Topo
Blog do Rafael Reis

Blog do Rafael Reis

A história do jogador fascista que virou ídolo na Itália e na Inglaterra

Rafael Reis

19/08/2019 04h00

"Se nós estivéssemos nas mãos do judeus, seria o fim". "Sou fascinado por Mussolini. Acho que ele foi uma pessoa incompreendida. Enganou as pessoas e teve atitudes muito duras. Mas tudo isso foi motivado por um propósito maior". "Sou fascista, mas não racista".

As frases acima deixam bem claro que Paolo di Canio nunca escondeu de ninguém as suas posições políticas.

Crédito: Paolo Cocco/AFP

Defensor da extrema-direita e apaixonado pelo ex-ditador italiano Benito Mussolini, o atacante italiano acumulou confusões ao longo de 23 anos de trajetória como profissional, mas fez sucesso dentro dos gramados e se tornou ídolo em dois dos países mais poderosos do futebol mundial.

Na Itália, defendeu as camisas de Ternana, Juventus, Napoli e Milan. Mas se destacou mesmo pela Lazio, seu time de coração, onde disputou mais de 100 partidas oficiais ao longo de suas passagens.

Já na Inglaterra, passou por Sheffield Wedsneday, Charlton e alcançou o auge de sua carreira no West Ham. Durante cinco temporadas, marcou 51 vezes em 141 apresentações pela equipe de Londres.

Porém, bem mais que os gols e os títulos (um Campeonato Italiano, uma Copa da Uefa – nome antigo da Liga Europa – e uma Copa Intertoto), o que realmente fez de Di Canio um personagem singular do futebol das décadas de 1990 e 2000 foi suas posições políticas e os gestos decorrentes dela.

O atacante foi punido algumas vezes por comemorar gols fazendo o "Saluto Romano", gesto tradicional adotado pelos fascistas em sinal de respeito a Mussolini, que comandou a Itália entre 1922 e 1945 e foi aliado do nazismo de Adolf Hitler na Segunda Guerra Mundial.

O ex-atacante também tatuou em seu corpo a palavra "DVX", forma em latim da palavra "Duce", título pelo qual o ditador italiano era conhecido em seus dias de liderança no país e que até hoje é sinônimo do governo autoritário.

Além disso, Di Canio frequentou funerais de antigos líderes fascistas, ganhou elogios públicos de descendentes de Mussolini e levou uma suspensão de 11 partidas por se irritar com um cartão vermelho e agredir um árbitro por isso.

Por incrível que pareça, o ex-jogador também recebeu um prêmio Fair Play, concedido pela Fifa. Em 2000, quando defendia o West Ham, ele foi homenageado pela entidade por ter se recusado a aproveitar a lesão do goleiro do Everton para anotar um gol – em vez disso, pegou a bola com as mãos e parou a jogada.

Aposentado desde 2008, ingressou na carreira de treinador. No novo trabalho, continua chamando atenção pelo que faz fora do esporte.

Em 2011, o Swindon Town, clube inglês em que teve sua primeira oportunidade como técnico, perdeu o patrocínio de um sindicato assim que anunciou a contratação de Di Canio. Algo parecido aconteceu em 2013. Assim que o Sunderland decidiu ter o italiano como treinador, o seu então vice-presidente, político do Partido Trabalhista Inglês, abandonou o cargo em sinal de protesto.


Mais de Cidadãos do Mundo

Os 10 atacantes mais caros da história do futebol
Os 10 reforços mais caros desta temporada no Campeonato Alemão
Os 10 reforços mais caros desta temporada no Campeonato Espanhol
Dez anos depois, decepção do Corinthians encara "seca" e Série B argentina

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.

Mais Blog do Rafael Reis