Blog do Rafael Reis

Final “mais louca do século” deu último título de Champions ao Liverpool

Rafael Reis

25 de maio de 2005. Todo torcedor do Liverpool que se preze sabe bem o que o que aconteceu nesse dia.

Há exatos 13 anos, o clube inglês não apenas conquistou seu quinto e mais recente título da Liga dos Campeões da Europa. Ele também protagonizou a decisão de Champions mais eletrizante do século.

Assim como na final deste sábado, quando irá enfrentar o Real Madrid, em Kiev (Ucrânia), os Reds tiveram em 2005 um adversário repleto de estrelas de primeira grandeza do futebol mundial. Kaká, Andriy Shevchenko, Clarence Seedorf, Cafu e Paolo Maldini eram só alguns dos astros do elenco do Milan.

E esse poderoso rival foi enfileirando um gol atrás do outro no primeiro tempo no estádio Olímpico de Istambul, na Turquia.

Logo no primeiro minuto de jogo, Maldini abriu o placar. O argentino Hernán Crespo ampliou aos 39 min e fez mais um quando faltava apenas um minuto para o intervalo.

Quando Milan e Liverpool deixaram o gramado, o placar já apontava 3 a 0 para os italianos. Partida decidida… era essa a aposta da maioria esmagadora das milhões de pessoas que acompanhavam a final da Champions pela TV.

“Enquanto eu caminhava rumo ao vestiário, sentia uma combinação deprimente de desânimo e humilhação. Eu não conseguia levantar a cabeça e olhar para que aqueles rostos vestindo camisas vermelhas nas arquibancadas. Meus sonhos haviam virado pó. Eu já não pensava mais no jogo, só nas minhas famílias e amigos”, escreveu o zagueiro Jamie Carragher, em sua autobiografia.

Além do bate-papo do técnico Rafa Benítez com seus comandados, boa parte deles tomados pelo espírito da derrota descrito acima pelo defensor, o fato novo do intervalo foi a lesão sofrida pelo lateral direito irlandês Steve Finnan. Em seu lugar, entrou o meia alemão Dietmar Hamman.

“Sempre digo que fui quem mudou a partida naquela noite. Se eu não fosse minha contusão, não teríamos conquistado a Liga dos Campeões. Aquela lesão foi a melhor coisa que já aconteceu com o Liverpool”, brincou Finnan, em entrevista ao jornal “Liverpool Echo”, em 2015.

Exagero ou não, tudo mudou quando o segundo tempo começou. O capitão Steven Gerrard iniciou a reação aos 9 min. Aos 11 min, foi a vez do tcheco Vladimir Smicer marcar. E, aos 15 min, o espanhol Xabi Alonso converteu o pênalti que transformou o empate em realidade.

Três gols em seis minutos. E a imensa vantagem construída pelo Milan antes do intervalo foi para o espaço.

“No intervalo, eu era um dos que achavam que [a virada] era impossível e que eu deixaria esse gramado aos prantos. Nós tínhamos uma montanha para escalar e conseguimos depois de lutar até o fim”, disse, ao fim da partida, Gerrard.

Mas o Liverpool ainda precisava fazer mais um gol para conquistar a taça… ou arrastar a partida até a decisão por pênaltis e sair dela como vencedor. A segunda opção foi a que prevaleceu. Mas isso só aconteceu graças a mais um dos heróis de Istambul, o goleiro polonês Jerzy Dudek.

A três minutos do fim da prorrogação, ele evitou o gol na cabeçada de Shevchenko, mas não conseguiu tirar a bola para fora da pequena área. O próprio ucraniano pegou o rebote e finalizou à queima-roupa. Por um detalhe do destino, a bola não explodiu nas redes, mas sim nas mãos do goleiro.

“Não sei como consegui fazer aquela defesa. Foi sorte, algo fantástico para mim. Só sei que foi o momento pelo qual eu estava esperando”, disse, logo após a decisão.

Dudek voltou a brilhar na hora dos pênaltis. O polonês viu Serginho chutar para fora sua cobrança e defendeu dois tiros: o de Andrea Pirlo e o de Shevchenko, o vilão da noite milanista.

Resultado: a decisão de Champions “mais louca do século” terminou com a vitória por 3 a 2 do Liverpool nos pênaltis. “Foi uma das grandes finais de todos os tempos. E não consigo acreditar que vencemos”, resumiu Carragher.


Mais de Clubes

– Brasil pode ter a pior campanha da década na fase de grupos da Libertadores
– ''Cinderela da Bola'', rival do PSG em final tem teto salarial de 3 mil euros
– Vale nada? 5 motivos para acompanhar Barcelona x Real Madrid
– Como La Bombonera deixou de ser pesadelo para times brasileiros