Blog do Rafael Reis

Com Neymar, ataque do PSG cresce 53% e vira o melhor da Europa

Rafael Reis

A contratação de Neymar e a mudança de patamar do Paris Saint-Germain fizeram a produtividade do ataque do líder do Campeonato Francês crescer mais de 53%.

É essa a diferença entre o número de gols marcados pelo PSG na primeira metade da atual temporada, já com a presença do reforço mais caro da história do futebol mundial, e no mesmo período do ano anterior.

Em 2017/18, o time de Unai Emery já disputou 27 partidas e marcou 89 vezes. A média de 3,3 gols por jogo é disparada a maior entre todos os clubes que disputam uma das cinco principais ligas nacionais da Europa (Inglaterra, Espanha, Alemanha, Itália e França).

Já na temporada anterior, quando ainda não tinha Neymar e nem Kylian Mbappé, seu outro reforço de peso para o ataque nos últimos meses, o PSG fez 31 gols a menos. Foram 58 bolas na rede nas primeiras 27 apresentações de 2016/17.

Contratado do Barcelona por 222 milhões de euros (quase R$ 870 milhões, na cotação atual) para ser o protagonista do clube francês, Neymar participou ativamente de 35% dos 89 gols anotados por sua equipe na atual temporada.

O brasileiro já marcou 17 vezes (é o vice-artilheiro da equipe, atrás apenas do uruguaio Edinson Cavani, que tem 25) e distribuiu 14 assistências (mais do que qualquer outro companheiro de equipe).

Curiosamente, o crescimento ofensivo do PSG após a chegada do astro está mais ligado a uma evolução na pontaria do seu ataque do que propriamente ao número de chances criadas pela equipe.

Segundo o “Who Scored?”, site especializado nas estatísticas do futebol, a quantidade de finalizações da equipe francesa também aumentou nesta temporada, mas não tanto quanto a frequência de gols marcados.

De acordo com a plataforma, o PSG tem uma média de 17,4 chutes a gol por partida em 2017/18, apenas 13% a mais que as 15,4 conclusões por jogo da temporada anterior.

Isso significa que, hoje em dia, cerca de 19% de todas as finalizações do time de Neymar balançam as redes adversárias. Antes da contratação do brasileiro, essa marca estava na casa dos 14%.

É graças a esse aproveitamento exemplar que o PSG bateu o recorde de gols da história da fase de grupos da Liga dos Campeões (25 gols nos primeiros seis jogos da competição, superando os 21 anotados pelo Borussia Dortmund na temporada passada), tem o melhor ataque do Campeonato Francês e virou um dos times mais temidos do planeta.


Mais de Brasileiros pelo Mundo

– Coutinho já foi visto como decepção na Europa e esperou 9 meses por 1º gol
– ''Terceiro atacante'', Paulinho finaliza como centroavante no Barcelona
– Em campo no Réveillon, ex-Palmeiras diz que merece chance na seleção
– Mercado da Bola: 7 brasileiros que podem mudar de time na janela de janeiro