Topo
Blog do Rafael Reis

Blog do Rafael Reis

Por que os clubes ingleses estão tão discretos na janela de transferências?

Rafael Reis

2019-06-20T19:04:00

19/06/2019 04h00

Na temporada passada, os clubes da primeira divisão da Inglaterra foram responsáveis por mais de 25% de todo o investimento feito no mundo inteiro na contratação de novos jogadores. Só os seis maiores times do país torraram juntos mais de 440 milhões de euros (R$ 1,9 bilhão) em reforços.

Mas isso não é surpresa para ninguém. Donos da liga nacional mais rica do planeta, os ingleses dominam há alguns anos o mercado da bola global e não costumam economizar na hora de caçar atletas para seus elencos.

Crédito: Carl Recine/Reuters

Só que não é o que tem acontecido na atual janela de transferências. Apesar de estar com o período de inscrição de jogadores aberto há mais de um mês, desde o dia 16 de maio, a Inglaterra anda discreta demais neste ano.

Até o momento, o investimento dos ingleses em reforços para a próxima temporada não chegou nem à casa dos 200 milhões de euros (R$ 874 milhões). Espanha, Alemanha e Itália já ultrapassaram essa marca há semanas.

Dos 10 clubes que mais gastaram nesta janela, só um vem da terra da rainha Elizabeth. E ele não é nenhuma das potências do país, mas sim o Wolverhampton, que estava na segunda divisão até o primeiro semestre do ano passado.

Liverpool e Tottenham, os dois finalistas da última edição da Liga dos Campeões, ainda não investiram sequer um centavo em reforços para 2018/19. Chelsea e Arsenal também estão com os cofres fechados.

Dos integrantes do "Big 6", só os clubes de Manchester já contrataram para a próxima temporada. Mas, mesmo no caso deles, as caras novas são muito mais para compor elenco do que propriamente para reforça-los.

O City pagou 8 milhões de euros (R$ 35 milhões) pelo goleiro norte-americano Zack Steffen, do Columbus Crew, que deve ser o novo reserva de Ederson. Já o United desembolsou 17 milhões de euros (R$ 74,3 milhões) por David James, promessa galesa de 21 anos que defendia o Swansea City.

Os investimentos contidos dos ingleses nesta janela de transferência não estão ligados a uma possível crise econômica no campeonato nacional mais rico do planeta. Na verdade, eles atestam a maturidade desses clubes no Mercado da Bola.

Liverpool, City e Tottenham sabem que possuem elencos prontos e que precisam de apenas algumas poucas peças para deixá-los ainda mais fortes. O Arsenal também necessita somente de reforços pontuais depois de rejuvenescer seu time nos últimos anos.

O Chelsea ainda espera a escolher do seu novo técnico para definir como irá gastar os 100 milhões de euros (R$ 437 milhões) recebidos pela venda do seu principal jogador, Eden Hazard. Já o Manchester United, depois de anos e mais anos de investimentos mal feitos, decidiu ser mais seletivo (e, consequentemente, lento) na hora de contratar.

A janela de transferências da Premier League termina antes das dos outros principais campeonatos nacionais da Europa. Na Inglaterra, os clubes poderão fechar novos negócios até o dia 8 de agosto.


Mais de Clubes

– Janela já movimentou R$ 6,9 bilhões; conheça os 10 clubes mais gastões
– Real revive "galácticos" e pode quebrar recorde com R$ 1,8 bi em reforços
– Fenômeno holandês e outro brasileiro: quem o Liverpool deseja para 2019/20?
– Ex-companheiro de Neymar e brasileiro: quem o Tottenham quer contratar?

 

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.

Mais Blog do Rafael Reis