PUBLICIDADE
Topo

Com melhor passe do futebol espanhol, Arthur confirma fama de "novo Xavi"

Rafael Reis

13/03/2019 04h00

Quando a bola chega a Arthur, o torcedor do Barcelona fica despreocupado. Afinal, ele já aprendeu que dificilmente o brasileiro será desarmado ou entregará a posse para o adversário.

Em seu ano de estreia na Europa, o ex-jogador do Grêmio tem honrado o apelido de "novo Xavi"que ganhou logo nos seus primeiros jogos na Catalunha. Na primeira divisão espanhola, não há ninguém que passe melhor que o camisa 8 do Barça.

Crédito: Oscar del Pozo/AFP

De acordo com o "WhoScored?", site especializado nas estatísticas do futebol, o meia tem 94% de acerto de passes nesta temporada. O índice é o mais alto do campeonato nacional que tem Lionel Messi, Luis Suárez e Luka Modric como estrelas. Quem mais se aproxima dessa marca é o alemão Toni Kroos, do Real Madrid, com 93,4% de eficiência.

Arthur também é o meio-campista de maior precisão nos toques para os seus companheiros dentre todos aqueles que disputam uma das cinco ligas nacionais mais importantes da Europa (Inglaterra, Itália, Alemanha e França, além da Espanha).

Presnel Kimpembe (PSG), Adama Soumaoro (Lille) e John Stones (Manchester City), os únicos três jogadores que superam seu índice de passes corretos no primeiro escalão do Velho Continente, jogam no miolo de zaga. Devido a esse posicionamento, são menos pressionados pelos marcadores adversários e acabam executando toques com grau de dificuldade reduzido.

O "rei do passe"no futebol espanhol foi contratado pelo Barcelona no início desta temporada, após se destacar com a camisa do Grêmio na conquista da Libertadores-2017 e ter suas primeiras convocações para a seleção brasileira.

Ao contrário de Philippe Coutinho e Malcom, Arthur teve uma adaptação praticamente instantânea ao Camp Nou. No começo de outubro, ele estava efetivado como titular do time. No mesmo mês, já viu Xavi, um dos maiores ídolos da história do clube, afirmar que ele possui o "DNA do Barça".

Assim como o antigo capitão culé, hoje no Al Sadd, do Qatar, o brasileiro tem nos passes curtos e laterais sua principal característica. Seu estilo de jogo faz com que ele dite o ritmo dos ataques da equipe catalã, ainda que lhe falte as finalizações e mesmo os passes em profundidade que costumam produzir gols.

A temporada de estreia de Arthur no Barcelona só não é melhor devido a sua condição física. Arthur jogou 90 minutos em apenas cinco das 30 partidas que disputou nesta temporada. Na maioria das suas apresentações, precisou ser substituído no segundo tempo devido ao desgaste.

No mês passado, o meia virou alvo da imprensa catalã por ter deixado a Espanha para curtir a festa de aniversário de Neymar, seu companheiro na seleção. Dias depois, Arthur sofreu uma lesão muscular na coxa esquerda e passou a ser criticado pelo comportamento.

"Acho que errei indo a Paris na festa de Neymar. A vida tem isso, pois às vezes você acerta e às vezes erra. Estava animado para ir e sou suficientemente adulto para assumir minhas responsabilidades", disse o brasileiro, na terça-feira, véspera da partida de volta contra o Lyon, pelas oitavas de final da Liga dos Campeões.

Após empatar sem gols há três semanas, no primeiro jogo do mata-mata, o Barça recebe nesta quarta o clube francês para decidir quem continua na briga pelo título europeu. O time dirigido por Ernesto Valverde precisa vencer para conseguir a classificação, já que empate com bolas nas redes dá a vaga aos visitantes.


Mais de Brasileiros pelo Mundo

Libertadores-19 tem ex-astro do SP e craque da Copinha em times gringos
Em semana de clássicos, imprensa de Madri dá protagonismo a Vinícius Jr.
Copa do Qatar-2022 paga salário de Neymar no PSG: verdade ou lenda?
Machucado, Neymar é o brasileiro que mais criou gols na Europa; veja top 10

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.

Rafael Reis