Topo
Blog do Rafael Reis

Blog do Rafael Reis

Em busca do tetra, Europa tem melhor início de Copa em 20 anos

Rafael Reis

2021-06-20T18:04:20

21/06/2018 04h20

Continente vencedor das três últimas edições da Copa do Mundo, a Europa tem dado mostras de que não pretende que essa hegemonia chegue ao fim na Rússia-2018.

Desde que a competição mais importante de futebol do planeta passou a ser disputada por 32 seleções, há 20 anos, na França, o futebol europeu nunca teve uma largada tão boa quanto neste ano.

Nas primeiras 20 partidas do Mundial da Rússia, os europeus conquistaram nada menos do que 72,5% dos pontos que disputaram. Foram 11 vitórias, quatro empates e somente duas derrotas.

O desempenho é muito superior ao de 2014, quando o Velho Continente teve aproveitamento de 52,1% com a mesma quantidade de jogos.

Antes da atual edição, o melhor retrospecto europeu em Copas com 32 seleções havia sido alcançado em 2006, justamente na última vez que o torneio foi jogado no continente. Na ocasião, a anfitriã Alemanha e seus vizinhos somaram 63,1% dos pontos disputados nas primeiras 20 partidas.

Na Rússia-2018, a maior parte das seleções europeias de primeiro escalão vem comprovando seu favoritismo. Portugal, Espanha, França, Croácia, Bélgica e Inglaterra venceram seus jogos contra oponentes mais fracos.

Além disso, houve surpresas positivas para o continente: os empates conquistados por Islândia e Suíça contra Argentina e Brasil, respectivamente, e o bom desempenho da Rússia, que obteve vitórias convincentes ante Arábia Saudita e Egito.

A única decepção grande foi a da Alemanha, derrotada por 1 a 0 pelo México na estreia. Além dos atuais campeões mundiais, somente a Polônia perdeu até o momento –levou 2 a 0 do Senegal.

Se a primeira fase terminasse agora, pelo menos nove das 14 seleções da Uefa estariam classificadas para as oitavas de final.

Desde a última ampliação no número de seleções participantes, a Europa venceu quatro das cinco Copas do Mundo disputadas. Em 1998, deu França. Em 2006, Itália. Em 2010, foi a vez da Espanha. E, quatro anos atrás, a Alemanha faturou seu tetra. O único intruso no período foi o Brasil, campeão em 2002.

Além da hegemonia recente, os europeus defendem na Rússia uma outra escrita. Dos dez Mundiais jogados no continente, só um teve como vencedor um forasteiro, outra vez o Brasil, de Pelé e Garrincha, na Suécia-1958.

O sucesso europeu nas três últimas Copas mudou a balança da divisão dos títulos mundiais. As seleções do Velho Continente somam 11 conquistas, contra nove das sul-americanas.

Se depender do início do Mundial da Rússia, essa diferença não deve diminuir no próximo mês.

APROVEITAMENTO POR CONTINENTE (APÓS 20 JOGOS)
Europa – 72,5%
América do Sul – 44,4%
América Central e do Norte – 33,3%
Ásia – 28,6%
África – 14,3%


Mais de Seleções:

– Por que a camisa da Croácia sempre é quadriculada?
– Envelhecida, Rússia recebe a Copa com seleção soviética
– Como políticas de Putin minaram chances da Rússia na Copa-2018
– Mais velha da história, Copa se enche de "tiozões" e tem até quarentão

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.

Mais Blog do Rafael Reis