Topo
Blog do Rafael Reis

Blog do Rafael Reis

Meia da Polônia viu pai matar sua mãe a facadas e venceu trauma de infância

Rafael Reis

2024-06-20T18:04:00

24/06/2018 04h00

"Essa lembrança vai me acompanhar pelo resto da vida. Daria tudo o que tenho em troca da minha mãe estar viva. Aquilo deu um giro de 180 graus na minha vida. Foi como se uma rocha tivesse caído na minha cabeça e uma semana depois eu acordasse, tivesse que recomeçar e reagir como se nada tivesse acontecido."

Foi assim que o meio-campista Jakub Blaszcykowski, o mais experiente dos jogadores da seleção polonesa na Copa do Mundo, contou em sua autobiografia "Kuba" o episódio mais dramático de sua infância: o dia em que viu seu pai assassinar a facadas sua mãe.

O atual camisa 16 da Polônia, que enfrenta neste domingo a Colômbia em busca da primeira vitória na Rússia-2018, tinha apenas 11 anos quando essa tragédia aconteceu.

Ele e seu irmão Dawid estavam em casa e assistiram de perto a mais uma das inúmeras brigas conjugais entre seu pai, que era alcóolatra, e sua mãe. Mas aquela foi diferente: Zygmunt Blaszcykowski matou a facadas a esposa, que morreu nos braços de Kuba, apelido pelo qual o jogador é conhecido.

O pai do hoje astro polonês foi condenado a 15 anos de prisão e deixou a cadeia em 2011. No ano seguinte, morreu em decorrência a problemas de saúde ligados ao consumo excessivo de álcool.

Mesmo sem jamais ter voltado a falar com seu progenitor, Kuba fez questão de acompanhar o enterro. "Só é possível seguir em frente quando aceitamos a situação. Passei anos com o coração cheio de ódio. Aconteceu, foi algo que fez parte de mim".

A volta por cima do garoto que viu a mãe ser assassinada pelo pai se deu por duas paixões: a religião e o futebol.

A primeira foi herdada de sua avó, que criou os irmãos e lhe passou o costume de frequentar as missas. Hoje, Kuba é uma espécie de embaixador da Igreja Católica na Polônia.

Já a obsessão pela bola veio do seu tio Jerzy Brzeczek, meio-campista da seleção polonesa na década de 1990. Foi o sucesso do familiar nos gramados que incentivou o garoto a levar a sério o esporte.

E Kuba foi ainda mais longe que Brzeczek. O meia conquistou dois títulos alemães e foi finalista da Liga dos Campeões da Europa pelo Borussia Dortmund, defendeu a tradicional Fiorentina e hoje atua no Wolfsburg.

Aos 32 anos, já disputou 100 partidas com a camisa da Polônia e está a apenas dois jogos de se tornar o atleta que mais vezes defendeu a seleção –o recorde pertence ao ex-zagueiro Michal Zewlakow.

O menino que viu a mãe morrer nos seus braços quando criança é hoje um homem que parece ter superado os seus traumas.

Kuba foi longe e agora quer fazer a Polônia também chegar longe no Mundial da Rússia.


Mais de Cidadãos do Mundo

Esperança alemã, Reus perdeu 45% dos jogos nos últimos 4 anos por lesão
Guerra e refugiados transformam Suíça x Sérvia em "panela de pressão"
Destaque da Croácia já disputou Circuito Mundial de vôlei de praia
Como capitão da seleção virou símbolo de luta feminista no Irã

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.

Mais Blog do Rafael Reis