Blog do Rafael Reis

Hazard pode até não merecer Bola de Ouro, mas hoje é o melhor do mundo

Rafael Reis

Luka Modric ganhou o prêmio de melhor do mundo concedido pela Fifa. Kylian Mbappé e Antoine Griezmann têm feito um lobby danado em busca da Bola de Ouro, o troféu entregue pela revista “France Football”.

Mas, apesar do ano excepcional feito pelos três jogadores, que culminou em campanhas históricas na Copa do Mundo, nenhum deles é o grande atleta de futebol do planeta neste momento.

Nos primeiros três meses da temporada 2018/19, quem realmente tem comigo a bola e merece o posto de “número 1” é Eden Hazard.

O craque belga é o artilheiro do Campeonato Inglês, a liga nacional mais endinheirada e estrelada do mundo, com sete gols, e o principal responsável por o Chelsea estar a apenas dois pontos dos líderes da competição, Manchester City e Liverpool.

Em apenas dois dos dez jogos que disputou pela equipe londrina nesta temporada, o camisa 10 não balançou as redes ou deu o último passe para que seus companheiros movimentassem o placar. Em todas as outras oito partidas, ele deixou sua marca.

De acordo com o “Who Scored?”, site que avalia o desempenho dos futebolistas com base nas estatísticas, Hazard é o quarto melhor jogador da temporada, com nota 8,04. Mas vale lembrar que trio que está à frente dele, Lionel Messi (8,41), Mbappé (8,32) e Neymar (8,29), participa de competições nacionais de nível técnico inferior e enfrenta rotineiramente adversários bem mais fracos.

Aos 27 anos, Hazard tem pela primeira vez desde que deixou o Lille, em 2012, para ingressar no Chelsea e entrar na elite do futebol mundial a oportunidade de jogar em um time que tem como prioridade o ataque.

No esquema armado por Maurizio Sarri, um treinador adepto do futebol de valorização da posse de bola e marcação bem adiantada, o belga é o homem responsável por quebrar as linhas de defesa adversária com dribles e triangulações em velocidade.

E o astro tem cumprido essa função com primor. Apesar de já ter sido eleito o craque da Premier League na temporada 2014/15, nunca foi tão protagonista quanto é agora.

O melhor momento da carreira de Hazard vem logo depois de uma ótima apresentação na Copa-2018. O atacante jogou demais na Rússia e levou a Bélgica à melhor colocação de sua história (terceiro lugar).

Não seria exagero nenhum se o astro houvesse sido eleito o melhor jogador do Mundial. Na minha modesta opinião, ele teve mais momentos de brilho na competição que Modric, Mbappé e Griezmann.

A fase muito acima da média do camisa 10 não significa que o belga deveria ganhar os prêmios de craque de 2018. Afinal, seu primeiro semestre foi péssimo e não pode ser desconsiderado em uma eleição como essa.

Mas, nos últimos meses, o cara do futebol mundial é mesmo Eden Hazard, o homem que recolocou o Chelsea nos trilhos e transformou a “ótima geração belga” em realidade.


Mais de Opinião

– Falta de chances a Allan já é um dos maiores erros de Tite na seleção
– Vitória de Modric pode ''acalmar'' cobiça de Neymar em virar melhor do mundo
– Como nova geração pode ajudar Tite a acabar com dependência de Neymar
– Fim de linha? Messi ainda pode voltar a ser o melhor jogador do mundo