dos participantes da Champions fariam apenas figuração no Brasileiro – papel que eles também devem desempenhar no torneio continental.

É claro que isso não passa de um exercício de simulação, que leva em conta os jogadores e treinadores que cada clube possui atualmente e também o nível de jogo que eles costumam apresentar em suas partidas dos campeonatos que disputam.

No "mundo real", se fossem brasileiros, todos esses times teriam histórias diferentes. Com menos dinheiro, contariam com elencos menos qualificados tecnicamente. Também seriam provavelmente treinadores por técnicos locais, que, na média, estão bem abaixo dos comandantes do primeiro escalão europeu.

A diferença de nível entre os clubes brasileiros e as maiores forças do Velho Continente não significa que os times daqui não possam eventualmente ganhar um confronto ou outro desses poderosos. O histórico do Mundial de Clubes é uma mostra disso, ainda que essas vitórias estejam cada vez mais raras.

Mas, em uma competição de pontos corridos, resultados assim seriam aquelas zebras que acontecem bem de vez em quando.

Na soma das 38 rodadas, Barcelona e Real Madrid seriam sim campeões brasileiros, assim como Manchester City, Liverpool, Juventus, Atlético de Madri, Bayern de Munique, Borussia Dortmund, Paris Saint-Germain…

SERIAM CAMPEÕES BRASILEIROS
Ajax (HOL)
Atlético de Madri (ESP)
Barcelona (ESP)
Bayern de Munique (ALE)
Benfica (POR)
Borussia Dortmund (ALE)
Chelsea (ING)
Inter de Milão (ITA)
Juventus (ITA)
Liverpool (ING)
Manchester City (ING)
Napoli (ITA)
Paris Saint-Germain (FRA)
Real Madrid (ESP)
Tottenham (ING)

PODERIAM SER CAMPEÕES BRASILEIROS
Atalanta (ITA)
Bayer Leverkusen (ALE)
Galatasaray (TUR)
Lille (FRA)
Lyon (FRA)
RB Leipzig (ALE)
Shakhtar Donetsk (UCR)
Valencia (ESP)
Zenit (RUS)

NÃO SERIAM CAMPEÕES BRASILEIROS
Brugge (BEL)
Dínamo Zagreb (CRO)
Estrela Vermelha (SER)
Genk (BEL)
Lokomotiv Moscou (RUS)
Olympiacos (GRE)
Red Bull Salzburg (AUT)
Slavia Praga (TCH)


Mais Opinião

– Agora, Neymar depende mais da seleção do que a seleção depende dele
– Libertadores copia Champions e descobre que dinheiro traz felicidade
– Por mais que odeie admitir, PSG ainda depende demais de Neymar
– Everton brilha no Grêmio, mas é ignorado pela elite europeia. Por quê?

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.

Mais Blog do Rafael Reis