Blog do Rafael Reis

4 motivos para Salah ser eleito o melhor jogador do mundo

Rafael Reis

Cristiano Ronaldo, Luka Modric ou Mohamed Salah: qual desses três será o eleito o melhor jogador do mundo na temporada 2017/18?

A resposta para esta pergunta será dada na próxima segunda-feira (24), quando a Fifa anuncia os vencedores do “The Best”, seu prêmio anual concedido aos destaques em diferentes categorias do mundo da bola.

Desde sábado, apresentamos os pontos fortes de cada finalista, os motivos pelos quais cada um deles merece ser eleito o jogador número um do planeta.

Após Cristiano Ronaldo, hoje é a vez de Salah. O atacante de 26 anos nunca havia sequer passado perto de ser cotado para um prêmio de craque do ano. No entanto, explodiu na temporada passada com a camisa do Liverpool.

Agora, sonha repetir o feito obtido pelo liberiano George Weah em 1995 para se tornar apenas o segundo jogador africano eleito o melhor do planeta.

REGULARIDADE

Enquanto seus adversários diretos pelo prêmio da Fifa se destacaram principalmente em competições com fase final em mata-mata (Liga dos Campeões e Copa do Mundo), o egípcio brilhou mesmo foi em um torneio que exige um nível muito maior de regularidade, o Campeonato Inglês. Na liga nacional mais importante do planeta, Salah foi o artilheiro (32 gols) e também levou três prêmios de craque da temporada.

O CARA DE LIVERPOOL

Salah foi o grande nome da reconstrução do Liverpool como um time importante do cenário europeu na última temporada. Foi graças ao atacante egípcio que os Reds voltaram a ser uma das equipes mais admiradas da Inglaterra e que retornaram à decisão da Liga dos Campeões após uma década. Na final contra o Real Madrid, Salah pouco pode fazer para evitar a derrota vermelha, já que precisou ser substituído após apenas 30 minutos em campo.

HOMEM DE DECISÃO

Dos três finalistas ao prêmio de melhor do mundo, Salah foi o que mais criou gols no período analisado pela Fifa (temporada 2017/18). Entre bolas empurradas por ele próprio para as redes adversárias e passes para companheiros marcarem, o egípcio produziu 66 situações que mudaram o placar de sua equipe, uma a mais que Cristiano Ronaldo. Já a soma de gols e assistências de Modric ficou em 14.

SALAHMANIA

O egípcio foi o “nome novo” do futebol europeu na última temporada. Após passagens discretas por Chelsea e Roma, explodiu no Liverpool e caiu no gosto popular por ser um cara muito ligado a obras sociais e com um carisma acima da média. Como a eleição da Fifa também é um concurso de popularidade (votos de torcedores comuns são contabilizados), a “Salahmania” acaba jogando a favor do atacante.


Mais de Cidadãos do Mundo

Capitão aos 21, Modric aprendeu português para xingar parceiros brasileiros
Salah é o símbolo do Islã para o mundo, diz 1º técnico de astro egípcio
Como CR7 superou famas de ''cai-cai'' e mimado para virar quase unanimidade
Ex-Liverpool apronta no Big Brother inglês e coloca casamento em risco