Blog do Rafael Reis

Por onde andam 7 ex-jogadores do Atlético de Madri que “sumiram”?

Rafael Reis

Como está a carreira daquele jogador que já teve seus momentos de glória em um dos grandes clubes do futebol europeu, mas que hoje anda um tanto quanto sumido, vestindo uma camisa menos tradicional e atuando por um campeonato que gera menos repercussão midiática?

É para responder a essa pergunta que o “Blog do Rafael Reis” publica desde o fim de novembro a seção “Por Onde Anda? – Times Internacionais”. Durante as próximas semanas, revelaremos os paradeiros de vários jogadores que estão nessa situação.

Nesta quinta-feira, mostramos os destinos de sete ex-jogadores do Atlético de Madri. Na semana que vem, será a vez de desvendarmos os paradeiros de atletas que passaram pelo Manchester City.

FERNANDO TORRES
Atacante
34 anos
Espanhol
Sagan Tosu (JAP)

Crédito: Juan Medina/Reuters

Quinto maior artilheiro da história do Atleti, com 130 gols, foi a grande revelação das categorias de base do clube neste século. Lá no começo dos anos 2000, El Niño ajudou o time a retornar para a primeira divisão espanhola. Já em sua segunda passagem, foi vice-campeão europeu de 2016 e faturou o título da Liga Europa deste ano. Logo após a conquista, mudou-se para o Japão. No modesto Sagan Tosu, Torres usa a braçadeira de capitão e soma só quatro gols em 19 partidas.

GABI
Volante
35 anos
Espanhol
Al Sadd (QAT)

Crédito: Divulgação

Capitão colchonero durante a maior parte da era Simeone, passou quase toda a carreira vestindo a camisa vermelha e branca. Em julho, após dez temporadas atuando no time principal atleticano (divididas em duas passagens), decidiu ir embora para o futebol asiático. Enquanto Torres escolheu o Japão como morada, Gabi foi para o país-sede da próxima Copa do Mundo. No Qatar, é companheiro de meio-campo de Xavi, lenda do futebol espanhol e do Barcelona.

YANNICK CARRASCO
Meia-atacante
25 anos
Belga
Dalian Yifang (CHN)

Crédito: Cesar Manso/AFP

Integrante da geração belga que foi semifinalista da última Copa do Mundo, o meia-atacante e também ala esquerdo fez bastante sucesso com a camisa atleticana durante duas temporadas e meia e até chegou a ser cogitado como reforço de clubes de alto escalão da Inglaterra. Ainda na primeira metade da carreira como profissional, Carrasco surpreendeu em fevereiro ao anunciar a decisão de se transferir para a China. Em sua temporada de estreia no Oriente, o belga conheceu uma nova (e incômoda) situação: acabou lutando para manter o Dalian Yifang na primeira divisão.

ALESSIO CERCI
Meia-atacante
31 anos
Italiano
Ankaragücü (TUR)

Crédito: Divulgação

O italiano vivia grande momento no Torino quando foi contratado por 15 milhões de euros (R$ 65 milhões), quatro anos atrás. Mas o Atleti acabou sendo um divisor na carreira de Cerci. O jogador disputou apenas 11 partidas pelo clube, e nunca mais conseguiu retomar o caminho do bom futebol. Nesta temporada, assinou um contrato de risco, válido por apenas um ano, com o Ankaragücü, atual campeão da segunda divisão turca.

JACKSON MARTÍNEZ
Atacante
32 anos
Colombiano
Portimonense (POR)

Crédito: Divulgação

Contratado a peso de ouro (42 milhões de euros, R$ 182 milhões), foi uma tentativa atleticana de repetir o sucesso de outro centroavante colombiano, Radamel Falcao García. Só que ao contrário do compatriota, Martínez pouco fez pelo clube e permaneceu em Madri por apenas sete meses até ser negociado com o futebol chinês. Já veterano, ele agora tenta recuperar um pouco do seu prestígio no modesto Portimonense, de Portugal, onde atua ao lado dos brasileiros Jubal (ex-Santos) e Leonardo (ex-São Paulo).

CRISTIAN RODRÍGUEZ
Meia
33 anos
Uruguaio
Peñarol (URU)

Crédito: Divulgação

Cebolla, como é conhecido, tem mais de 100 jogos pela seleção uruguaia e disputou as duas últimas Copas do Mundo. Pelo Atlético, foi campeão da Copa do Rei em 2013 e espanhol no ano seguinte. De volta ao Uruguai desde o ano passado, continua sendo competitivo. Nesta temporada, foi dele o gol que deu ao Peñarol o título nacional.

EMRE BELÖZOGLU
Meia
38 anos
Turco
Istambul Basaksehir (TUR)

Crédito: Murad Sezer/Reuters

Companheiro de Ronaldo Fenômeno na Inter de Milão no começo do século, o meia teve uma passagem de apenas um semestre pelo Atlético entre 2012 e 2013 e não deixou saudades na Espanha. Mas, aos 38 anos, Emre ainda é um nome importante do futebol turco, tanto que é o capitão e líder dentro de campo do Basaksehir, líder do campeonato nacional e maior ameaça à supremacia de Fenerbahce, Galatasaray e Besiktas.


Mais de Cidadãos do Mundo

5 artilheiros do futebol sul-americano para seu clube contratar em 2019
Por onde andam 7 ex-jogadores do Real Madrid que ''sumiram''?
7 ''loucuras'' para seu clube fazer no Mercado da Bola em 2019
Com CR7 no topo, conheça os 10 jogadores de maior sucesso no Instagram