Topo
Blog do Rafael Reis

Blog do Rafael Reis

Artilheiro no Japão, ex-Ponte tem mais gols que Villa e rejeita seleção

Rafael Reis

25/08/2019 04h00

Diego Oliveira é o artilheiro do Campeonato Japonês. Ao longo de 24 rodadas, já marcou 12 vezes. Com isso, está deixando para trás atacantes bem mais conhecidos que ele, como os brasileiros Jô e Leandro Damião, além do espanhol David Villa, ex-Barcelona e campeão da Copa do Mundo-2010.

Mas não pense que o atacante do FC Tokyo, que no Brasil atuou em clubes como Ponte Preta, Bahia e Paraná, está muito preocupado com a briga por esse troféu. Aliás, é difícil um assunto que tire o sono do jogador de 29 anos.

Crédito: Divulgação

"Meu foco nunca foi ser artilheiro do campeonato. Futebol é um esporte coletivo. Ser campeão é muito mais gratificante do que terminar como artilheiro. Claro que quero esse prêmio, mas estou trabalhando forte é para ajudar minha equipe", afirma.

Foi com esse estilo despreocupado e de quem só quer paz que Diego Oliveira se transformou na principal arma da equipe japonesa para conquistar pela primeira vez na história o título da J-League.

O FC Tokyo lidera a competição desde o final de abril e, apesar de não ter vencido nos últimos dois jogos, ainda mantém uma vantagem de quatro pontos para o Kashima Antlers, um dos clubes mais poderosos do país, que ocupa a segunda colocação.

O sucesso fez de Diego Oliveira um dos rostos mais conhecidos do futebol nipônico. Mas, é claro que ele também não está nem aí para "esse negócio de ser celebridade".

"Qualquer um fica feliz com o reconhecimento do seu trabalho. Mas sou um cara que não costuma se deixar levar por esse lado, não. Prefiro mesmo é ter os pés no chãos. Melhor deixar essa coisa de lado."

Outro tema que não seduz o brasileiro é a possibilidade de assumir a cidadania japonesa e defender a seleção nipônica na Copa do Mundo-2022.

Como atua por lá desde janeiro de 2016 (defendeu o Kashiwa Reysol antes de jogar no FC Tokyo), o atacante está a pouco mais de um ano de completar o período de 60 meses necessários de residência no país para requerer a naturalização.

Mas Diego promete que isso não vai acontecer. "Particularmente, não tenho nenhum interesse em me naturalizar. O Japão está passando por um processo de renovação. Então, melhor deixar para a molecada."

Talvez esse seja um indício de que o atacante pretende retornar ao Brasil para, enfim, defender um clube grande daqui? Que nada. Essa só mais uma demonstração do jeito leve que o camisa 9 do FC Tokyo vê a vida.

Propostas do seu país-natal não faltam. Recentemente, ele recusou uma oferta do Vasco. Se o convite viesse de Palmeiras, São Paulo, Flamengo, Corinthians, Inter, Grêmio, a resposta possivelmente seria a mesma.

"Não sei se eu voltaria algum dia a jogar no Brasil. Hoje, se aparecesse qualquer oportunidade, eu nem pensaria na possibilidade. Estou estabilizado aqui. Tenho uma condição muito boa de vida no Japão. Aqui, o jogador é respeitado. Estou estabilizado. Não vai ser fácil me convencer a trocar isso por uma aventura."

O artilheiro do Campeonato Japonês é mesmo um homem que só quer paz.


Mais de Brasileiros pelo Mundo

Como ex-auxiliar de Tite transformou o Lyon em sensação da Europa
7 brasileiros conhecidos espalhados por torneios de 2ª divisão no exterior
Com mais gols que Mbappé, Gabigol é o maior artilheiro sub-23 do planeta
Após período de seca, Brasil exporta técnico e cartolas para a Europa

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.

Mais Blog do Rafael Reis