Topo
Blog do Rafael Reis

Blog do Rafael Reis

Salah é o símbolo do Islã para o mundo, diz 1º técnico de astro egípcio

Rafael Reis

20/09/2018 04h00

Adversário de Cristiano Ronaldo (Juventus) e Luka Modric (Real Madrid) na final do prêmio de melhor jogador do mundo, o atacante egípcio Mohamed Salah, do Liverpool, virou o maior símbolo do Islã no planeta.

É essa a avaliação de Hamdy Nouh, primeiro técnico do artilheiro do último Campeonato Inglês e que costuma ser chamado de "pai" por ele.

"Salah é o muçulmano que mais chama a atenção no mundo hoje em dia. Ele é uma inspiração para todos nós e nos mostra o quão formidável é o Islã. Sempre que marca um gol, faz questão de agradecer a Deus", disse o treinador, por telefone, em maio.

Nouh conheceu Salah quando o atacante tinha 11 anos e o treinou na equipe sub-15 do El Mokawloon, clube que chegou a defender como profissional e onde partiu em 2012 rumo ao início de sua trajetória europeia (Basel, Chelsea, Fiorentina, Roma e, desde o ano passado, Liverpool).

De acordo com o técnico, o atacante demonstrava, já na adolescência, uma qualidade técnica muito acima da média para um egípcio e uma fé inabalável na religião islâmica, característica que mantém até hoje.

A filha única de Salah se chama Makka, uma adaptação de Mecca, a cidade sagrada do Islã, para onde os praticantes da religião precisam viajar ao menos uma vez na vida.

Também não é raro ver o atacante ajoelhar-se em campo e levar a testa até o gramado após balançar as redes. O gesto é uma das características das orações realizadas diariamente pelos muçulmanos.

Até mesmo o Ramadã, período do ano em que os islâmicos precisam jejuar durante o dia e se alimentam exclusivamente à noite, Salah faz questão de seguir.

Mesmo com a final da Liga dos Campeões (e partida mais importante de sua carreira) coincidindo com o mês sagrado muçulmano, o jogador fez questão de manter a dieta na preparação para a decisão e só voltou a se alimentar normalmente dois dias antes do confronto com o Real Madrid, em maio.

Ao contrário de símbolos anteriores do Islã no Ocidente, como Saddam Hussein e Osama bin Laden, normalmente identificados com questões bélicas pela população deste lado do mundo, Salah transmite uma ideia de paz e caridade.

É ele quem sustenta a escola, o hospital e o ginásio de esportes de Nagrig, a cidade onde nasceu. Entre suas doações ao vilarejo estão também uma ambulância, duas incubadoras para bebês prematuros e unidades de tratamento para artrite e problemas de coluna.

O atacante também ajuda o principal hospital especializado em câncer infantil do Egito e faz doações mensais para uma associação que presta auxílio a ex-jogadores de futebol do país.

O astro já se meteu até na política econômica da sua terra natal. Em janeiro, ele doou cerca de R$ 1 milhão a um fundo de investimentos local para ajuda a combater a desvalorização da moeda egípcia.

Salah, CR7 e Modric disputam na próxima segunda-feira o título de melhor jogador do planeta na temporada 2017/18. O único veterano do prêmio é o português, que já venceu a eleição cinco vezes e busca se isolar como o maior campeão do troféu instituído pela Fifa.


Mais de Cidadãos do Mundo

Como CR7 superou famas de "cai-cai" e mimado para virar quase unanimidade
Ex-Liverpool apronta no Big Brother inglês e coloca casamento em risco
7 personalidades do futebol que já falaram mal de Neymar
Salah pediu veto a autógrafos para jogar pelo Egito: verdade ou lenda?

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.

Mais Blog do Rafael Reis